Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

1.4: Raciocínio Indutivo
TABLE OF
CONTENTS

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Inductive Reasoning
 
TRANSCRIPT

1.4: Inductive Reasoning

1.4: Raciocínio Indutivo

Overview

Inductive reasoning is a type of logic in which premises lead to a conclusion. Inductive reasoning is uncertain and operates in degrees to which the conclusions are credible. As such, inductive arguments can be weak or strong, rather than valid or invalid, and conclusions can be used to formulate testable, falsifiable hypotheses.

Inductive Reasoning

In inductive reasoning, collected evidence of an often small sample is used to draw a conclusion. It allows for the possibility that the conclusion is false. This is unlike deductive reasoning, which starts with a hypothesis and looks at the possibilities to reach a specific, logical conclusion.

For example, if all fish in a pond are observed squirting water into the air towards insects that they then retrieve and eat, inductive reasoning would indicate that all fish must be able to project water as a method of preying on insects.

Because this conclusion is credible, it can be used to formulate a testable, falsifiable hypothesis—that all fish project water to catch their insect prey. In general, this is a weak argument considering that not all types of fish are present in this particular pond. Then, in order to test this hypothesis, the researcher could collect multiple types of fish from the pond—in addition to other types of fish that eat insects from other water sources—and observe how they behave in a laboratory setting, in the presence of insects. The results may lead to the conclusion that not all fish squirt water at their prey. For example, it is known that archerfish shoot insects with a stream of water, but pufferfish do not.

Visão Geral

O raciocínio indutivo é um tipo de lógica em que premissas levam a uma conclusão. O raciocínio indutivo é incerto e opera em graus nos quais as conclusões são credíveis. Como tal, os argumentos indutivos podem ser fracos ou fortes, em vez de válidos ou inválidos, e as conclusões podem ser usadas para formular hipóteses testáveis e falsificáveis.

Raciocínio Indutivo

No raciocínio indutivo, evidências recolhidas de uma amostra muitas vezes pequena são usadas para tirar uma conclusão. Ele permite a possibilidade de que a conclusão seja falsa. Isto é diferente do raciocínio dedutivo, que começa com uma hipótese e analisa as possibilidades de chegar a uma conclusão específica e lógica.

Por exemplo, se todos os peixes em um lago são observados a esguichar água para o ar em direção a insetos que eles então recuperam e comem, o raciocínio indutivo indicaria que todos os peixes devem ser capazes de projetar água como um método de caça aos insetos.

Como essa conclusão é credível, ela pode ser usada para formular uma hipótese testável e falsificável—de que todos os peixes projetam água para capturar as suas presas de insetos. No geral, este é um argumento fraco considerando que nem todos os tipos de peixes estão presentes neste lago em particular. Em seguida, para testar essa hipótese, o investigador poderia recolher vários tipos de peixes do lago—além de outros tipos de peixes que comem insetos de outras fontes de água—e observar como eles se comportam em um ambiente de laboratório, na presença de insetos. Os resultados podem levar à conclusão de que nem todos os peixes esguicham água para as suas presas. Por exemplo, sabe-se que os peixes-arqueiro atiram com um fluxo de água em insetos, mas os peixes-balão não.


Suggested Reading

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter