Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

35.5: Reprodução Assexuada
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Asexual Reproduction
 
TRANSCRIÇÃO

35.5: Reprodução Assexuada

A reprodução assexuada permite que as plantas se reproduzam sem produzirem flores, atrairem polinizadores ou dispersarem sementes. Os descendentes são geneticamente idênticos aos progenitores e produzidos sem a fusão de gâmetas masculinos e femininos.

A reprodução vegetativa é um tipo comum de reprodução assexual, na qual fragmentos separados—como caules, raízes ou folhas—de plantas individuais se desenvolvem em organismos completos. Dentes-de-leão do género Taraxacum usam um método de reprodução assexuada chamado apomixia, que produz sementes sem polinização ou fertilização.

Os produtores de plantas também usam métodos artificiais de reprodução assexuada—incluindo corte, enxerto, mergulhia, e micropropagação.

Algumas plantas podem ser propagadas apenas colocando estacas de caules que contenham nós em solo húmido e permitindo que elas enraizem.

O enxerto pode ser usado para combinar as características desejáveis de diferentes plantas. Um segmento de caule (o garfo) de uma planta é enxertado, ou anexado, a uma seção radicular (o cavalo) de outra planta. Com o tempo, os sistemas vasculares das duas plantas fundem-se, formando um enxerto. O garfo cresce, produzindo novos rebentos e, eventualmente, flores e frutos. O enxerto é tipicamente usado para produzir diferentes variedades de uvas, rosas e árvores cítricas, entre outras espécies.

A mergulhia envolve dobrar um caule jovem de uma planta e cobrir o caule com solo. Hormonas de enraizamento também podem ser aplicadas. Quando as raízes aparecem, a nova planta pode ser transplantada para uma área diferente.

A micropropagação produz rapidamente várias plantas a partir de uma única planta usando métodos de cultura de tecido vegetal. Essas técnicas são úteis para a propagação de espécies raras ou ameaçadas de extinção que crescem dificilmente em condições naturais.

Embora a reprodução assexuada ofereça várias vantagens, espécies que se reproduzem estritamente de forma assexuada estão em um risco aumentado de extinção. A reprodução assexuada pode reduzir a variabilidade genética, limitando a capacidade do organismo de se adaptar a alterações das condições ambientais.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter