Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

12.13: Características X-Linked
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
X-linked Traits
 
TRANSCRIÇÃO

12.13: Características X-Linked

Na maioria das espécies de mamíferos, as fêmeas têm dois cromossomas sexuais X e os machos têm um X e um Y. Como resultado, mutações no cromossoma X em fêmeas podem ser mascaradas pela presença de um alelo normal no segundo X. Em contraste, uma mutação no cromossoma X em machos causa defeitos biológicos observáveis com mais frequência, uma vez que não há cromossoma X normal para compensar. Variações de características decorrentes de mutações no cromossoma X são chamadas de “X-linked”.

Um exemplo bem estudado de uma característica X-linked é o daltonismo. Quando uma mutação ocorre nos genes responsáveis pela visão de cor vermelha e verde nos fotorreceptores da retina, pode ocorrer daltonismo. Embora essa mutação recessiva possa fazer com que as fêmeas sejam daltónicas, elas precisam possuir dois cromossomas X mutantes. O daltonismo é muito mais comum em machos, que têm apenas um cromossoma X e, portanto, nenhuma segunda cópia para potencialmente compensar a mutação.

O daltonismo é passado de mãe para filho; um cromossoma X mutante será passado da mãe para metade dos seus filhos, que recebem um cromossoma Y do seu pai. Enquanto isso, os machos daltónicos passarão o alelo para o daltonismo para todas as suas filhas, que serão portadoras ou daltónicas, dependendo do alelo materno recebido. Ocasionalmente, esse tipo de mutação X-linked também pode surgir por mutação espontânea e não como resultado da herança da mãe ou do pai.

Outro exemplo bem estudado de uma condição X-linked é a hemofilia, um distúrbio sanguíneo bem conhecido pela sua alta taxa de incidência nas monarquias Europeias. A hemofilia é o resultado de uma mutação em um fator de coagulação sanguínea, VIII ou IV, que leva a um sangramento mais longo após lesão e pode causar hemorragia articular espontânea. Embora atualmente não haja cura para a hemofilia, a terapia genética está a ser explorada como uma possibilidade.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter