Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

29.11: Fragmentação do Habitat
TABLE OF
CONTENTS

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Habitat Fragmentation
 
TRANSCRIPT

29.11: Habitat Fragmentation

29.11: Fragmentação do Habitat

Habitat fragmentation describes the division of a more extensive, continuous habitat into smaller, discontinuous areas. Human activities such as land conversion, as well as slower geological processes leading to changes in the physical environment, are the two leading causes of habitat fragmentation. The fragmentation process typically follows the same steps: perforation, dissection, fragmentation, shrinkage, and attrition.

Perforation and dissection often occur during the initial stages of land development. For example, clearing undeveloped land to build a home (i.e., perforation) or road (i.e., dissection) disrupts the otherwise continuous habitat. Repeated habitat perforation or dissection, or a combination of both, creates an increasingly disconnected habitat - (i.e., fragmentation).

Shrinkage and attrition commonly ensue after fragmentation. Land development spreads until the remaining undeveloped areas become smaller (i.e., shrinkage) or completely disappear (i.e., attrition). Continued habitat destruction and fragmentation reduce habitat availability, which impacts biodiversity.

Fragmented land consists of edge and interior habitats. The edges of fragmented habitats are particularly vulnerable to environmental disturbances, such as severe weather. Larger habitat fragments withstand edge effects better than smaller fragments. Edge effects spread farther into and threaten the interior habitat when the edge-to-interior habitat ratio is high.

Small fragments support less biodiversity because: 1) edge effects create habitat instability, 2) some species require a large habitat, and 3) small, isolated populations are unsustainable long term. If a habitat is heavily fragmented, the risk of species extinction escalates as the native species lose access to suitable habitat. This risk is compounded if a species is unable to travel between patches, and gene flow is restricted.

Reconnecting fragmented habitats helps to mitigate the effects of habitat fragmentation. Aside from wildlife crossings, stepping-stones reconnect habitats by offering small patches of suitable habitat between larger habitat areas. Significant, protected habitats, such as nature reserves and national parks, present safe environments for species to thrive without further human activity. Habitat fragmentation studies aim to understand its effects on biodiversity and determine appropriate responses to reduce its detrimental effects.

A fragmentação do habitat descreve a divisão de um habitat mais extenso e contínuo em áreas menores e descontínuas. Atividades humanas, como a conversão de terras, bem como processos geológicos mais lentos que levam a mudanças no ambiente físico, são as duas principais causas de fragmentação do habitat. O processo de fragmentação normalmente segue os mesmos passos: perfuração, dissecção, fragmentação, encolhimento e atrito.

Perfuração e dissecação ocorrem frequentemente durante os estágios iniciais do desenvolvimento da terra. Por exemplo, a limpeza de terras não desenvolvidas para construir uma casa (ou seja, perfuração) ou estrada (ou seja, dissecção) interrompe o habitat contínuo. A perfuração ou dissecção repetida do habitat, ou uma combinação de ambos, cria um habitat cada vez mais desconectado - (ou seja, fragmentação).

Encolhimento e atrito geralmente se seguem após a fragmentação. O desenvolvimento da terra se espalha até que as demais áreas não desenvolvidas se tornem menores (ou seja, encolhimento) ou desapareçam completamente (ou seja, atrito). A contínua destruição e fragmentação do habitat reduzem a disponibilidade de habitat, o que impacta a biodiversidade.

A terra fragmentada consiste em bordas e habitats interiores. As bordas dos habitats fragmentados são particularmente vulneráveis a distúrbios ambientais, como o clima severo. Fragmentos de habitat maiores suportam efeitos de borda melhor do que fragmentos menores. Os efeitos da borda se espalham mais para dentro e ameaçam o habitat interior quando a relação de habitat borda-interior é alta.

Pequenos fragmentos suportam menos biodiversidade porque: 1) efeitos de borda criam instabilidade de habitat, 2) algumas espécies requerem um grande habitat, e 3) pequenas populações isoladas são insustentáveis a longo prazo. Se um habitat é fortemente fragmentado, o risco de extinção de espécies aumenta à medida que as espécies nativas perdem o acesso a um habitat adequado. Esse risco é agravado se uma espécie não puder viajar entre as manchas, e o fluxo genético é restrito.

A reconexão de habitats fragmentados ajuda a mitigar os efeitos da fragmentação do habitat. Além das travessias da vida selvagem, as pedras-passo reconectam os habitats oferecendo pequenas manchas de habitat adequado entre áreas de habitat maiores. Habitats significativos e protegidos, como reservas naturais e parques nacionais, apresentam ambientes seguros para as espécies prosperarem sem mais atividade humana. Estudos de fragmentação de habitat visam entender seus efeitos sobre a biodiversidade e determinar respostas adequadas para reduzir seus efeitos prejudiciais.


Suggested Reading

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter