Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

3.5: Síntese de Desidratação
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Dehydration Synthesis
 
TRANSCRIÇÃO

3.5: Síntese de Desidratação

Visão Geral

Síntese de desidratação é o processo químico no qual duas moléculas se ligam covalentemente com a libertação de uma molécula de água. Muitos compostos fisiologicamente importantes são formados por síntese de desidratação, por exemplo, carboidratos complexos, proteínas, DNA e RNA.

A Síntese de Desidratação Cria os Blocos de Construção da Vida

Moléculas de açúcar podem ser covalentemente ligadas por síntese de desidratação, também chamada reação de condensação.A ligação estável resultante é chamada de ligação glicosídica. Para formar a ligação, um grupo hidroxilo (-OH) de um reagente e um átomo de hidrogénio do outro formam água, enquanto que o oxigénio restante liga os dois compostos. Para cada ligação adicional formada, outra molécula de água é libertada, literalmente desidratando os reagentes. Por exemplo, moléculas individuais de glicose (monómeros) podem sofrer repetidas sínteses de desidratação para criar uma longa cadeia ou composto ramificado. Tal composto, com subunidades idênticas ou semelhantes, é chamado de polímero. Dado o conjunto diversificado de monómeros de açúcar, e a variação na localização da ligação, um número praticamente ilimitado de polímeros de açúcar pode ser criado.

As Múltiplas Funções dos Carboidratos em Organismos Vivos

As plantas produzem carboidratos simples a partir de dióxido de carbono e água em um processo chamado fotossíntese. As plantas armazenam os açúcares resultantes (ou seja, energia) como amido, um polissacarídeo que é criado a partir de moléculas de glicose por síntese de desidratação. A celulose também é criada a partir de monómeros de glicose e é o bloco de construção da parede celular nas plantas.

Os animais consomem carboidratos complexos e quebram-nos. Os monossacarídeos são então usados para produção de energia ou armazenados sob a forma de glicogénio. O glicogénio é um polissacarídeo ramificado feito de monómeros de glicose por síntese de desidratação. Além disso, monossacarídeos são usados como matéria-prima para pequenos blocos orgânicos de construção, como ácidos nucleicos, aminoácidos e ácidos gordos.

A maioria dos animais não consegue digerir a celulose sintetizada pelas plantas. Em vez disso, a fibra insolúvel passa pelo sistema digestivo com efeitos colaterais muito benéficos: ajuda com a passagem dos alimentos e aumenta a quantidade de água que é retida no intestino. Alguns animais, como as vacas, têm bactérias no seu intestino que produzem enzimas para quebrar a celulose, disponibilizando glicose para a vaca.

Amilose, Glicogénio e Celulose Consistem Todos em Glicose

Como é que a amilose (a parte linear do amido), o glicogénio e a celulose podem ser feitos do mesmo componente base mas diferirem nas suas propriedades? A diferença está no tipo de ligação entre as moléculas individuais de glicose. A celulose tem ligações β-1,4 de glicose, o que significa que um monómero de glicose com o carbono número um em forma β (ou seja, o grupo hidroxilo no carbono número um está a apontar para cima) está ligado ao carbono número 4 no monómero de glicose vizinho. Os monómeros de glicose na amilose estão conectados por ligações α-1,4. O glicogénio também tem ligações α-1,4, mas cadeias laterais adicionais com ligação α-1,6.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter