Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

30.5: Zonas Híbridas
TABELA DE
CONTEÚDO

JoVE Core
Biology

A subscription to JoVE is required to view this content. You will only be able to see the first 20 seconds.

Education
Hybrid Zones
 
TRANSCRIÇÃO

30.5: Zonas Híbridas

Zonas híbridas são regiões estreitas onde duas espécies intimamente relacionadas interagem, acasalam e produzem híbridos. Em relação às suas espécies parentais, os híbridos podem possuir diferenças fenotípicas ou genéticas distintas que impactam a sua sobrevivência e sucesso reprodutivo. As variações genéticas introduzidas pela hibridização influenciam os processos de diversidade e especiação das espécies dentro da zona híbrida.

Fluxo genético e seleção natural são mecanismos evolutivos que moldam o resultado de uma zona híbrida. O fluxo genético distribui, homogeniza e preserva a variação genética entre as populações, enquanto que a seleção natural reduz a variação genética favorecendo apenas os indivíduos mais aptos em uma população. Assim, se surgir uma barreira ao intercâmbio genético, a população isolada torna-se mais distinta ou diverge.

No entanto, se essa barreira quebrar, a população e a sua contraparte anteriormente isolada podem cruzar-se e produzir híbridos. Dependendo da aptidão dos híbridos, as populações podem: (1) reduzir o fluxo genético dos híbridos reforçando a seleção contra híbridos, (2) promover o fluxo genético dos híbridos, fazendo com que as populações parentais e híbridas se fundam, ou (3) preservar o fluxo genético, permitindo que as populações parentais e híbridas existam.

As zonas híbridas seguem o contacto primário ou secundário entre espécies. A maioria das zonas híbridas são o resultado de contacto secundário, onde duas populações geograficamente separadas restabelecem o fluxo genético. O contacto primário, embora menos comum, envolve a seleção natural entre populações vizinhas dentro de uma faixa geográfica compartilhada. Uma vez que o contacto primário e secundário produzem resultados genéticos e fenotípicos semelhantes, os dois são difíceis de distinguir.

Os cientistas podem observar a frequência de um gene ou fenótipo, ou variação clinal, através de uma área geográfica. As frequências podem mudar abruptamente na zona híbrida, criando uma variação clinal escalonada. Por exemplo, a frequência de genes específicos para sapos de barriga de fogo diminui de quase 100% na sua faixa geográfica para 50% na zona híbrida para 0% dentro da faixa de sapos de barriga amarela. As variações clinais refletem o fluxo genético ou a seleção natural que afetam populações que cruzam entre si.

Zonas híbridas são laboratórios naturais para estudar os mecanismos e processos envolvidos na divergência e especiação. A hibridização cria variação genética que produz novas adaptações e, portanto, diversidade de espécies. Os cientistas podem analisar múltiplas variações clinais para caracterizar o fluxo genético e a seleção natural que ocorrem dentro de uma zona híbrida. Esse conhecimento permite que os cientistas estimem melhor como diferentes fatores impactam espécies e populações.


Sugestão de Leitura

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter