Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Mechanical Engineering

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

Redes de tubulação e perdas de pressão
 
Click here for the English version

Redes de tubulação e perdas de pressão

Overview

Fonte: Alexander S Rattner, Departamento de Engenharia Mecânica e Nuclear, Universidade Estadual da Pensilvânia, University Park, PA

Este experimento introduz a medição e modelagem de perdas de pressão em redes de tubulação e sistemas de fluxo interno. Nesses sistemas, a resistência ao fluxo de atrito das paredes do canal, conexões e obstruções faz com que a energia mecânica na forma de pressão de fluido seja convertida em calor. Análises de engenharia são necessárias para dimensionar o hardware de fluxo para garantir perdas aceitáveis de pressão de atrito e selecionar bombas que atendam aos requisitos de queda de pressão.

Neste experimento, uma rede de tubulação é construída com características comuns de fluxo: comprimentos retos de tubulação, bobinas de tubo helicoidal e encaixes de cotovelo (curvas afiadas de 90°). As medidas de perda de pressão são coletadas em cada conjunto de componentes usando manômetros - dispositivos simples que medem a pressão do fluido pelo nível líquido em uma coluna vertical aberta. As curvas de perda de pressão resultantes são comparadas com as previsões dos modelos de fluxo interno.

Principles

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Quando o fluido flui através de canais fechados (por exemplo,tubos, tubos, vasos sanguíneos) deve superar a resistência de atrito das paredes do canal. Isso causa uma perda contínua de pressão na direção do fluxo à medida que a energia mecânica é convertida em calor. Este experimento concentra-se na medição e modelagem de tais perdas de pressão em sistemas de fluxo interno.

Para medir a queda de pressão ao longo dos canais, este experimento usará o princípio da variação da pressão hidrostática. No fluido estacionário, a pressão só varia com profundidade devido ao peso do fluido (Eqn. 1, Fig. 1a).

Equation 1 (1)

Aqui Equation 2 e estão as Equation 3 pressões em dois pontos, ρ é a densidade do fluido, g é a aceleração gravitacional, e h1 e h2 são as profundidades (medidas na direção da gravidade) dos pontos a partir de um nível de referência. Em condições ambientais típicas, a densidade da água é de 998 kgm -3 e a densidade do ar é de 5a = 1,15 kg m-3. Como ρa << ρw, variações de pressão hidrostática no ar podem ser negligenciadas em comparação com variações de pressão hidrostática líquida, e a pressão atmosférica ambiente pode ser assumida uniforme(Patm ~ 101 kPa). Seguindo este princípio, a queda de pressão ao longo de um fluxo de canal pode ser medida pela diferença nos níveis de fluido em tubos verticais abertos ligados ao canal: Equation 4 (Fig. 1b). Esses dispositivos de medição de pressão baseados em nível líquido são chamados de manômetros.

A perda de pressão ao longo de um comprimento de um canal pode ser prevista com a fórmula do fator de atrito Darcy (Eqn. 2). Aqui, Equation 5 está a perda de pressão ao longo de um comprimento(L) de canal com diâmetro interno D. U é a velocidade média do canal, definida como a taxa de fluxo de volume de fluido (por exemplo,em m3 s-1) dividida pela área transversal do canal(por exemplo,em m2, Equation 6 para canais circulares). f é o fator de atrito Darcy, que segue diferentes tendências para diferentes geometrias de canais e taxas de fluxo. Neste experimento, os fatores de atrito serão medidos experimentalmente para comprimentos retos e helicoicamente enrolados do tubo, e comparados com fórmulas publicadas anteriormente.

Equation 7(2)

As tendências do fator de atrito do fluxo de canal dependem do número de Reynolds (Re), que mede a força relativa dos efeitos da inércia do fluido aos efeitos da viscosidade fluida (efeitos de atrito). Re é definido como Equation 8 , onde é a Equation 9 viscosidade dinâmica do fluido (~0,001 kg m-1 s-1 para água em condições ambientais). No baixo Re ( Equation 10 2000 em canais retos), efeitos viscosos são fortes o suficiente para amortecer redemoinhos no fluxo, levando a um fluxo suave de laminar. No higher Re Equation 11 (2000), redemoinhos aleatórios podem se formar no fluxo, levando a comportamentos turbulentos. Modelos de fator de atrito comumente utilizados para fluxos de canais circulares retos são apresentados em Eqn. 3.

Equation 12 (3)

Quando o fluido flui através de bobinas de tubo helicoidal, formam vórtices internos secundários (Fig. 1c). Como resultado, o fator de atrito Equation 13 também depende do número do Reitor, que explica a influência relativa da curvatura do tubo: Equation 14 . Aqui R é o raio da bobina do tubo, medido do eixo central até a metade da tubulação. Uma correlação comum para Equation 13 é:

Equation 15(4)

Os encaixes do tubo, válvulas, expansões/contrações e outras obstruções também causam perdas de pressão. Uma abordagem para modelar tais pequenas perdas é em termos do comprimento equivalente de canal simples necessário para produzir a mesma queda de pressão(Le/D). Aqui, Equation 13 e estão o fator de atrito e a velocidade de fluxo nos Equation 16 comprimentos da entrada/canal de saída (Fig 1d).

Equation 17 (5)

Tabelas de comprimentos de canal equivalentes representativos são relatadas em manuais para componentes de encanamento comuns(c.f., [1]). Este experimento irá medir os comprimentos equivalentes para encaixes afiados de 90°bend (cotovelos). Os comprimentos equivalentes típicos relatados para tais encaixes são Le/D ~ 30.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

1. Fabricação do sistema de tubulação (ver esquema e fotografia, Fig. 2)

  1. Afixar (fita ou cola) um pequeno reservatório de água plástica à superfície de trabalho. Se for um recipiente coberto, faça furos na tampa para as linhas de água de entrada e saída e cabo de alimentação da bomba.
  2. Monte a pequena bomba submersível no reservatório.
  3. Monte o rotametro (medidor de fluxo de água) verticalmente na área de trabalho. Pode ajudar a amarrar o rotametro a um pequeno feixe vertical ou suporte L para mantê-lo ereto. Conecte um tubo de fluxo da saída da bomba à entrada do rotametro (porta inferior).
  4. Conecte tees de encaixe de compressão plástica às duas extremidades de uma seção de tubo plástico rígido (recomendo comprimento L ~ 0,3 m, diâmetro interno do tubo D ~ 6,4 mm). Monte as tees nos grampos do tubo. Conecte a tubulação de borracha de uma camiseta (entrada) à saída do rotametro. Conecte tubos de borracha do outro tee (saída) ao reservatório.
  5. Construa um segundo conjunto com dois encaixes de tee montados. Enrole um comprimento de tubos de plástico macio enrolados helicamente em torno de um núcleo cilíndrico (recomendo tubo de papelão, R ~ 30 mm e ~5 envoltórios de tubo). As amarras ou grampos podem ajudar a manter o tubo enrolado. Instale as duas extremidades livres da tubulação nos encaixes do tee.
  6. Construa um terceiro conjunto com dois encaixes de tee montados. Conecte quatro (ou mais) cotovelos com comprimentos curtos de tubo plástico rígido entre as tees. O uso de vários cotovelos amplifica a leitura da queda de pressão, melhorando a precisão da medição.
  7. Instale tubos plásticos rígidos claros (~0,6 m) nas portas abertas nos encaixes de seis tees. Use um nível para garantir que os tubos sejam verticais. Estes tubos serão os manômetros (dispositivos de medição de pressão).
  8. Encha o reservatório com água.

2. Operação

  1. Tubo reto: Ligue a bomba e ajuste a válvula rotamétrica para variar as taxas de fluxo de água. Para cada caso, registo da vazão da água e do nível vertical da água em cada tubo de manômetro. Regissuor a queda de pressão com base na diferença nos níveis de manômetro (Eqn. 1).
  2. Tubo enrolado: Conecte a entrada da seção de teste enrolada à saída do rotametro e a saída da seção de teste ao reservatório. Como no Passo 2.1, registo da vazão de água e queda de pressão para uma série de taxas de fluxo.
  3. Encaixes de cotovelo: Conecte a seção de teste de encaixe do cotovelo ao rotador e ao reservatório. Colete um conjunto de medidas de fluxo e pressão, como na Etapa 2.2.

3. Análise

  1. Para a caixa do tubo reto, avalie o número de Reynolds e o fator de atrito f (Eqn. 2). Avalie as incertezas do número de Reynolds e do fator de atrito (Eqn. 6). Aqui eΔP é a incerteza nas medidas de pressão ( Equation 18 , é a incerteza no nível do Equation 19 manômetro), e eU é a incerteza na velocidade média do canal (da folha de dados do rotametro, com incerteza típica de 3 a 5% do alcance). Para água em temperatura ambiente (22°C), ρ = 998 kg m-3 e μ = 0,001 kg m-1 s-1.
    Equation 20 (6)
  2. Compare os resultados do fator de atrito da Etapa 3.1 com os modelos analíticos (Eqn. 3).
  3. Repita o passo 3.1 para a caixa do tubo enrolado. Desta vez, subtraia a queda de pressão prevista (Eqns. 2-3) para a parte reta da seção de teste de ΔP. Aqui assumimos que a incerteza na correção da pressão em linha reta é insignificante. Compare fatores de atrito medidos com valores da correlação (Eqn. 4).
  4. Repita o passo 3.2 para a caixa de encaixe do cotovelo. Subtraia a queda de pressão prevista para os comprimentos retos da tubulação entre os encaixes do cotovelo para obter uma perda de pressão corrigida Equation 21 . Avalie o comprimento equivalente e a incerteza para cada cotovelo. Aqui, Ne é o número de cotovelos de cano.
    Equation 22(7)
  5. Compare o resultado de comprimento equivalente(Le/D) com os valores típicos relatados (~30).

Redes de tubulação são comumente encontradas em sistemas projetados e naturais, pois podem transportar, circular e distribuir fluidos de forma eficiente. A água que sai da torneira em sua casa viaja através de um complexo sistema de abastecimento de água da cidade, que é um excelente exemplo de uma rede de tubulação projetada. À medida que o fluido circula através de uma rede de tubulação, encontra resistência de atrito das paredes e conexões do canal e o fluxo de fluido perde a pressão à medida que supera essas resistências de fluxo. Caracterizar e entender essas perdas de pressão é necessário para especificar os componentes e tamanhos corretos em um novo desenho ou para diagnosticar problemas em um sistema existente. Neste vídeo, ilustraremos uma abordagem simples para medir a queda de pressão dentro de uma rede de tubos e discutiremos alguns modelos padrão para prever perdas e algumas geometrias comuns. Posteriormente, esses métodos serão utilizados para medir experimentalmente as perdas de pressão para comparação com os modelos. Finalmente, discutiremos algumas outras aplicações de redes de tubulação e perdas de pressão.

Sempre que um fluido flui através de um canal fechado, ele encontra alguma resistência de atrito das paredes do canal. Como consequência, uma fração da energia mecânica do fluido é convertida em calor, resultando em uma perda contínua de pressão na direção do fluxo. Essa perda de pressão pode ser caracterizada em um determinado sistema medindo a pressão do fluido em pontos discretos ao longo do canal, o que muitas vezes é feito usando simples dispositivos de nível líquido chamados manômetros. Um manômetro é uma seção vertical aberta ou inclinada do tubo conectado ao canal de tubulação para que ele se encha parcialmente com líquido. A altura da coluna líquida é diretamente proporcional ao nível de fluido naquele ponto ao longo do canal. Portanto, a diferença de pressão entre dois pontos ou Delta P pode ser determinada a partir da mudança na altura líquida ou Delta H entre dois manômetros. Infelizmente, nem sempre é prático fazer medições diretas e perdas de pressão devem ser frequentemente previstas antes que um sistema seja construído para garantir taxas adequadas de fluxo de fluidos. Nessas situações, a fórmula do Fator de Atrito Darcy pode ser usada para prever a perda de pressão de atrito. Nesta equação, Delta P é a perda de pressão sobre um comprimento L para um canal com uma seção transversal circular e um diâmetro interno D, linha é a densidade de fluido, e U é a velocidade média de fluxo, definida como a taxa de fluxo de volume dividida pela área transversal do canal, f é o Fator de Atrito Darcy que segue diferentes tendências empiricamente e teoricamente derivadas com base no número de Reynolds e geometria do canal. Consulte o texto para os modelos utilizados para canais circulares retos e bobinas helicoidais. As várias seções de canal em uma rede de tubos são conectadas por encaixes discretos, como válvulas, expansores e dobras que também contribuem para a perda de pressão. As perdas de pressão através desses acessórios são conhecidas como pequenas perdas e às vezes são relatadas em termos do comprimento equivalente de um canal reto necessário para produzir a mesma queda de pressão. Essas perdas ainda são modeladas com a fórmula do Fator de Atrito Darcy utilizando o fator de atrito e a velocidade de fluxo dos canais de conexão e o valor tabulado de comprimento equivalente dimensionado pelo diâmetro interno para o encaixe. As perdas totais no sistema de tubulação são simplesmente a soma de todas as perdas de seções e acessórios individuais. Na seção seguinte, mediremos essas perdas em diferentes configurações representativas de tubos para determinar os fatores de atrito e comprimentos equivalentes.

Antes de começar a configurar, certifique-se de que você tenha uma área clara para trabalhar e uma superfície plana sobre a qual montar os componentes. Fixar o reservatório de água à superfície e, se necessário, faça furos para entrada e saída de água, bem como o cabo de alimentação da bomba. Monte a bomba submersível no reservatório. Agora conecte um pequeno feixe vertical ou suporte L perto do reservatório. Monte o medidor de fluxo do rotametro verticalmente no feixe e use uma seção do tubo para conectar a saída da bomba à entrada do rotador. O rotador é um instrumento que indica a taxa de fluxo volumétrico de um fluido com base no nível flutuante de uma pequena conta. Construa as seções de teste de três tubos conforme descrito no texto. Quando terminar, você deve ter uma seção reta, uma seção enrolada e uma seção com múltiplas curvas de cotovelo. Regissão cuidadosamente os comprimentos de quaisquer seções retas, bem como o raio da bobina do tubo medido do eixo central da bobina até o ponto médio do tubo. Monte as três seções na superfície com grampos de tubulação. Ajuste os encaixes T nas extremidades para que as portas laterais de ramificação apontem para cima e, em seguida, instalem tubos de cristais claros nestas portas para formar os manômetros. Use um nível para garantir que os tubos de manômetro sejam verticais. Por fim, conecte uma seção do tubo à saída do rotametro e coloque um segundo tubo retornando ao reservatório. Estes dois tubos se conectarão às entradas e saídas das seções de teste para formar um loop completo durante o experimento. Encha o reservatório com água e a preparação está completa.

Conecte o tubo da saída do rotador a uma extremidade da seção de teste reto e conecte o tubo de retorno à outra extremidade. Agora ligue a bomba e ajuste a válvula do rotametro para maximizar a vazão. Uma vez que todo o ar é forçado a sair da alça do tubo, desligue a bomba. Você pode precisar adicionar água adicional ao reservatório uma vez que a alça de fluxo esteja preenchida. Uma vez que todo o ar é forçado a sair da alça do tubo, desligue a bomba e compare a altura da água nos dois manômetros, medindo a partir do topo do encaixe T. Se as duas alturas forem diferentes, use calços para nivelar a superfície de teste até que as alturas medidas sejam as mesmas. Ligue a bomba de volta e depois de esperar um momento para que o fluxo se acalme, regise a vazão e o nível vertical de água em ambos os tubos de manômetro. Agora ajuste a válvula rotamétrica para restringir ligeiramente o fluxo e regise os novos níveis de vazão e manômetro. Repita este procedimento para coletar dados a seis ou sete taxas de fluxo para a seção de teste reto. Quando terminar, repita o experimento com as outras duas seções de teste, incluindo um reajuste da superfície de teste para cada nova seção, se necessário.

Primeiro, olhe para seus dados para a seção de teste reto. A cada vazão, você tem medidas para a altura da água em cada manômetro. Use a diferença nas alturas do manômetro para determinar a queda total da pressão na seção de teste. Em seguida, determine a velocidade média de fluxo no tubo dividindo a taxa de fluxo medida do rotametro pela área transversal do tubo. Em seguida, calcule o número de Reynolds para o fluxo nesta taxa de fluxo. Combine seus resultados com a fórmula do Fator de Atrito Darcy e suas medidas da seção de teste para resolver o fator de atrito. Para uma seção reta de comprimento de 284 milímetros e diâmetro interno de 6,4 milímetros, as taxas de fluxo medidos de três quartos a dois litros por minuto correspondem a condições turbulentas. Propagar incertezas para determinar a incerteza total no número de Reynolds e o fator de atrito como descrito no texto e, em seguida, traçar o resultado junto com a previsão do modelo para uma seção reta. Dentro da incerteza experimental, os fatores de atrito coincidiram com a previsão do modelo. A incerteza relativamente alta no fator de atrito a baixas taxas de fluxo deve-se à precisão limitada do medidor de fluxo. Agora olhe para os seus dados para a seção de teste enrolada. Como antes, determine a queda total da pressão, velocidade média de fluxo e número de Reynolds a cada vazão. A queda total de pressão nesta seção é a soma da queda da porção reta e a porção enrolada, então use a fórmula do Fator de Atrito Darcy e o modelo de canal reto para estimar a contribuição da seção reta e subtrair isso do total. Use a queda de pressão restante e a medição do raio da bobina para determinar o fator de atrito na porção enrolada. Propagar incertezas para o número de Reynolds e fator de atrito mais uma vez, assumindo incerteza insignificante da correção para a seção reta. Plote esses resultados junto com a previsão do modelo para uma seção enrolada. O número de Reynolds está entre 1.700 e 5.200, o que corresponde aos números de Dean entre 500 e 1.600 com o diâmetro do tubo e o raio da bobina. Esses valores estão dentro da porção Laminar da fórmula do fator de atrito da bobina. Esses fatores de atrito medidos também correspondem ao modelo dentro da incerteza experimental e para uma determinada taxa de fluxo são significativamente maiores do que os encontrados na seção reta. Isso aumenta devido ao efeito estabilizador da geometria do tubo enrolado que atrasa a transição para o fluxo turbulento para números mais altos de Reynolds, cerca de 9.900 para esta geometria. Agora dê uma olhada nos dados da terceira seção de teste. Mais uma vez, determine a queda total da pressão, a velocidade média de fluxo e o número de Reynolds a cada vazão. A queda total de pressão nesta seção deve-se à soma das seções retas e pequenas perdas de cada um dos cotovelos N. Use novamente a fórmula do Fator de Atrito Darcy e o modelo de canal reto para estimar e subtrair a contribuição das seções retas. A queda de pressão restante deve-se aos encaixes do cotovelo N na seção de teste. Use esta queda de pressão com o fator de atrito e o diâmetro das seções retas para calcular o comprimento equivalente para um encaixe individual do cotovelo. Propigue incertezas para o número de Reynolds e o comprimento equivalente e plote seus resultados. À medida que o número de Reynolds aumenta, a razão do comprimento equivalente ao diâmetro da tubulação interna se aproxima de 30, como esperado dos valores tabulatos. Observe que a resistência de atrito real é específica para a geometria de montagem e, portanto, esses valores tabulados só devem ser considerados como diretrizes.

Agora que você está mais familiarizado com redes de tubos e perdas de pressão, vamos olhar para algumas aplicações do mundo real desses conceitos. Os trocadores de calor normalmente consistem em duas redes de tubulação separadas que trazem fluido quente e frio em contato térmico próximo sem permitir que eles se misturem. A análise da queda de pressão deve ser realizada ao projetar trocadores de calor para garantir que as bombas possam fornecer taxas de fluxo de fluidos suficientes e alcançar a taxa desejada de transferência de calor. O acúmulo de placas nas artérias reduz o diâmetro efetivo para o fluxo sanguíneo. Como resultado, o coração tem que trabalhar mais para compensar a perda de pressão adicional. Em casos extremos, o acúmulo aumenta o risco de um bloqueio total da artéria ou insuficiência cardíaca. Durante um procedimento de angioplastia, um stent é inserido para rees expandir a artéria e restaurar o fluxo sanguíneo normal.

Você acabou de assistir a introdução de Jove em redes de tubulação e perdas de pressão. Agora você deve entender como determinar perdas de pressão em uma rede de tubos usando a fórmula do Fator de Atrito Darcy, incluindo as pequenas perdas de acessórios discretos. Finalmente, você viu como determinar experimentalmente a perda de pressão através de um canal usando tubos de manômetro. Obrigado por assistir.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Fator de atrito medido e dados de comprimento equivalente são apresentados em Fig. 3a-c. Para a seção do tubo reto, é utilizado um tubo de PVC claro com D = 6,4 mm e L = 284 mm. As taxas de fluxo medidos (0,75 - 2,10 l min-1) correspondem a condições turbulentas (Re = 2600 - 7300). Fatores de atrito correspondem às previsões do modelo analítico à incerteza experimental. A incerteza f relativamente alta é encontrada em baixas taxas de fluxo devido à precisão limitada do medidor de fluxo selecionado (de baixo custo) (± 0,15 l min-1).

Os resultados do fator de atrito para o caso da bobina do tubo também correspondem à correlação fornecida (Eqn. 4) dentro da incerteza experimental (Fig. 3b). São utilizadas cinco ciclos de bobina do raio R = 33 mm com diâmetro interno do tubo D = 6,4 mm. Aqui, o número do Reitor é 500 - 5600, que corresponde à porção laminar de Eqn. 4. Os fatores de atrito medidos são significativamente mais elevados do que para a seção reta a taxas de fluxo iguais. Isso decorre do efeito estabilizador da geometria do tubo da bobina, que atrasa a transição para a turbulência para a re alta.

Para a caixa do cotovelo, são empregados 4 encaixes de cotovelo (número de peça na lista de materiais), conectados por comprimentos curtos de D = tubos de 6,4 mm. O comprimento de atrito equivalente de cada encaixe do cotovelo se aproxima(Le/D) ~ 30 - 40 em re alto (Fig. 3c). Isso é semelhante a um valor comumente relatado de 30. Observe que a resistência de atrito real é específica para a geometria de montagem, e os valores Le/Drelatados só devem ser considerados como diretrizes.

Figure 1
Figura 1: a. Esquema de variação de pressão hidrostática em um corpo estacionário de fluido. b. Mudança de pressão ao longo de um comprimento reto do tubo, medido com manômetros abertos. c. Esquema de tubo enrolado, com vórtices internos indicados na visão transversal.

Figure 2
Figura 2: (a) Fotografia esquemática e (b)da instalação de medição de queda de pressão. Clique aqui para ver uma versão maior desta figura.

Figure 3
Figura 3: Fator de atrito e medidas de comprimento equivalentes e previsões de modelo para: a. Tubo reto, b. Tubo enrolado, c. Encaixes de cotovelo.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Resumo

Este experimento demonstra métodos para medir fatores de atrito de queda de pressão e comprimentos equivalentes em redes de fluxo interno. Métodos de modelagem são apresentados para configurações comuns de fluxo, incluindo tubos retos, tubos enrolados e encaixes de tubulação. Essas técnicas experimentais e de análise são ferramentas-chave de engenharia para o projeto de sistemas de fluxo de fluidos.

Aplicativos

Redes de fluxo interno surgem em inúmeras aplicações, incluindo usinas de geração de energia, processamento químico, distribuição de fluxo dentro de trocadores de calor e circulação sanguínea em organismos. Em todos os casos, é fundamental poder prever e modelar perdas de pressão e requisitos de bombeamento. Esses sistemas de fluxo podem ser decompostos em seções de canais retos e curvados, conectados por encaixes ou junções. Aplicando fator de atrito e modelos de perda menor a esses componentes, descrições de rede inteiras podem ser formuladas.

Lista de Materiais

Nome Companhia Número do catálogo Comentários
Equipamento
Bomba de água submersível Uniclife B018726M9K
Recipiente plástico coberto Reservatório de água, recipiente de alimentos plásticos utilizado neste estudo.
Medidor de fluxo de água UXCell LZM-15 Rotameter, 0,5 4.0 l min-1
Tubo de PVC claro rígido Mcmaster 53945K13 Para seções de teste e manômetros, 1/4" ID, 3/8" OD
Tubo de PVC macio flexível Mcmaster 5233K63

5233K56

Para conexões de tubulação e seção de teste de bobina
Encaixe do tubo plástico Mcmaster 5016K744 Para seções de teste entrada e conexões de saída/manômetros
Cotovelo de encaixe do tubo plástico Mcmaster 5016K133 Para seção de teste com cotovelos

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Materials

Name Company Catalog Number Comments
Equipment
Submersible water pump Uniclife B018726M9K
Covered plastic container Water reservoir, plastic food container used in this study.
Water flow meter UXCell LZM-15 Rotameter, 0.5 4.0 l min-1
Rigid clear PVC tube McMaster 53945K13 For test sections and manometers, 1/4 ID, 3/8 OD
Flexible soft PVC tubing McMaster 5233K63

5233K56

For tubing connections and coil test section
Plastic tube fitting tee McMaster 5016K744 For test sections inlet and outlet connections/manometers
Plastic tube fitting elbow McMaster 5016K133 For test section with elbows

DOWNLOAD MATERIALS LIST

References

  1. Perry, D.W. Green, J.O. Maloney, Perry's Chemical Engineers' Handbook, 6th Editio, McGraw-Hill, New York, NY, 1984.

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter