Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

24.6: Reatividade Cruzada
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Cross-reactivity
 
TRANSCRIÇÃO

24.6: Reatividade Cruzada

Visão Geral

A capacidade de um único anticorpo reconhecer vários epítopos estruturalmente semelhantes é uma importante estratégia de defesa imunitária que permite ao hospedeiro defender-se eficientemente contra muitos agentes patogénicos potencialmente ameaçadores. No entanto, a reatividade cruzada também provoca sintomas alérgicos contra alergénios relacionados. É cada vez mais importante compreender os princípios da reatividade cruzada, pois os anticorpos estão a ser desenvolvidos ativamente como modalidades terapêuticas para diversas doenças, incluindo o cancro.

Epítopos Estruturalmente Semelhantes Podem ser Encontrados em Diferentes Antigénios

Os anticorpos podem iniciar uma resposta imunitária ligando-se a estruturas específicas na superfície de agentes patogénicos ou outros elementos estranhos. Por definição, qualquer coisa que se ligue a um anticorpo, e posteriormente provoque uma resposta imune, é chamada de antigénio. Muitas vezes, antigénios são proteínas na superfície de vírus, bactérias, fungos e invasores protozoários. A sequência específica de aminoácidos reconhecidos pelo anticorpo é chamada de epítopo. A maioria dos epítopos tem apenas 5-6 aminoácidos de comprimento. Como tal, um único antigénio pode apresentar vários epítopos distintos. A reatividade cruzada ocorre quando dois epítopos distintos são estruturalmente semelhantes e, portanto, são reconhecidos pelo mesmo anticorpo.

A Reatividade Cruzada Facilita a Imunidade Contra Estirpes Relacionadas de Agentes Patogénicos

Um grande benefício da reatividade cruzada dos anticorpos é que fornece proteção de imunidade cruzada a agentes patogénicos relacionados. Quando um anticorpo circulante reconhece um agente patogénico viral ou bacteriano que já encontrou anteriormente, ele cria uma resposta imunitária rápida e visa o agente patogénico para destruição. Esse processo é chamado de memória imunitária. A reatividade cruzada permite que o mesmo anticorpo reconheça e provoque uma resposta imunitária igualmente robusta a um antigénio intimamente relacionado, mas não encontrado anteriormente. Desta forma, um anticorpo menos específico fornece imunidade de amplo espectro, apesar da variação antigénica em agentes patogénicos.

A Reatividade Cruzada Pode Aumentar o Número de Alergénios

Uma alergia ocorre quando os anticorpos reconhecem antigénios de fontes benignas (por exemplo, alimentos, plantas, animais) como agentes patogénicos invasores e criam inapropriadamente uma resposta imunitária contra eles. No caso de uma alergia, o antigénio é chamado de alergénio. A reatividade cruzada de anticorpos pode, infelizmente, aumentar o número de alergénios a que uma pessoa alérgica reage. Enquanto que a reação alérgica inicial foi induzida contra um alergénio específico (por exemplo, nozes), a reatividade cruzada permite que o sistema imunitário reaja contra alergénios adicionais, estruturalmente semelhantes (por exemplo, noz-pecã). Esses alergénios podem ser semelhantes na natureza, como camarão e lagosta, ou não relacionados, como banana e látex. No entanto, eles apresentam epítopos estruturalmente semelhantes e, portanto, induzem uma resposta imune que é mediada pelo mesmo anticorpo.

Vacinação com um Anticorpo de Reação Cruzada Pode Inibir Várias Formas Mortais de Ebola

A ébola é uma doença muitas vezes mortal causada pelo vírus Ebola. Quatro das seis espécies de Ebola são patogénicas para humanos. O vírus espalha-se facilmente pela transmissão de fluidos corporais e causa surtos locais. Apenas nos últimos anos os investigadores desenvolveram uma vacina contra a estirpe Zaire do vírus Ebola. A vacina protegeu com sucesso os profissionais de saúde em um surto agudo de ébola na República Democrática do Congo em 2018. A vacina precisa ser submetida a testes adicionais para demonstrar a sua segurança, mas é uma candidata esperançosa para prevenir a estirpe Zaire do vírus Ebola que causa a doença.

Enquanto isso, os investigadores continuam a identificar anticorpos que conferem ampla imunidade contra o vírus Ebola. Para isso, os cientistas recolheram amostras e caracterizaram anticorpos humanos de sobreviventes de um surto de ébola. Eles identificaram dois anticorpos que reagem cruzadamente contra várias espécies do vírus Ebola. Essa descoberta pode levar ao desenvolvimento de uma vacina em larga escala contra o vírus Ebola.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter