Protocolo de estimulação magnética transcraniana on-line para medir Cortical fisiologia associada com inibição de resposta

Neuroscience

Your institution must subscribe to JoVE's Neuroscience section to access this content.

Fill out the form below to receive a free trial or learn more about access:

 

Summary

Descrevemos um procedimento experimental para quantificar a excitabilidade e inibição do córtex motor primário durante uma tarefa de inibição de resposta motora usando a estimulação magnética transcraniana no decorrer de uma tarefa de sinal de parar.

Cite this Article

Copy Citation | Download Citations

Guthrie, M. D., Gilbert, D. L., Huddleston, D. A., Pedapati, E. V., Horn, P. S., Mostofsky, S. H., Wu, S. W. Online Transcranial Magnetic Stimulation Protocol for Measuring Cortical Physiology Associated with Response Inhibition. J. Vis. Exp. (132), e56789, doi:10.3791/56789 (2018).

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the english version. For other languages click here.

Abstract

Descrevemos o desenvolvimento de uma tarefa de inibição de resposta motora reprodutíveis, criança-amigável apropriado para caracterização de estimulação magnética transcraniana (TMS) on-line da excitabilidade do córtex motor primário (M1) e inibição. Inibição de resposta motora impede ações indesejadas e é anormal em várias condições neuropsiquiátricas. TMS é uma tecnologia não-invasiva que pode quantificar M1 excitabilidade e inibição usando protocolos de single - e emparelhado-pulso e pode ser precisamente cronometrada para estudar fisiologia cortical com alta resolução temporal. Nós modificamos a tarefa de sinal de paragem Slater-Hammel (S-H) original para criar uma versão de "carro de corrida" com pulsos de TMS eventos tempo-bloqueado para intra experimental. Esta tarefa é individual, com cada julgamento iniciar após um botão para mover o carro de corrida em direção ao alvo 800 ms. IR a ensaios exigem um dedo-elevador para parar o carro de corrida antes este alvo. Intercaladas aleatoriamente são ensaios de paragem (25%) durante o qual o sinal de paragem ajustado dinamicamente solicita assuntos para evitar dedo-elevador. Para ensaios de GO, TMS pulsos foram entregues em 650 ms após o início do julgamento; Considerando que, para ensaios de STOP, os pulsos de TMS ocorreram 150 ms após o sinal de parada. Os timings dos pulsos TMS foram decididos com base em estudos de eletroencefalografia (EEG) mostrando alterações relacionadas com o evento nesses intervalos de tempo durante as tarefas de sinal de parada. Esta tarefa foi estudada em 3 blocos em dois locais de estudo (n = 38) e gravamos o desempenho comportamental e relacionados a eventos potenciais evocados de motor (MEP). Modelagem de regressão foi usado para analisar amplitudes MEP, usando a idade como uma covariável com múltiplas variáveis independentes (sexo, estudar o local, bloco, TMS pulso condição [single-vs emparelhado-pulso], condição experimental [GO, parada de sucesso, não conseguiu parar]). A análise mostrou que o TMS pulso condição (p < 0,0001) e sua interação com condição experimental (p = 0,009) foram significativos. Futuras aplicações para este paradigma S-H/TMS on-line incluem a adição de aquisição simultânea de EEG para medir potenciais evocados TMS EEG. Uma limitação potencial é que em crianças, o som do pulso TMS pode afetar o desempenho de tarefas comportamentais.

Introduction

Inibição de resposta é a capacidade de seletivamente impedir aquelas ações indesejadas que podem interferir com objetivos funcionais pretendidos. 1 a rede córtico-estriadas criticamente está envolvida na inibição da resposta, que progressivamente se torna mais eficiente como filhos maduros, mas é prejudicada em numerosas condições neuropsiquiátricas, tais como desordem de hiperatividade do déficit de atenção ( ADHD), esquizofrenia, transtorno obsessivo-compulsivo e transtornos de aprendizagem. 2 , 3 inibição de resposta do motor pode ser examinada com diferentes paradigmas comportamentais, tais como tarefas Go/NoGo (GNG) e sinal de parar (SST). 1 , 4 dados comportamentais sozinhos não fornece informações sobre os mecanismos biológicos potencialmente modificáveis e quantificáveis. O objectivo geral do presente estudo foi desenvolver um método de criança amigável para avaliar a fisiologia do córtex motor durante a execução de inibição de resposta, a fim de desenvolver um biomarcador quantitativo baseado no cérebro do substrato neural desta tarefa. Tais biomarcadores poderiam ter ampla aplicação em estudos preditivos do prognóstico ou tratamento de distúrbios Neurocomportamentais.

Para este efeito, os investigadores selecionado em modificado a tarefa de Slater-Hammel (S-H)5. Essa é uma tarefa de sinal de paragem que requer participantes inibir uma ação previamente programada gerada internamente. Esta tarefa individual consiste em ensaios de tanto ir e parar. Vamos ensaios são iniciados pelo sujeito pressionando e mantendo a pressão em um botão, com a instrução para levantar o dedo do botão (ou seja, ação de GO) tão perto de, mas antes o destino de 800 ms. No paradigma original, a hora é indicada em um relógio com uma mão rapidamente rotativa. Ensaios de parar aleatoriamente são intercalados entre ensaios de GO, durante o qual a pessoa deve inibir a ação de ir a pré-planejados (ou seja, evitar levantar do dedo). A tarefa de sinal de parada é mais difícil porque temas têm que inibir uma resposta no contexto de um sinal GO pré-programados, Considerando que a tarefa de GNG, a decisão é se iniciar ou não iniciar uma ação com comandos sem prévia. 6 além disso, podem ser mais precisa para investigar a inibição de resposta usando tarefas de sinal de pare, porque a tarefa de GNG, correlações consistentes entre o sinal e respostas podem resultar em inibição automática. 7 inibição automática é a teoria que consistente de mapeamento entre o sinal e resposta (ou seja, sinal de ir sempre resulta em uma resposta GO e vice versa) leva a um processamento automático durante todo o curso do experimento tal que os julgamentos de STOP são parcialmente processado através de recuperação de memória e ignora certos controles de executivos. 8 , 9

Estimulação magnética transcraniana (TMS) é uma tecnologia não-invasiva que pode ser usada para medir a fisiologia cortical. Usando paradigmas de single-emparelhado-pulso e estimulação, um pode quantificar a inibição e excitabilidade cortical. Embora mais estudos publicados de TMS investigam fisiologia cortical em repouso, alguns grupos têm examinado excitabilidade cortical/inibição durante a preparação mental para ação10 e durante diferentes Estados cognitivos que podem ser refletidos no motor Fisiologia do córtex. 11 , 12 , 13 , 14 esta abordagem funcional do TMS (MVH) exige medições on-line do TMS, enquanto os participantes estão realizando tarefas comportamentais, permitindo assim que a sonda cortical mudanças que são dependentes do estado com alta resolução temporal. Fornecendo informações em tempo real sobre alterações neurofisiológica de forma amplia a investigação fisiológica de controle motor15,16 e condições neuropsiquiátricas17,18, 19,20.

Estudos anteriores fTMS têm explorado corticais mecanismos de inibição de resposta em adultos saudáveis usando GNG14 e SST tarefas15,16,21. Além disso, um estudo mostrou que uma única dose de metilfenidato mudou motor cortical fisiologia dos adultos saudáveis durante um experimento MVH/GNG. 22 até à data, existem dois grupos que têm publicado estudos pediátricos MVH usando GNG tarefa para caracterizar cortical fisiologia do TDAH23 e síndrome de Tourette17. Não há atualmente nenhum estudo publicado MVH utilizando SST na população pediátrica.

Uma questão crítica no MVH estudos, a uma extensão muito maior do que os estudos TMS resto-sozinho, é artefato de músculo. Medidas padronizadas Eletromiografia de superfície (EMG) de amplitude e latência de potenciais evocados de motor (MEP) não devem ser contaminadas pelo artefato muscular. Então, por exemplo, para estudar as alterações corticais em preparação para um movimento em um estudo de tempo de reação, TMS pulsos devem ser precisamente cronometrados para ocorrer após um sinal de força, mas antes do tempo de reação do indivíduo. Assim, em qualquer tarefa, é fundamental para garantir que o TMS pulsos estão ocorrendo em um tempo quando a resposta motora ainda não começou, e que o participante é confortável e capaz de manter o músculo relevante no resto. Isso pode ser excepcionalmente problemático com crianças hipercinética que naturalmente podem ter movimentos estranhos e quem pode manter o seu braço e mão tensa durante todo o tempo de reação um jogo.

O objetivo do presente estudo é desenvolver uma versão do Slater-Hammel SST que é criança-amigável e adequado para estudar a fisiologia do córtex motor primário (M1). Esta tarefa deve ser 1) facilmente compreensível para crianças, 2) é relativamente fácil para completar para crianças e 3) compatível com TMS on-line.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Protocol

Este protocolo foi aprovado pelo Hospital Medical Center infantil de Cincinnati e Johns Hopkins placas de revisão institucional como um risco mínimo de estudo em crianças e adultos. Single-emparelhado-pulso e TMS é considerado como seguro em crianças de 2 anos e mais velhos por consenso de especialista internacional. 24 depois de explicar os riscos potenciais da TMS para pais/encarregados de educação e participante, consente e de formulários de consentimento são assinados se eles concordam em prosseguir com o estudo.

1. triagem e introdução

  1. Temas de tela para TMS contraindication(s) usando um questionário padronizado. 25
  2. Demonstre como TMS trabalha entregando um pulso magnético sobre o antebraço do operador.
  3. Entrega um pulso TMS ao longo do antebraço do participante para que ele/ela pode sentir o pulso.
  4. Colocar tampões nos ouvidos do participante para proteção auditiva.

2. instalação de chumbo de EMG de superfície e mão posicionamento

  1. Com o assunto raptar o dedo indicador dominante para identificar o primeiro músculo interósseo dorsal (FDI). Coloque o elétrodo negativo sobre a barriga do IDE e, em seguida, coloque o eletrodo positivo entre 2nd e 3 articulações metacarpofalangeanas (MCP) deárea de trabalho remota e o eléctrodo de terra sobre o 5th MCP comum.
  2. Posicione as mãos do participante com ulnar aspectos de ambos os braços e mãos repousando inteiramente sobre um travesseiro, sem nenhum esforço de antigravidade necessário (Figura 1).
  3. Tenho o participante estender o dedo indicador dominante, enquanto os terceiro-quinto dedos flexionados. Em seguida, coloque uma almofada de controlador de jogo no travesseiro para que o dedo indicador baseia-se no botão usado para a tarefa de S-H de carro de corrida. A justificativa para esta posição da mão é que a ação de GO requer a ativação do IDE para levantar o dedo do botão. Portanto, rastreamento de EMG do IDE dominante de gravação será M1 excitabilidade e inibição para ir da sonda e parar julgamentos respectivamente.

3. aquisição de dados TMS de base

  1. Definir os parâmetros de gravação para gravação de MEP - filtros de 100 e 1000 Hz, taxa de amostragem de 2 kHz passam-alto e baixo.
  2. Obter medições de TMS de linha de base usando uma bobina TMS 90mm circular posicionada tangencialmente o crânio sobre o vértice com o cabo apontando para o occipital na posição ideal e orientação para a produção de Eurodeputado no IDE certo pela seguinte norma protocolo. 26 esta bobina posição e orientação devem produzir uma corrente induzida de posterior para anterior sobre M1.
    1. Use um lápis de cera para marcar o local do couro cabeludo, uma vez que o hotspot foi localizado para assegurar que a entrega de pulso TMS ocorre na mesma região cortical.
  3. Vinte realizar ensaios27 de linha de base única-pulso (sp) TMS induzido os deputados FDI com ambas as mãos em repouso usando uma intensidade de 120% do RMT.
  4. Realizar vinte ensaios medidas de TMS emparelhado-pulso da linha de base da M1 inibição intracortical do curto intervalo (JCL) em repouso usando inter estímulo intervalo de 3 ms, 60% da * RMT como o condicionamento de pulso intensidade e 120% RMT como a intensidade do pulso de teste para quantificar M1 inibitório GABAA-atividade interneuronal ergic. 28 , 29 , 30 defina o intervalo inter experimental para medições de base 6 ± 0,3 segundos.

4. S-H tarefa comportamental

  1. Exiba a tarefa de inibição de resposta Racecar S-H em um monitor diretamente em frente ao assunto. Inicie o experimento pelos primeiros temas de treinamento na tarefa comportamental. Dizer o tema que o carro do lado esquerdo do monitor começará a mover-se depois que o botão é pressionado pela adução do dedo índice dominante (Figura 2A).
  2. Diga aos participantes que o objetivo para ensaios de GO é levantar o dedo tão perto, mas antes as 800 ms target, representado por uma linha vertical na tela. A tela exibirá "Bom trabalho" se dedo elevadores ocorre entre 700 e 800 ms, caso contrário ele irá exibir "Muito cedo" ou "Tarde demais". Tenho o participante praticar 10 ensaios de GO.
  3. Fornece treinamento para a tarefa de parar por participantes a dizer que o segundo conjunto de ensaios envolve o carro parando aleatoriamente antes o destino de 800 ms.
    1. Diga à criança para manter o dedo no botão sem levantar o dedo quando o carro para aleatoriamente. Para ter sucesso nestes ensaios de paragem, o dedo deve permanecer no botão até uma bandeira do verificador é vista que é programado para aparecer 1000 ms após o início de cada julgamento. Informe o participante que se apresenta-se sinal de paragem e dedo é levantado antes o sinalizador do verificador, "Muito cedo" aparecerá uma mensagem. Diga a criança que uma mensagem de "Grande" será exibida após julgamentos de parada bem sucedidos.
    2. Ter a criança praticar 10 ensaios da paragem.
      Nota: O programa tem um algoritmo de rastreamento dinâmico. Na experiência real após o treinamento, o primeiro sinal de parada ocorre em 500 ms. se o participante não uma parada de julgamento e, em seguida, o julgamento de paragem a próxima será mais fácil (ou seja, o sinal STOP passará 50 ms longe o alvo 800 ms). No entanto, se o julgamento de paragem foi bem sucedido, então o próximo julgamento de paragem será mais difícil (ou seja, o sinal STOP passará 50 ms em direção ao alvo). Este processo de rastreamento dinâmico garante que no final de todo o experimento, aproximadamente 50% dos julgamentos de paragem será bem sucedido enquanto a outra metade seria falha de ensaios. O sinal STOP é programado para ajustar-se entre 300 e 700 ms após o início do julgamento.
  4. Depois que os participantes praticam ensaios somente ir e somente parar, diga-lhes que o próximo bloco de prática contém uma mistura de ensaios ir e parar. Ter a criança executar 20 ensaios de GO misto e parada como uma prática final.

5. online experimento S-H/TMS

  1. Antes de iniciar a experiência on-line do TMS/S-H, lembrar o participante a aduto (empurre para baixo) do dedo indicador dominante para iniciar o julgamento, para raptar (levantar) dedo para ensaios de GO e mantenha o dedo no botão para parar os ensaios. A adução do dedo indicador foi escolhida para iniciar e manter o movimento do carro durante cada julgamento porque na época dos pulsos TMS (Figura 2A e 2B), o antagonista primeiro dorsal interósseo (FDI) músculo, onde a liderança de EMG é colocada, seria descansando, reduzindo assim a probabilidade de artefato de movimento no rastreamento do IED.
  2. Diga-o participante que TMS pulsos serão entregues durante a tarefa de S-H. Instruir o assunto que vai haver 3 blocos de testes on-line do TMS S-H (3 ir: 1 relação de julgamento de STOP).
    Nota: Durante os ensaios de GO, TMS pulso está programado para ser entregue em 650 ms após o início de cada julgamento. Este calendário é inicialmente escolhido com base no estudo prévio do TMS mostrando que aumento da excitabilidade M1 associado com preparação de movimento pode ser capturado nesta faixa. 10 testes para parar, pulso TMS é entregue 150 ms após o sinal de parada. Em ensaios de parada bem sucedidos, o dedo indicador não decolar o botão, portanto, o M1 capturados excitabilidade reflete a atividade cortical relacionada a resposta inibição ao invés de motor preparação ou execução.
  3. Coloque a bobina circular 90 mm sobre o vértice usando a marca de lápis de cera anterior preferencialmente estimular M1 dominante e definir o condicionamento intensidade a 60% de pulso * RMT e teste o pulso a 120% * RMT. Começa o experimento S-H/TMS on-line. As crianças do tempo necessário para concluir 120 testes geralmente é 30-40 minutos.

6. racecar Slater-Hammel dados comportamentais

  1. Para ensaios de GO, determine o tempo de reação como o dedo-elevador tempo relativo para o início de cada julgamento. Média de cada bloco. Para ensaios de parada, o tempo de dedo-elevador determina o sucesso, Considerando que o carro de parar o tempo do sinal (ou seja, parar o sinal demora; SSD) é o intervalo de tempo desde o início do julgamento para o ponto onde o carro aleatoriamente para. Devido ao processo de rastreamento dinâmico, o tempo de sinal parar converge para uma média de sucesso/falha de ~ 50%.
  2. Calcular o tempo de reação de sinal de parar (SSRT) subtraindo-se o tempo médio de carro-parada a partir o dedo médio elevador GO ensaios (SSRT = tempo médio de reação GO – média de tempo de sinal de paragem [ou seja, SSD]). Média de todos o SSD pelo bloco e calcular um SSRT para cada bloco.

7. TMS processamento de dados

  1. Quantificar o TMS durante cada julgamento produziu um MEP usando a amplitude de pico-pico medido em milivolts. Exclua ensaios para artefatos de movimento (áreas de EMG abaixo da curva maior que 70 microvolts mais de 100 ms) antes do pulso TMS.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Representative Results

Análise de regressão é executada usando um pacote de software comercial de estatística para analisar dados comportamentais e neurofisiológico separadamente. Os dados representativos são de 23 desenvolvendo normalmente crianças de Cincinnati e 15 de Baltimore (25 macho, fêmea 13). Idade não diferiu entre local (10,3 ± 1,3 anos de Cincinnati e 10,4 ± 1,2 anos para Baltimore; t teste p = 0,74)

Usamos um modelo de regressão para analisar SSRT com a idade como uma covariável junto com sexo, site (Cincinnati vs Baltimore) e bloco experimental como variáveis independentes. Interações entre essas variáveis também foram exploradas. Esta análise revelou que a idade era a única variável com um efeito significativo na SSRT (p = 0,005).

Os dados TMS neurofisiológico foi caracterizados usando a amplitude de pico a pico MEP como variável dependente para análise de regressão. Durante a preparação do movimento, excitabilidade M1 aumenta antes que ocorra o movimento real. TMS estudos têm mostrado que este aumento de excitabilidade ocorre 100-140 ms antes de contração muscular. 10 , 11 , 31 , 32 nesta tarefa S-H, o tempo entre o pulso TMS e dedo-elevador para ensaios de parada bem sucedidos sempre é maior do que 150 ms (ou seja, o mais recente possível TMS pulso ocorre em 850 ms e elevador de dedo ocorre > 1000 ms após o início do julgamento). Em nossa análise, estamos interessados em comparar cortical excitabilidade e inibição relacionadas à inibição da resposta motora. Desde que nós estamos interessados em comparar os três diferentes tarefas condições (GO, parada de sucesso, falha parar), foram analisados dados de ensaios quando o tempo entre TMS elevador de dedo e pulso é pelo menos 150 ms porque amplitude MEP além neste período de tempo não é afetado por preparação de movimento. 10 , 11 , 31 , 32 portanto essa latência de tempo não foi incluída no modelo de regressão como uma co-variável. Para o nosso modelo de regressão, incluímos a idade como uma covariável porque isso afeta a amplitude do MEP na infância. Variáveis de classe independentes de 33 para sexo modelo incluído, site, bloco experimental, condição de pulso TMS (único-vs emparelhado-pulso) e condição experimental (bem sucedida, vá parar, pare de falha). A interação principal de interesse é entre a condição de pulso TMS e condição experimental porque estamos interessados em como M1 excitabilidade (single-pulso TMS) e inibição (emparelhado-pulso TMS) diferem entre as condições da tarefa diferente.

Para amplitudes MEP, as variáveis independentes sexo, site e bloco experimental não foram significativas no modelo de regressão. Idade não foi considerada como uma covariável no modelo de regressão (p = 0,28). O TMS pulso condição (p < 0,0001) e sua interação com condição experimental (p = 0,009) foram significativos. A Figura 3 mostra representante neurofisiológico dados em diferentes condições experimentais usando mínimos quadrados dizer estimativas calculadas a partir do modelo de regressão com barras de erro que representa erros-padrão. Todas as comparações por pares de amplitudes MEP single-pulso entre as condições de três tarefas eram insignificantes (falsa descoberta taxa [Roosevelt] ajustado p > 0,05). No entanto, para os deputados emparelhado-pulso inibitórios, as diferenças entre ir vs falhou STOP (FDR ajustado p = 0,009) e bem sucedido vs STOP falha (FDR ajustado p = 0,03) foram significativos. A comparação das amplitudes MEP emparelhado-pulso entre GO e sucesso STOP ensaios não foi significativa (FDR ajustado p = 0,56).

Figure 1
Figura 1: posição de mão e o dedo durante a tarefa de carro de corrida S-H. Ambas as mãos são repousava sobre o travesseiro. Dedo indicador dominante é estendido e baseia-se em um botão do controlador de jogo. Adução dos dedos da mão dominante do índice deprime o botão e ativa a cada tentativa. Clique aqui para ver uma versão maior desta figura.

Figure 2
Figura 2: Esquema de julgamento.
(A) ir esquema experimental. Adução do dedo indicador dominante sobre um botão ativa o carro se mover pela tela. Os participantes são esperados para levantar o dedo entre 700-800 ms após o início do julgamento para parar o carro perto de, mas antes o destino de 800 ms. Pulso TMS é dado em 650 ms após o início do julgamento.
(B) intercaladas entre GO ensaios são ensaios de paragem durante o qual os participantes foram instruídos a evitar dedo-elevador em resposta a um sinal de paragem (ou seja, carro de repente para em algum ponto antes da marca de 800 ms). TMS pulsos foram entregues 150 ms após o sinal de parada. Clique aqui para ver uma versão maior desta figura.

Figure 3
Figura 3. Amplitudes MEP durante tarefa racecar S-H. Amplitudes MEP (em milivolts) para medições de TMS single-emparelhado-pulso e M1 são plotadas para diferentes condições desta tarefa de S-H/TMS on-line (GO, parada de sucesso, não conseguiu parar). Mínimos quadrados dizer estimativas calculadas a partir da análise de regressão foram usadas para esta figura. Barras de erro representam erros-padrão calculados a partir do modelo de regressão. Clique aqui para ver uma versão maior desta figura.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Discussion

Este protocolo é um novo método de criança-amigável da combinação de uma tarefa de sinal de parada e TMS para examinar a inibição cortical relacionadas ao evento. Observação clínica dos défices inibitórios motor e mau desempenho em tarefas de sinal de parada foram demonstrados em numerosas condições neuropsiquiátricas. 3 relativamente poucos investigadores utilizaram MVH on-line para examinar cortical excitabilidade e inibição durante tarefas de inibição de resposta. Alguns grupos têm utilizado com sucesso TMS durante tarefa GNG para mostrar as diferenças na fisiologia cortical em crianças e adultos. 14 , 23 , 34 no entanto, tarefa GNG deve idealmente ser realizada em um relativamente rápido ritmo para eliciar a resposta motora prepotent em toda a tarefa para que controle inibitório pode ser examinado adequadamente em ensaios Nogo. 35 , 36 do ponto de vista metodológico, uma fast-paced tarefa GNG impõe dificuldades para experiências on-line MVH como capacitores de dispositivo requerem tempo para recarregar para o próximo pulso de estimulação. Por exemplo, nosso pulso monofásico TMS o gerador precisa de pelo menos um intervalo inter experimental de 4 segundos, limitando assim a fast-paced experiências on-line do TMS/GNG. Além disso, transtornos neuropsiquiátricos ou desenvolvimento subjacentes podem afetar a capacidade de infantil para completar uma tarefa GNG acelerada. Uma característica da tarefa Slater-Hammel é que é individual e, portanto, permite a integração do TMS para realizar medições fisiológicas on-line. 16 Coxon et al costumava tarefa on-line para a S-H MVH/ponteiro em adultos saudáveis mostram que inibição cortical, medida pelo JCL, é mais robusta durante a parada do que ensaios de GO. Um estudo separado MVH on-line/SST mostraram resultados semelhantes em que M1 excitabilidade diminui significativamente após a sinalização de parada em ensaios de parada bem sucedidas. 15 Em comparação com o Coxon MVH/S-H protocolo16, fizemos duas modificações significativas. Primeiro, criamos a versão de "corrida" da tarefa de sinal de paragem de S-H que é mais envolvente para os participantes pediátricos. Usando esse projeto, normalmente desenvolvendo crianças (Figura 3) e aqueles com TDAH (dados não publicados) foram capazes de completar pelo menos 120 ensaios. A outra característica que construímos para a tarefa de fTMS/S-H on-line é o algoritmo de rastreamento dinâmico para ajustar o tempo de sinal de STOP, que a taxa de sucesso de julgamento de STOP é ~ 50% no final de todo o experimento. Isto é importante porque permite comparações da inibição cortical durante a bem sucedida vs sem sucesso parar julgamentos e elimina também o desempenho da tarefa como uma variável de confundimento.

Single-pulso ensaios neste protocolo permitem o estudo da excitabilidade cortical durante a preparação do movimento. No entanto, no contexto da tarefa de inibição de resposta de sinal de parada, também estamos interessados em quantificar M1 JCL durante os ensaios de STOP. Para a quantificação de JCL, o abaixo do limite condicionamento de intensidade de estimulação de pulso é um importante parâmetro experimental. Estudos prévios têm documentado o efeito de dosagem do condicionado pulse intensidade no JCL. 37 , 38 estes estudos mostram que um pulso de condicionamento mais forte provoca JCL mais profundo. No entanto, nosso laboratório historicamente utilizado 60% * RMT como o condicionamento de intensidade para detectar diferenças de JCL em pediátricas estudos de caso-controle TMS de pulso. 19 , 20 desde que a intensidade do pulso Este condicionamento também provoca significativa M1 JCL29, usamos 60% * RMT para condicionamento pulso nesta tarefa MVH/S-H.

Outro fator a considerar na quantificação de JCL é que o single-pulso induzido a amplitude do MEP. A média amplitude single-pulso induzida MEP é usada como o denominador para cálculo do rácio de JCL. Esta amplitude de linha de base é dependente de diferentes Estados, como o resto, observação/imagética motora, preparação de motor, bem como teste de intensidade de estimulação de pulso. 10 , 39 , 40 nesta tarefa MVH/S-H on-line, amplitudes MEP são tipicamente de 3 a 4 vezes maiores durante a tarefa em relação ao estado de descanso inicial (dados não mostrados). No original JCL estudo28, os autores afirmaram que o JCL é menor com um estímulo mais forte do teste. No entanto, dados brutos, apoiando esta conclusão não foi mostrados no manuscrito. Estudos posteriores têm examinado uma gama de amplitudes MEP de resto de linha de base (0.2, 1 e 4 mV) e mostrou que a amplitude da linha de base MEP não afetou a JCL. 41 , 42 outro estudo examinou os efeitos da condição de motor (descanso, contrações isométricas ipsilateral/contralateral) e teste de intensidades de estimulação de pulso (90-150% * RMT) no JCL. 37 JCL é menor durante a contração isométrica do dedo e variava em função da intensidade de estimulação de pulso de teste. No entanto, medidas repetidas ANOVA não identificou uma interação significativa entre condição e teste a intensidade da estimulação pulso. Análise post-hoc mostrou que o JCL durante a contração isométrica contralateral foi significativo para uma gama de intensidades de estimulação de pulso teste (110, 120, 130 e 140% de RMT). Devido a limites motor naturalmente elevados em crianças33, é ideal para manter a intensidade do pulso de teste mais baixa possível, devido a limitações de hardware potenciais TMS e conforto dos participantes. Por estas razões, nós escolhemos 120% * RMT como a intensidade do pulso de teste. No entanto, esta tarefa S-H/TMS on-line pode ser aplicável para crianças ainda mais novas estávamos para reduzir a intensidade do pulso de teste a 105-110% * RMT para experiências futuras.

Uma limitação potencial deste protocolo é que o mais fortes, mais alto TMS pulsos necessários para as crianças podem afetar seu desempenho de tarefa S-H. Também é possível que o aumento da intensidade médio das pulsações de TMS poderia interromper circuitos corticais, tal que a inibição de resposta é afectada. Outra possibilidade é que o pulso mais forte é mais alto e pode distrair as crianças durante a tarefa. Para experiências futuras, isso pode ser testado por re-fazer a tarefa de Slater-Hammel com TMS pulsos entregados em intensidades semelhantes sobre uma região não envolvida na inibição da resposta motora, ou usando uma farsa TMS da bobina. Outra limitação é o baixo número de tentativas de parar. Esta tarefa MVH requer os participantes completar 120 ensaios, destes, apenas 30 são ensaios de STOP. Nosso algoritmo de rastreamento dinâmico deve resultar em uma taxa de sucesso de ~ 50%; Portanto, há apenas 15 ensaios sem sucesso sucesso e 15 para análise. Se o artefato significativo movimento for detectado em alguns desses ensaios, depois de rastreamento não é incluído para análise e poder estatístico é diminuída. Isso é provavelmente verdade, se os dados são representados como amplitude MEP média cada indivíduo para cada tipo de julgamento (parada de descanso, GO,). Usar um modelo estatístico de medidas repetidas que estima os deputados de julgamento-tipo com base em todos os ensaios, como temos feito, pode permitir resultados mais significativos.

Em conclusão, desenvolvemos um método não invasivo, bem tolerado e interativo para quantificar a inibição cortical para detectar diferenças durante a tarefa de inibição de resposta. Isto pode ser aplicado na sequência de condições neuropsiquiátricas para estudar a inibição cortical em crianças. Existem numerosos métodos de expansão neste protocolo MVH. Estudos recentes têm utilizado paradigmas TMS do dois-enrolamento emparelhado-pulso para estudar conectividade cortical durante tarefas comportamentais em adultos. 43 , 44 usando neuronavigation, esta abordagem pode ser estendida à população pediátrica para examinar os efeitos de nós pré-frontal na inibição de resposta. TMS repetitiva (rTMS) oferece uma outra opção para modular a regiões do cérebro que são críticas para inibição de respostas motoras. 43 , 45 , 46 além disso, uma outra aplicação futura potencial é combinando este protocolo com EEG simultâneo para quantificar potenciais corticais TMS-evocados em não-M1 regiões47 para caracterizar cortical fisiologia associada com resposta motora inibição.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Os autores não têm nada para divulgar.

Acknowledgments

Este estudo foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental (R01MH095014).

Materials

Name Company Catalog Number Comments
Precision Gamepad Logitech G-UG15
Acquisition Interface Model ACQ-16 Gould Instrument Systems Inc ACQ-16
Micro1401-3 Data Acquisition Unit Cambridge Electronic Design Ltd Not applicable
Signal version 6 software (Windows) Cambridge Electronic Design Ltd Not applicable
Power base Coulbourn Instruments V15-17
Bioamplifier with filters Coulbourn Instruments V75-04
Conductor electrode cables (for surface EMG) Coulbourn Instruments V91-33
2002 TMS device The Magstim Company Ltd Not applicable
BiStim2 module The Magstim Company Ltd Not applicable
90mm circular TMS coil The Magstim Company Ltd Not applicable
Presentation software (Windows) Neurobehavioral Systems Inc Not applicable
Windows computer Not applicable

DOWNLOAD MATERIALS LIST

References

  1. Mostofsky, S. H., Simmonds, D. J. Response inhibition and response selection: two sides of the same coin. J Cogn Neurosci. 20, (5), 751-761 (2008).
  2. Barkley, R. A. Response inhibition in attention-deficit hyperactivity disorder. Ment Retard Dev Disabil Res Rev. 5, (3), 177-184 (1999).
  3. Lipszyc, J., Schachar, R. Inhibitory control and psychopathology: a meta-analysis of studies using the stop signal task. J Int Neuropsychol Soc. 16, (6), 1064-1076 (2010).
  4. Verbruggen, F., Logan, G. D. Models of response inhibition in the stop-signal and stop-change paradigms. Neurosci Biobehav Rev. 33, (5), 647-661 (2009).
  5. Slater-Hammel, A. T. Reliability, accuracy, refractoriness of a transit reaction. Research Quarterly. 31, (2), 217-228 (1960).
  6. Johnstone, S. J., et al. The development of stop-signal and Go/Nogo response inhibition in children aged 7-12 years: performance and event-related potential indices. Int J Psychophysiol. 63, (1), 25-38 (2007).
  7. Verbruggen, F., Logan, G. D. Automatic and controlled response inhibition: associative learning in the go/no-go and stop-signal paradigms. J Exp Psychol Gen. 137, (4), 649-672 (2008).
  8. Logan, G. D. Toward an instance theory of automatization. Psychol Rev. 95, (4), 492-527 (1988).
  9. Schneider, W., Shiffrin, R. M. Controlled and Automatic Human Information Processing: I. Detection, Search, and Attention. Psychol Rev. 84, (1), 1-66 (1977).
  10. Chen, R., Yaseen, Z., Cohen, L. G., Hallett, M. Time course of corticospinal excitability in reaction time and self-paced movements. Ann Neurol. 44, (3), 317-325 (1998).
  11. Yamanaka, K., et al. Human cortical activities during Go/NoGo tasks with opposite motor control paradigms. Exp Brain Res. 142, (3), 301-307 (2002).
  12. Majid, D. S., Cai, W., George, J. S., Verbruggen, F., Aron, A. R. Transcranial magnetic stimulation reveals dissociable mechanisms for global versus selective corticomotor suppression underlying the stopping of action. Cereb Cortex. 22, (2), 363-371 (2012).
  13. Majid, D. S., Lewis, C., Aron, A. R. Training voluntary motor suppression with real-time feedback of motor evoked potentials. J Neurophysiol. 113, (9), 3446-3452 (2015).
  14. Fujiyama, H., Tandonnet, C., Summers, J. J. Age-related differences in corticospinal excitability during a Go/NoGo task. Psychophysiology. 48, (10), 1448-1455 (2011).
  15. van den Wildenberg, W. P., et al. Mechanisms and dynamics of cortical motor inhibition in the stop-signal paradigm: a TMS study. J Cogn Neurosci. 22, (2), 225-239 (2010).
  16. Coxon, J. P., Stinear, C. M., Byblow, W. D. Intracortical inhibition during volitional inhibition of prepared action. J Neurophysiol. 95, (6), 3371-3383 (2006).
  17. Draper, A., Jude, L., Jackson, G. M., Jackson, S. R. Motor excitability during movement preparation in Tourette syndrome. J Neuropsychol. (2013).
  18. Heise, K. F., et al. Altered modulation of intracortical excitability during movement preparation in Gilles de la Tourette syndrome. Brain. 133, (2), 580-590 (2010).
  19. Gilbert, D. L., Isaacs, K. M., Augusta, M., Macneil, L. K., Mostofsky, S. H. Motor cortex inhibition: a marker of ADHD behavior and motor development in children. Neurology. 76, (7), 615-621 (2011).
  20. Wu, S. W., Gilbert, D. L., Shahana, N., Huddleston, D. A., Mostofsky, S. H. Transcranial magnetic stimulation measures in attention-deficit/hyperactivity disorder. Pediatr Neurol. 47, (3), 177-185 (2012).
  21. Chiu, Y. C., Aron, A. R., Verbruggen, F. Response suppression by automatic retrieval of stimulus-stop association: evidence from transcranial magnetic stimulation. J Cogn Neurosci. 24, (9), 1908-1918 (2012).
  22. Kratz, O., et al. Effects of methylphenidate on motor system excitability in a response inhibition task. Behav Brain Funct. 5, 12 (2009).
  23. Hoegl, T., et al. Time course analysis of motor excitability in a response inhibition task according to the level of hyperactivity and impulsivity in children with ADHD. PLoS One. 7, (9), e46066 (2012).
  24. Rossi, S., Hallett, M., Rossini, P. M., Pascual-Leone, A. Safety, ethical considerations, and application guidelines for the use of transcranial magnetic stimulation in clinical practice and research. Clin Neurophysiol. 120, (12), 2008-2039 (2009).
  25. Rossi, S., Hallett, M., Rossini, P. M., Pascual-Leone, A. Screening questionnaire before TMS: an update. Clin Neurophysiol. 122, (8), 1686 (2011).
  26. Mills, K. R., Nithi, K. A. Corticomotor threshold to magnetic stimulation: normal values and repeatability. Muscle & Nerve. 20, (5), 570-576 (1997).
  27. Goldsworthy, M. R., Hordacre, B., Ridding, M. C. Minimum number of trials required for within- and between-session reliability of TMS measures of corticospinal excitability. Neuroscience. 320, 205-209 (2016).
  28. Kujirai, T., et al. Corticocortical inhibition in human motor cortex. J Physiol. 471, 501-519 (1993).
  29. Orth, M., Snijders, A. H., Rothwell, J. C. The variability of intracortical inhibition and facilitation. Clin Neurophysiol. 114, (12), 2362-2369 (2003).
  30. Ziemann, U. TMS and drugs. Clin Neurophysiol. 115, (8), 1717-1729 (2004).
  31. Sommer, M., Classen, J., Cohen, L. G., Hallett, M. Time course of determination of movement direction in the reaction time task in humans. J Neurophysiol. 86, (3), 1195-1201 (2001).
  32. Leocani, L., Cohen, L. G., Wassermann, E. M., Ikoma, K., Hallett, M. Human corticospinal excitability evaluated with transcranial magnetic stimulation during different reaction time paradigms. Brain. 123, (Pt 6), 1161-1173 (2000).
  33. Garvey, M. A., et al. Cortical correlates of neuromotor development in healthy children. Clin Neurophysiol. 114, (9), 1662-1670 (2003).
  34. Draper, A., Jude, L., Jackson, G. M., Jackson, S. R. Motor excitability during movement preparation in Tourette syndrome. J Neuropsychol. 9, (1), 33-44 (2015).
  35. Wessel, J. R. Prepotent motor activity and inhibitory control demands in different variants of the go/no-go paradigm. Psychophysiology. (2017).
  36. Garavan, H., Ross, T. J., Stein, E. A. Right hemispheric dominance of inhibitory control: an event-related functional MRI study. Proc Natl Acad Sci U S A. 96, (14), 8301-8306 (1999).
  37. Garry, M. I., Thomson, R. H. The effect of test TMS intensity on short-interval intracortical inhibition in different excitability states. Exp Brain Res. 193, (2), 267-274 (2009).
  38. Chen, R., et al. Intracortical inhibition and facilitation in different representations of the human motor cortex. J Neurophysiol. 80, (6), 2870-2881 (1998).
  39. van der Kamp, W., Zwinderman, A. H., Ferrari, M. D., van Dijk, J. G. Cortical excitability and response variability of transcranial magnetic stimulation. J Clin Neurophysiol. 13, (2), 164-171 (1996).
  40. Williams, J., Pearce, A. J., Loporto, M., Morris, T., Holmes, P. S. The relationship between corticospinal excitability during motor imagery and motor imagery ability. Behav Brain Res. 226, (2), 369-375 (2012).
  41. Roshan, L., Paradiso, G. O., Chen, R. Two phases of short-interval intracortical inhibition. Exp Brain Res. 151, (3), 330-337 (2003).
  42. Sanger, T. D., Garg, R. R., Chen, R. Interactions between two different inhibitory systems in the human motor cortex. J Physiol. 530, (Pt 2), 307-317 (2001).
  43. Picazio, S., Ponzo, V., Koch, G. Cerebellar Control on Prefrontal-Motor Connectivity During Movement Inhibition. Cerebellum. 15, (6), 680-687 (2016).
  44. Picazio, S., et al. Prefrontal control over motor cortex cycles at beta frequency during movement inhibition. Curr Biol. 24, (24), 2940-2945 (2014).
  45. Obeso, I., et al. Stimulation of the pre-SMA influences cerebral blood flow in frontal areas involved with inhibitory control of action. Brain Stimul. 6, (5), 769-776 (2013).
  46. Ficarella, S. C., Battelli, L. The critical role of the dorsal fronto-median cortex in voluntary action inhibition: A TMS study. Brain Stimul. 10, (3), 596-603 (2017).
  47. Cash, R. F., et al. Characterization of Glutamatergic and GABAA-Mediated Neurotransmission in Motor and Dorsolateral Prefrontal Cortex Using Paired-Pulse TMS-EEG. Neuropsychopharmacology. 42, (2), 502-511 (2017).

Comments

0 Comments


    Post a Question / Comment / Request

    You must be signed in to post a comment. Please or create an account.

    Usage Statistics