Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

24.7: Reações Alérgicas
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Allergic Reactions
 
TRANSCRIÇÃO

24.7: Reações Alérgicas

Visão Geral

Falamos de uma alergia quando o sistema imunitário desencadeia uma resposta contra uma estrutura estranha benigna, como comida, pólen ou animais de estimação. Estes elicitadores são chamados alergénios. Se o sistema imunitário de um indivíduo hipersensível foi preparado contra um alergénio específico, ele desencadeará sintomas alérgicos durante cada encontro subsequente com o alergénio. Os sintomas podem ser leves, como a febre do feno, ou graves, como choque anafilático potencialmente fatal.

A Sensibilização é o Primeiro Passo de uma Alergia

O sistema imunitário é crucial para defender um organismo contra bactérias, vírus, fungos, toxinas e parasitas. No entanto, em uma resposta hipersensível, pode ser desencadeado por substâncias inofensivas e causar reações desagradáveis ou potencialmente fatais, chamadas alergias. O primeiro passo para estabelecer uma alergia é a sensibilização. Por exemplo, um indivíduo torna-se alérgico ao pólen de ambrósias quando, pela primeira vez, as células imunitárias nas vias respiratórias incorporam o pólen e degradam os alergénios em fragmentos. Essas células imunitárias são chamadas de células apresentadoras de antigénios, ou APCs, porque exibem os fragmentos dos alergénios degradados na sua superfície. Exemplos de APCs são células dendríticas, macrófagos e células B.

Posteriormente, as APCs ativam células T auxiliares Tipo 2 (Th2). As Th2 ativadas libertam então sinais químicos (por exemplo, citocinas) que fazem com que as células B se diferenciem em células plasmáticas produtoras de anticorpos. As células plasmáticas, por sua vez, produzem imunoglobulina E (IgE), uma classe de anticorpos.

Uma vez criado, o IgE liga-se à superfície de mastócitos. Os mastócitos são especialmente prevalentes em tecidos que separam o exterior e o interior de um organismo, como a pele, a mucosa dos pulmões, o trato digestivo, a boca e o nariz. A ligação do IgE a mastócitos finaliza a sensibilização.

A Exposição Repetida a Alergénios Induz uma Resposta Imunitária Inadequada

Da vez seguinte que o corpo encontrar pólen de ambrósias, o IgE estimula os mastócitos a produzir químicos inflamatórios, como histaminas, leucotrienos e citocinas. Esses químicos produzem os sintomas típicos alérgicos da febre do feno: espirros, coriza e inflamação da passagem nasal. A exposição a alergénios também faz com que mastócitos e Th2 libertem sinais químicos que recrutam e ativam outras células imunitárias indutoras de inflamação, como eosinófilos e basófilos, amplificando ainda mais os sintomas.

Os IgEs que foram produzidos em resposta ao pólen de ambrósias durante a sensibilização são específicos para ambrósias. Isso significa que esses IgEs desencadearão uma resposta imunitária (ou seja, reação alérgica) sempre que encontrarem pólen de ambrósias. Em alguns casos, os IgEs específicos para pólen também pode desencadear uma reação alérgica em resposta a outros alergénios. Esse processo é chamado de reatividade cruzada.

Um Choque Anafilático é uma Reação Alérgica Sistémica Potencialmente Fatal

Enquanto que alguns episódios alérgicos podem apresentar apenas um incómodo, outros têm consequências potencialmente fatais se não forem tratados rapidamente. Embora a prevalência de anafilaxia varie regionalmente, estima-se que 0,05-2% das pessoas sofrem de um choque anafilático—o início rápido de uma resposta alérgica sistémica. Desencadeadores podem ser comida, medicação, látex e veneno de insetos. Poucos minutos após a exposição ao alergénio, os mastócitos libertam um grande número de mediadores na corrente sanguínea. Os mediadores, como histaminas, leucotrienos e triptase, levam à restrição das vias aéreas (broncoconstrição), ampliação dos vasos sanguíneos (vasodilatação), aumento da produção de muco, alterações na frequência cardíaca e permeabilidade vascular.

Para diagnosticar a anafilaxia, deve-se, portanto, procurar erupções cutâneas, um rápido aumento de muco, dificuldades respiratórias, redução da pressão arterial e sintomas gastrointestinais ao longo de um curso de tempo que varia de vários minutos a horas após a exposição ao alergénio. A epinefrina é a única medicação potente conhecida para neutralizar as complexas alterações fisiológicas durante a anafilaxia. Ela inicia a constrição dos vasos sanguíneos, aumenta a frequência cardíaca, estabiliza a contratilidade cardíaca e aumenta o fluxo de ar através das vias aéreas. A epinefrina é geralmente auto-aplicada usando uma EpiPen, uma vez que uma resposta rápida após o início da anafilaxia é crítico.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter