Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

28.11: Interações Predador-Presa
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

This content is Free Access.

Education
Predator-Prey Interactions
 
TRANSCRIÇÃO

28.11: Interações Predador-Presa

Os predadores consomem presas para obterem energia. Predadores que adquirem presas e presas que evitam a predação ambos aumentam a sua probabilidade de sobrevivência e reprodução (ou seja, aptidão). Interações rotineiras entre predadores e presas provocam adaptações mútuas que melhoram as ofensivas dos predadores, como garras, dentes e velocidade, bem como as defesas das presas, incluindo crípse, apossematismo, e mimetismo. Assim, as interações predador-presa assemelham-se a uma corrida armamentista evolutiva.

Embora a predação seja comumente associada a carnivoria, por exemplo, chitas a caçar gazelas, existe um tipo de interação intimamente relacionada. Herbivoria é o consumo de plantas por animais conhecidos como herbívoros. As plantas normalmente detêm herbívoros empregando uma série de defesas, incluindo defesas morfológicas como espinhos de uma árvore de acácia, e defesas químicas, como toxinas de uma asclepia. No entanto, alguns herbívoros evoluem adaptações para contornar defesas vegetais. Girafas, por exemplo, têm línguas longas e hábeis que lhes permitem consumir as folhas da acácia, evitando os seus espinhos. As lagartas de borboletas monarcas evoluíram imunidade a toxinas da asclepia, e em vez disso ingerem asclepias para armazenar as toxinas nos seus tecidos como uma defesa contra os seus próprios predadores.

O tamanho da população de predadores e presas pode aumentar e diminuir em ciclos, devido, em parte, à predação. Por exemplo, as populações de linces e lebres-americanas no norte do Canadá ciclam a cada 10 anos, com as alterações na população de linces ficando 1-2 anos atrás da população de lebres. À medida que a população de lebres aumenta, a população de linces—que preferem alimentar-se de lebres-americanas—também aumenta. No entanto, à medida que o lince captura as lebres, a população de lebres começa a diminuir. A escassez de lebres eventualmente reduz a população de linces, permitindo que as lebres prosperem e o ciclo se repita. Outros fatores, como a disponibilidade de vegetação e a predação por outros predadores, também impactam o ciclo populacional de lebres limitando o pico do seu tamanho populacional e taxa de crescimento.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter