Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

14.7: Tipos de RNA
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Types of RNA
 
TRANSCRIÇÃO

14.7: Tipos de RNA

Visão Geral

Três tipos principais de RNA estão envolvidos na síntese proteica: RNA mensageiro (mRNA), RNA de transferência (tRNA) e RNA ribossómico (rRNA). Esses RNAs executam funções diversas e podem ser amplamente classificados como RNAs codificantes de proteínas ou não codificantes. Os RNAs não codificantes desempenham papéis importantes na regulação da expressão genética em resposta a mudanças no desenvolvimento e no meio ambiente. RNAs não codificantes em procariotas podem ser manipulados para desenvolver fármacos antibacterianos mais eficazes para uso humano ou animal.

O RNA Realiza Funções Diversas mas Cooperativas Durante a Síntese de Proteínas

O dogma central da biologia molecular afirma que o DNA contém as informações que codificam proteínas e o RNA usa essas informações para guiar a síntese proteica. Diferentes tipos de RNA estão envolvidos na síntese proteica. Com base em se codifica ou não proteínas, o RNA é amplamente classificado como RNA codificante de proteínas ou não codificante.

O RNA mensageiro (mRNA) é o RNA codificante de proteínas. Consiste em codões—sequências de três nucleótidos que codificam um aminoácido específico. O RNA de transferência (tRNA) e o RNA ribossómico (rRNA) são RNAs não codificantes. O tRNA atua como uma molécula adaptadora que lê a sequência de mRNA e coloca aminoácidos na ordem correta na cadeia de polipeptídeos em crescimento. O rRNA e outras proteínas compõem o ribossoma—o local da síntese proteica na célula. Durante a tradução, os ribossomas movem-se ao longo de uma cadeia de mRNA onde estabilizam a ligação de moléculas de tRNA e catalisam a formação de ligações de peptídeos entre aminoácidos. Assim, diferentes tipos de RNA realizam funções específicas, mas complementares durante a síntese proteica.

RNAs Não Codificantes em Eucariotas Regulam a Expressão Genética

RNAs não codificantes que não são tRNA e rRNA foram inicialmente considerados como “lixo genómico”, uma vez que não codificavam proteínas. No entanto, os seus papéis na regulação da expressão genética foram descobertos ao longo das últimas décadas e continuam a ser amplamente investigados. Com base no seu comprimento, os RNAs não codificantes podem ser classificados como RNAs regulatórios pequenos (< 100 nucleótidos) ou RNAs não codificantes longos (> 200 nucleótidos).

Tanto RNAs regulatórios pequenos como RNAs não codificantes longos regulam a expressão genética alterando várias fases da transcrição e tradução. RNAs não codificantes afetam o splicing do mRNA—remoção de segmentos de proteínas não codificantes e junção das sequências codificantes de proteínas. Assim, eles controlam a formação de diferentes variantes proteicas a partir de um único gene. RNAs regulatórios pequenos como microRNAs (miRNAs) e RNAs interferentes pequenos (siRNAs) ligam-se a sequências complementares no mRNA e inibem a síntese proteica, seja bloqueando o acesso da maquinaria de tradução do mRNA ou degradando o próprio mRNA. RNAs não codificantes longos interagem com e recrutam enzimas que modificam quimicamente o DNA e histonas—proteínas que ajudam a condensar o DNA no núcleo—para ativar ou reprimir a transcrição.

RNAs Não Codificantes em Procariotas Atuam como Sensores Ambientais

A regulação da expressão genética mediada pelo RNA é generalizada em bactérias. As sequências regulatórias do mRNA—chamadas riboswitches—atuam como sensores ambientais detectando alterações nos níveis de temperatura e nutrientes.

A regulação baseada em riboswitches depende da formação de duas conformações mutualmente exclusivas e estáveis da estrutura secundária do RNA. A estrutura secundária alterna entre as duas conformações para ligar ou desligar a expressão genética em resposta às mudanças ambientais. Por exemplo, quando a bactéria Listeria monocytogenes infecta um hospedeiro, a temperatura corporal mais alta do hospedeiro quebra a estrutura secundária na região 5’ não traduzida do mRNA bacteriano. Isso expõe um local de ligação de ribossomas no mRNA e inicia a tradução de proteínas, permitindo que as bactérias vivam e cresçam dentro do organismo hospedeiro.

Riboswitches Podem Ser Manipulados Para Desenvolver Antibacterianos Eficazes

Alguns riboswitches detectam produtos finais de vias metabólicas e servem como controlos de feedback para a transcrição ou tradução. Por exemplo, o riboswitch tiamina pirofosfato regula a biossíntese de tiamina em bactérias. Quando uma concentração adequada de tiamina é sintetizada, ela liga-se ao riboswitch e muda a sua conformação. Essa mudança na conformação bloqueia o local de iniciação da tradução e interrompe a síntese proteica.

Compostos que se assemelham à tiamina na estrutura estão a ser estudados como potenciais agentes antibacterianos. Estes fármacos destinam-se a ligar o riboswitch na ausência de tiamina e causar uma mudança conformacional que bloqueia a tradução de proteínas necessárias para a biossíntese de tiamina. Uma vez que as bactérias serão incapazes de produzir esse nutriente, elas vão parar de crescer e eventualmente morrer. Como riboswitches são mais comumente encontrados em procariotas do que eucariotas, os antibacterianos que visam riboswitches terão efeitos adversos mínimos sobre os hospedeiros mamíferos.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter