Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

31.2: Tipos de Seleção
TABLE OF
CONTENTS

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Types of Selection
 
TRANSCRIPT

31.2: Types of Selection

31.2: Tipos de Seleção

Natural selection influences the frequencies of particular alleles and phenotypes within populations in several different ways. Primarily, natural selection can be directional, stabilizing, or disruptive. Directional selection favors one extreme trait and shifts the population towards that phenotype while selecting against individuals displaying alternate traits. Stabilizing selection favors an intermediate trait with a narrow range of variation. Deviation from the optimal phenotype towards an extreme one is unfavorable. Finally, disruptive selection favors both extremes of a phenotype, while intermediate phenotypes are selected against.

Directional Selection

Directional selection favors one extreme of a phenotype. For example, in sockeye salmon, research has shown that directional selection is favoring seasonally earlier migration. This is thought to be due to predation pressure from fisheries, as fishing increases later in the migration season. Thus, fish arriving and spawning earlier may have a better chance of reaching their destination to reproduce before being caught by fishermen.

Stabilizing Selection

When a particular non-extreme phenotype is favored, this is referred to as stabilizing selection. For example, across many species of birds, clutch size (the number of eggs in a single brood) is kept within an optimal window. Lapwings and golden plovers typically lay four eggs. This optimization is a trade-off between keeping the clutch size low enough to ensure enough resources to feed all the chicks and having enough chicks to ensure that at least some survive to adulthood. This is a common theme among bird species.

Disruptive Selection

In some scenarios, two extremes of a trait may be more favorable in the environment than an intermediate trait. The African black-bellied seedcracker (Pyrenestes ostrinus) displays an impressive polymorphism for beak size that is not determined by sex, body size, age or geographic origin. Two major distinct morphs exist, small-billed and large-billed. This trait is controlled by a single autosomal locus, with large bills being dominant. These two distinct bill morphologies allow the seedcrackers to easily eat the seeds of different sedge grasses. The small-billed seedcrackers primarily eat sedge species with softer seeds, whereas the large-billed birds can crack the harder seeds of other species of sedge. However, birds with bills of intermediate sizes cannot easily eat either type and are thus rarely seen.

A seleção natural influencia as frequências de alelos e fenótipos particulares dentro das populações de várias maneiras diferentes. Principalmente, a seleção natural pode ser direcional, estabilizadora ou disruptiva. A seleção direcional favorece um traço extremo e desloca a população para esse fenótipo enquanto seleciona contra indivíduos que exibem traços alternativos. A seleção estabilizadora favorece um traço intermediário com uma faixa estreita de variação. O desvio do fenótipo ideal para um extremo é desfavorável. Finalmente, a seleção disruptiva favorece ambos os extremos de um fenótipo, enquanto fenótipos intermediários são selecionados contra.

Seleção Direcional

A seleção direcional favorece um extremo de um fenótipo. Por exemplo, no salmão sockeye, pesquisas mostraram que a seleção direcional está favorecendo a migração sazonalmente anterior. Acredita-se que isso se deve à pressão de predação da pesca, uma vez que a pesca aumenta mais tarde na temporada migratória. Assim, os peixes que chegam e desovam mais cedo podem ter mais chances de chegar ao seu destino para se reproduzirem antes de serem capturados pelos pescadores.

Seleção estabilizadora

Quando um fenótipo não extremo é favorecido, isso é chamado de seleção estabilizadora. Por exemplo, em muitas espécies de aves, o tamanho da embreagem (o número de ovos em uma única ninhada) é mantido dentro de uma janela ideal. Lapwings e plovers dourados normalmente colocam quatro ovos. Essa otimização é uma troca entre manter o tamanho da embreagem baixo o suficiente para garantir recursos suficientes para alimentar todos os filhotes e ter filhotes suficientes para garantir que pelo menos alguns sobrevivam à idade adulta. Este é um tema comum entre espécies de aves.

Seleção Disruptiva

Em alguns cenários, dois extremos de uma característica podem ser mais favoráveis no ambiente do que um traço intermediário. O quebra-sementes de barriga preta africana (Pyrenestes ostrinus) exibe um polimorfismo impressionante para o tamanho do bico que não é determinado por sexo, tamanho do corpo, idade ou origem geográfica. Existem duas grandes morfinas distintas, de bico pequeno e de bico grande. Essa característica é controlada por um único lócus autossômico, com grandes notas sendo dominantes. Essas duas morfologias distintas permitem que os quebra-sementes comam facilmente as sementes de diferentes gramíneas de sedge. Os pequenos quebra-sementes de bicos comem principalmente espécies de sedge com sementes mais macias, enquanto as aves de bico grande podem quebrar as sementes mais duras de outras espécies de sedge. No entanto, aves com notas de tamanhos intermediários não podem comer facilmente qualquer tipo e, portanto, raramente são vistas.


Suggested Reading

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter