Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Developmental Psychology

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

 
Click here for the English version

Desenvolvimento Metacognitivo: como as crianças estimam sua memória

Overview

Fonte: Laboratórios de Judith Danovitch e Nicholaus Noles - Universidade de Louisville

A memória humana é falível, e muitas vezes as pessoas não conseguem lembrar com precisão o que viram ou ouviram. Os adultos estão cientes de sua capacidade limitada de memória, por isso usam estratégias, como ensaio e dispositivos mnemônicos, para melhorar seu recall de informações importantes. Como os adultos entendem os limites da memória, eles sabem que faz mais sentido escrever os itens em sua lista de compras em vez de tentar lembrar os itens quando chegam à loja. Essa habilidade de pensar na própria memória é chamada de metamemor. O metamemor é um componente de um conjunto mais amplo de processos cognitivos que permitem aos humanos pensar sobre seu próprio conhecimento e pensamento, o que é chamado de metacognição.

Embora as crianças entendam que as pessoas têm pensamentos e uma quantidade limitada de conhecimento, muitas vezes elas têm dificuldade em reconhecer os limites de seus próprios conhecimentos e habilidades cognitivas. A capacidade das crianças de estimar com precisão sua própria capacidade de memória e habilidades melhora ao longo dos anos do ensino fundamental. Uma maneira comum de medir o meamemor e seu desenvolvimento é dando às crianças a oportunidade de prever o quão bem elas podem se lembrar de algo, e então observar o quão bem sua previsão corresponde ao seu recall real.

Este experimento demonstra como medir o meamemor infantil com base nos métodos desenvolvidos por Shin, Bjorklund e Beck. 1

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Recrute crianças entre 6 e 9 anos. Para efeitos desta demonstração, apenas uma criança é testada. Tamanhos amostrais maiores (como no estudo Shin, Bjorklund e Beck1) são recomendados na condução de quaisquer experimentos.

Os participantes não devem ter histórico de distúrbios do desenvolvimento e ter audição e visão normais.

1. Prepare os materiais de estudo.

  1. Crie um conjunto de 18 cartas com uma imagem em preto e branco de um objeto comum e o nome impresso do objeto em cada cartão.
    1. Uma lista de exemplos de objetos é: bicicleta, ônibus, navio, caminhão, trem, táxi, uvas, melancia, banana, morango, cereja, limão, crocodilo, veado, porco, urso, esquilo e zebra.
  2. Crie e imprima uma linha numérica mostrando os números 1-18.

2. Coleta de dados

  1. Estimativa de memória
    1. Sente a criança do lado oposto da mesa como o experimentador.
    2. Explique que a criança vai jogar um jogo de memória. Diga à criança: "Vou te mostrar 18 fotos. Você terá dois minutos para estudá-los do jeito que quiser.
    3. Pergunte à criança: "Quantas das 18 fotos você acha que vai se lembrar?" e mostre à criança a linha numérica.
    4. Regisso a resposta da criança.
  2. Apresentação de fotos
    1. Presentee a criança com cada um dos 18 cartões um de cada vez.
    2. Ao apresentar cada cartão, peça à criança para nomear o objeto no cartão ou ler o rótulo. Corrija todos os erros.
    3. Depois que a criança nomear a foto, coloque o cartão de frente para cima na mesa.
  3. Estudar
    1. Quando todos os 18 cartões forem apresentados e estiverem na mesa, diga à criança que eles terão dois minutos para estudar os cartões.
    2. Estabeleça um temporizador por 2 minutos.
    3. Permita que a criança estude as cartas da maneira que achar melhor.
    4. Notifique a criança quando o tempo acabar, então pegue e guarde as cartas.
  4. Atraso
    1. O objetivo desta parte do procedimento é criar um tampão entre estudo e teste, a fim de garantir que a criança não continue ensaiando os itens estudados.
    2. Dê à criança um conjunto de quebra-cabeças ou labirintos e peça à criança para completá-los.
    3. Defina um temporizador e deixe a criança trabalhar nos quebra-cabeças ou labirintos por 5 minutos.
  5. Teste de memória
    1. Peça à criança para lembrar o maior número possível dos 18 itens.
    2. Regissei as respostas da criança.
    3. Se a criança não se lembrou de nenhum item por aproximadamente 10 s, pergunte à criança se ela se lembra mais de itens.
    4. Se a criança responder que não se lembra de mais nada, então encoraje-a a continuar tentando se lembrar de outros itens.
    5. Se a criança não retirar nenhum item por aproximadamente 10 s desta vez, termine a sessão de teste de memória e agradeça à criança pela participação.

3. Análise

  1. As variáveis dependentes neste estudo são o número de objetos que a criança previu que se lembraria (0-18) e o número total de objetos que a criança realmente recordou durante o teste de memória (0-18).
  2. Calcule a precisão de previsão de cada criança subtraindo o número real de itens recuperados do valor previsto. Esse resultado pode ser positivo, indicando superestimação, ou negativo, indicando subestimação.
  3. Calcule a porcentagem de crianças que superestimam sua memória para cada faixa etária e compare essas porcentagens usando um teste qui-quadrado.

Conceituar a própria memória, referida como meamemory, é muitas vezes difícil para as crianças pequenas fazerem.

Embora as crianças entendam que as pessoas têm pensamentos e uma quantidade limitada de conhecimento, muitas vezes elas têm dificuldade em reconhecer os limites de suas próprias habilidades de memória, muitas vezes superestimando suas capacidades.

É importante ressaltar que sua capacidade de estimar com precisão sua própria capacidade de memória melhora ao longo dos anos do ensino fundamental, e eles começam a usar estratégias semelhantes a adultos, como fazer listas para melhorar o recall de informações.

Este vídeo demonstra como projetar e conduzir um experimento investigando a metamemory em crianças em idade escolar, bem como como analisar e interpretar resultados envolvendo o recall de memória predito e real.

Neste experimento, crianças de duas faixas etárias — crianças de 6 e 9 anos — são solicitadas pela primeira vez a prever o quão bem eles pensam que podem se lembrar de objetos antes de serem mostrados os itens.

Depois de observar os objetos e esperar por um pequeno atraso, no qual eles completam quebra-cabeças para evitar o ensaio, as crianças são então solicitadas a recordar o maior número possível de objetos.

Aqui, as variáveis dependentes são o número de objetos que a criança previu lembrar, bem como o número total de objetos que a criança realmente lembrou durante o teste de memória.

Espera-se que a capacidade das crianças de prever com precisão a capacidade de memória melhore com a idade. Em outras palavras, a previsão de 9 anos de idade vai coincidir mais com seu recall real, em comparação com as de 6 anos de idade.

Antes do experimento começar, reúna os materiais de estudo, que incluem um conjunto de 18 cartas que contêm diferentes imagens em preto e branco de objetos comuns com seus nomes rotulados e uma linha numérica que varia de 1 a 18.

Quando a criança chegar, verifique com os pais ou responsáveis que eles não têm histórico de distúrbios de desenvolvimento e audição normal. Que eles se sentem do lado oposto da mesa.

Para começar o experimento, informe a criança que ela estará jogando um jogo de memória e terá tempo para estudar as cartas no final.

Usando a linha numérica, pergunte à criança quantas das 18 fotos eles acham que vão se lembrar e regissuça sua resposta.

Durante a fase de apresentação do objeto, apresente cada carta, uma de cada vez, e peça à criança para nomear o objeto ou ler o rótulo. Certifique-se de fornecer feedback toda vez, e coloque o cartão de frente para cima na mesa.

Depois de todos os 18 cartões terem sido apresentados, informe a criança que eles terão 2 minutos para estudar as fotos. Inicie o temporizador e permita que eles estudem da maneira que quiserem. Quando o tempo passar, pegue as cartas.

Para garantir que a criança não continue ensaiando os itens estudados, crie um tampão entre o estudo e o teste de memória, dando-lhes um conjunto de quebra-cabeças para trabalhar durante um período de atraso de 5 minutos.

Ao final do período de atraso, peça à criança para recordar o maior número possível dos 18 itens. Regisso suas respostas. Continue incentivando a criança a lembrar o maior número possível de itens, até que ela não se lembre de nenhum item por volta dos 10 anos.

Quando a criança não recordar mais itens, termine a sessão de teste de memória e agradeça por sua participação.

Uma vez concluído o estudo, em média tanto o número de itens que as crianças previram que se lembrariam quanto o número que eles realmente lembraram por faixa etária. Observe a diferença entre as faixas etárias.

Para calcular a precisão da previsão de cada criança, subtraia o número real de itens recuperados do valor de recall previsto. Usando esses escores, agora gráfico a porcentagem de crianças por faixa etária que superestimaram sua memória — ou seja, aquelas que previram que se lembrariam mais do que lembravam — e comparam as porcentagens usando um teste qui-quadrado. Note que menos crianças de 9 anos superestimaram sua memória em comparação com crianças de 6 anos, indicando que a previsão de memória melhora em função da idade.

Agora que você está familiarizado com as tendências das crianças para superestimar suas habilidades de memória, vamos examinar consequências positivas e negativas para seu comportamento em uma série de situações ao longo do desenvolvimento.

O simples pensamento de pensar em ter sucesso pode ajudar a motivar as crianças a enfrentar tarefas desafiadoras. Por exemplo, sua ingenuidade provavelmente contribui para sua vontade de experimentar novas atividades — como pular em uma piscina.

Em contraste, as visões excessivamente positivas das crianças sobre si mesmas também podem ter consequências arriscadas para o seu bem-estar físico. Crianças mais jovens são mais propensas a se envolver em um comportamento perigoso — como realizar um golpe de bicicleta — como consequência de sua tendência a superestimar seus conhecimentos e habilidades.

Você acabou de assistir a introdução do JoVE para estudar como o metamemor infantil se desenvolve ao longo do tempo. Agora você deve ter uma boa compreensão de como projetar e conduzir o experimento, e finalmente como analisar e interpretar os resultados.

Obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Os pesquisadores testaram 32 crianças de 6 anos e 32 de 9 anos e descobriram que as previsões das crianças melhoraram com a idade(Figura 1). As crianças mais velhas previram que se lembrariam menos de itens do que as crianças mais jovens, mas o número total de itens que eles realmente lembraram era maior. O escore médio de precisão de previsão para as pessoas de 6 anos foi de 4,19, indicando que eles consistentemente superestimavam sua memória. O escore médio de precisão de previsão para as pessoas de 9 anos foi de 1,02, indicando que suas previsões sobre sua memória eram mais realistas. Da mesma forma, 78% das pessoas de 6 anos superestimaram sua memória, mas apenas 46% das pessoas de 9 anos o fizeram(Figura 2). Os testes qui-quadrado comparando o número de crianças que superestimaram sua memória entre as faixas etárias foram significativos no nível p < 0,05.

Figure 1
Figura 1. Recordação média prevista e real para crianças em cada faixa etária (de 18 itens).

Figure 2
Figura 2. Percentual de crianças em cada idade que superestimaram sua memória.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

A tendência das crianças de superestimar seus conhecimentos e habilidades, incluindo sua memória, tem consequências para seu comportamento em uma série de situações. Na sala de aula, pensar que eles se lembram ou sabem mais do que sabem pode dificultar que as crianças entendam o valor de estudar ou ensaiar novas informações. Mesmo quando crianças pequenas se deparam com evidências diretas de suas limitações (por exemplo,não se lembram de itens em um teste de memória), elas muitas vezes persistem em superestimar suas habilidades.

Essa visão excessivamente positiva de si mesma também pode ter consequências para o bem-estar físico das crianças, já que crianças mais jovens são mais propensas a se envolver em um comportamento perigoso, como um golpe de bicicleta, porque acreditam que são capazes de fazê-lo com sucesso. Crianças mais velhas que percebem suas limitações são menos propensas a arriscar atividades bem fora de suas capacidades.

Embora possa parecer superestimar a si mesmo e ter uma consciência metacognitiva ruim só teria consequências negativas para crianças pequenas, alguns pesquisadores propuseram que a superestimação das crianças de suas habilidades também é benéfica em alguns aspectos. Na realidade, crianças pequenas não são muito capazes. Eles ainda têm muito a aprender, e pode ser que ter uma verdadeira compreensão dos limites de seus conhecimentos, memória, força, etc., diminuiria sua motivação para tentar coisas novas ou enfrentar uma tarefa desafiadora. No entanto, porque as crianças acreditam que são capazes e, de certa forma, invencíveis, elas estão dispostas a assumir desafios, como aprender a se multiplicar ou fazer uma roda de carroça. Assim, pensar que eles terão sucesso (mesmo que seja realmente improvável) pode ajudar a motivar as crianças a experimentar novas atividades e aprender mais sobre o mundo.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

References

  1. Shin, H., Bjorklund, D. F., & Beck, E. F. The adaptive nature of children's overestimation in a strategic memory task. Cognitive Development. 22 (2), 197-212 (2007).

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter