Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

28.3: Histórias de Vida
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

This content is Free Access.

Education
Life Histories
 
TRANSCRIÇÃO

28.3: Histórias de Vida

Visão Geral

Restringidos por energia e recursos limitados, os organismos devem comprometer-se entre quantidade de filhos e investimento parental. Essa compensação é representada por duas estratégias reprodutivas primárias; estrategistas K produzem poucos descendentes, mas fornecem apoio parental substancial, enquanto que estrategistas r produzem muita descendência que recebe pouco cuidado. Essas estratégias estão relacionadas com a probabilidade de sobrevivência de um organismo ao longo de sua vida útil, que é representada por uma curva de sobrevivência. Três tipos gerais de curvas de sobrevivência são exibidos por organismos que: tendem a viver longas vidas (Tipo I, estrategistas K); são igualmente propensos a morrer em todas as idades (Tipo II); ou têm altas taxas de mortalidade precoce, mas vida longa se sobreviverem até a idade adulta (Tipo III, estrategistas r).

Estratégias de História da Vida Refletem um Compromisso Entre “Quantidade” e “Qualidade” da Progenia

A história de vida de um organismo inclui todos os eventos que ocorrem ao longo da sua vida útil, incluindo nascimento, desenvolvimento, maturação sexual, reprodução e morte. Compromissos envolvendo os padrões e altura temporal dos eventos da história da vida (notavelmente sobrevivência e reprodução) em diferentes idades e estágios de desenvolvimento representam diferentes estratégias de história da vida. Estrategistas r e K fazem compromissos reprodutivos distintos entre o número de filhos e o nível de cuidados parentais, ou quantidade de filhos versus qualidade. Estrategistas r (r para razão) tendem a ter alta fecundidade (potencial reprodutivo) e produzem muitos descendentes que são amplamente dispersos, recebem poucos cuidados parentais e têm baixas taxas de sobrevivência precoce. Os estrategistas r normalmente prosperam em ambientes imprevisíveis, amadurecem cedo e têm corpos pequenos. Estrategistas K (K para Kapazitätsgrenze, ou limite de capacidade em alemão) produzem menos descendentes e dedicam mais cuidados parentais do que estrategistas r, e sua descendência, portanto, tem taxas de sobrevivência precoce mais altas. Os estrategistas K prosperam em ambientes estáveis. É importante ressaltar que a maioria dos organismos não é rigorosamente r ou K, mas está algures em um continuum dessas características. Por exemplo, as tartarugas marinhas têm uma vida útil longa e forte competitividade (características K), mas produzem muitos descendentes que recebem poucos cuidados parentais (características r).

Sobrevivência e Crescimento Populacional Podem ser Visualizados em Curvas de Sobrevivência e Diagramas de Estrutura Etária

Uma curva de sobrevivência exibe a percentagem de uma população sobrevivente (eixo y) em diferentes intervalos de idade (eixo x). Dos três tipos gerais de curvas de sobrevivência, dois correspondem a estrategistas K e r. Estrategistas K, incluindo humanos e a maioria dos primatas e animais do zoológico, exibem sobrevivência Tipo I e tendem a morrer quando idosos. As espécies que exibem a sobrevivência Tipo II têm igual probabilidade de sobrevivência em cada intervalo de idade. A sobrevivência Tipo II é altamente teórica, com poucos exemplos no mundo real. Hidras, gaivotas e tordos-americanos exibem curvas de sobrevivência bastante lineares, e roedores, coelhos, muitas aves adultas, e algumas tartarugas exibem uma curva sigmóide ou côncava que se aproxima da linearidade. Estrategistas r, incluindo árvores, invertebrados marinhos, peixes e alguns insetos, exibem sobrevivência Tipo III. Esses organismos geralmente morrem jovens, mas aqueles que sobrevivem até a idade adulta geralmente vivem vidas longas. A maioria das espécies exibe alguma combinação desses padrões. Por exemplo, uma espécie que exibe sobrevivência juvenil Tipo III pode exibir sobrevivência adulta Tipo II. Nas curvas de sobrevivência, o número de indivíduos sobreviventes (eixo y) é frequentemente indicado em uma escala logarítmica para melhor exibir efeitos per capita (proporção) e permitir comparações com os Tipos I, II e III idealizados.

Um diagrama de estrutura etária mostra a proporção de uma população (eixo x) em cada intervalo de idade (eixo y) e pode ser usado para prever se uma população vai diminuir ou crescer. Por exemplo, seria esperado maior crescimento em uma população com mais mulheres e jovens. Diferentes formas de diagrama representam padrões distintos de prováveis mudanças populacionais (em crescimento, estável ou em diminuição).


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter