Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Biology II: Mouse, Zebrafish, and Chick

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

 
Click here for the English version

Uma Introdução ao Rato de Laboratório: Mus musculus

Overview

Oscamundongos ( Mus musculus) são uma importante ferramenta de pesquisa para modelar a progressão e o desenvolvimento da doença humana em laboratório. Apesar das diferenças em seu tamanho e aparência, os camundongos compartilham uma semelhança genética distinta com os humanos, e sua capacidade de se reproduzir e amadurecer rapidamente os tornam mamíferos candidatos eficientes e econômicos para estudo científico.

Este vídeo fornece uma breve visão geral dos camundongos, tanto como organismos quanto em termos de suas muitas vantagens como modelos experimentais. A discussão apresenta uma introdução a cepas comuns de ratos de laboratório, incluindo o rato nu, cuja composição genética os torna ambos sem pelos e imunodeficentes. Uma breve história de pesquisa de camundongos também é oferecida, desde seu primeiro uso em experimentos genéticos até descobertas ganhadoras do Prêmio Nobel em imunologia e neurobiologia. Finalmente, exemplos representativos dos diversos tipos de pesquisa que podem ser realizadas em camundongos são apresentados, como testes comportamentais clássicos como o labirinto de água de Morris e investigações aprofundadas do desenvolvimento embrionário dos mamíferos.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Os roedores compõem cerca de 90% de todos os animais utilizados na pesquisa, a maioria dos quais são camundongos.

Camundongos são fáceis e baratos de manter, e sua semelhança genética com os humanos, juntamente com seu tempo de baixa geração e alta fertilidade, os tornam candidatos ideais para manipulação genética e estudo.

Este vídeo fornece uma visão geral do mouse como um organismo modelo e discute algumas de suas muitas aplicações em pesquisas biológicas e biomédicas.

O rato comum, Mus musculus,pertence à classe mamífero de vertebrados. Os camundongos são encontrados na maior ordem de mamíferos: a Rodentia, caracterizada por grandes incisivos que crescem continuamente ao longo da vida do animal.

Os camundongos estão entre os menores mamíferos, pesando em média 1 g ao nascer e atingindo seu peso máximo de cerca de 25 a 40 g na idade adulta.

Comparado com outros mamíferos, o ciclo de vida do rato também é relativamente curto. A gestação dura apenas 18 a 21 dias, momento em que os filhotes nascem sem pelos e cegos. Enquanto eles se alimentam do leite de suas mães para as primeiras semanas de vida, os filhotes se desenvolverão em adultos sexualmente maduros por apenas 8 semanas de idade.

Devido à sua capacidade de adaptação a uma variedade de ambientes, ratos podem ser encontrados em todos os continentes, exceto na Antártida. Como espécie commensal, os camundongos vivem frequentemente em estreita associação com os seres humanos; quer gostemos ou não!

Então por que essas criaturas familiares são tão populares na pesquisa?

A capacidade dos camundongos de produzir rapidamente um grande número de descendentes permite a geração rápida e barata de uma colônia de animais para investigação científica. Além disso, o fato de os ratos serem tão pequenos significa que a colônia pode ser alojada em uma quantidade mínima de espaço. O mesmo não pode ser dito para a maioria dos mamíferos.

Apesar de nossas consideráveis diferenças físicas, camundongos e outros mamíferos placentários compartilham uma impressionante semelhança genética com os humanos. O genoma do camundongo foi totalmente sequenciado, o que facilita manipulações genéticas como a geração de ratos "nocaute", cujos genomas são modificados para substituir um segmento codificando genes específicos com marcadores selecionáveis, eliminando assim esse gene.

Usando camundongos eliminatórios, podemos avaliar a exigência fisiológica de produtos genéticos individuais, como neste experimento, medindo mudanças na frequência cardíaca embrionária causada pela ausência da enzima Furin.

Muitas famílias de estirpes de ratos de raça existem. Como sua uniformidade elimina as variáveis que podem ser introduzidas pela diversidade genética entre camundongos individuais, o uso dessas cepas melhora a reprodutibilidade experimental.

Mas qual tensão você escolherá para o seu experimento? A resposta depende mais do que a cor do seu casaco favorito. Na verdade, você pode até querer um rato sem casaco! A composição genética desta criaturinha, conhecida como o rato nu, leva à falta de cabelo, mas também um sistema imunológico severamente comprometido. Como resultado, os camundongos nus servem como melhores hospedeiros para experimentos in vivo onde o tecido estranho é introduzido, como neste estudo, monitorando o engraftment de células cancerígenas fluorescentes.

Agora que você tem uma compreensão de quão importantes os ratos são para a ciência, vamos falar sobre algumas descobertas emocionantes que os pesquisadores fizeram usando esses animais modelo.

No início do século XX, William E. Castle tornou-se o primeiro cientista a usar camundongos para estudar genética em laboratório. Castle e seus alunos obtiveram muitos de seus assuntos de pesquisa de Abbie Lathrop, um mais chique que vendia ratos como animais de estimação de sua casa próxima. Curiosamente, algumas dessas cepas, como a linha C57BL/6J, ainda são comumente usadas em laboratórios de pesquisa hoje em dia.

No final da década de 1920, Sir Alexander Fleming havia descoberto as propriedades antibióticos da penicilina usando bactérias em uma placa de petri, mas foi apenas quase 10 anos depois que Howard Florey e Ernst Chain confirmaram seu potencial farmacológico curando camundongos infectados com estreptococos hemolíticas.

Em 1945, Fleming, Florey e Chain foram reconhecidos por suas contribuições ganhadoras do Prêmio Nobel para o campo da biomedicina.

Na mesma época em que os antibióticos estavam sendo descobertos, George Snell descreveu pela primeira vez a região cromossômica conhecida como o maior complexo de histocompatibilidade, que codifica receptores que ajudam as células imunes a detectar invasores estrangeiros. Conhecidos como antígenos leucócitos humanos em humanos, variantes específicas desses receptores estão ligadas a doenças autoimunes, onde o tecido hospedeiro é erroneamente identificado como estranho.

Rolf Zinkernagel e Peter Doherty então usaram um sistema modelo de camundongos para determinar que o reconhecimento de antígeno pelas células T do sistema imunológico é responsável pelo início da resposta imune.

Em 1997, Stanley Prusiner recebeu o Prêmio Nobel por identificar prígions - proteínas infecciosas e desdobradas - em camundongos infectados com a doença neurodegenerativa, scrapie.

Os camundongos também foram fundamentais no trabalho realizado por Richard Axel e Linda Buck, que primeiro clonaram a grande família de genes receptores olfativos. Essas proteínas, expressas por neurônios no epitélio olfativo, são ativadas por ligação a odores inalados. Buck e Axel também avançaram significativamente nossa compreensão de como os sinais produzidos por esses receptores são transmitidos através de nossos circuitos neurais. Em 2004, eles foram premiados com o Prêmio Nobel por suas descobertas inovadoras.

Agora que você viu como o trabalho do rato produziu alguns experimentos marcantes historicamente, vamos dar uma olhada em alguns dos tipos de pesquisa que estão acontecendo em camundongos hoje. Para começar, os camundongos são frequentemente usados em pesquisas comportamentais.

Por exemplo, os ratos fazem ótimos modelos para medir o equilíbrio motor. Eles também são usados para estudar como o cérebro registra e lembra memórias, com paradigmas comportamentais como o labirinto de água de Morris. Neste teste de memória espacial, os ratos são treinados para usar pistas visuais para localizar uma plataforma e escapar de uma piscina de água.

Como nossos sistemas imunológicos funcionam da mesma forma, os camundongos também são bons sistemas para estudar doenças infecciosas. Por exemplo, neste experimento, os camundongos consomem pão contaminado com Listeria e, em seguida, vários tecidos são coletados para investigar o mecanismo pelo qual este patógeno transmitido por alimentos se espalha por todo o corpo.

Camundongos também podem ser usados para estudar a progressão da doença viral. Neste estudo, os camundongos são infectados intranasalmente com o vírus herpes, a fim de imitar a exposição fisiológica ao patógeno.

Nossa alta similaridade genética não é apenas importante para investigar doenças humanas; entender o desenvolvimento do rato também pode melhorar nossa compreensão do desenvolvimento humano. Por exemplo, neste estudo, as mandíbulas embrionárias são seccionadas e cultivadas na cultura para melhor visualizar o desenvolvimento precoce dos dentes.

Você acabou de assistir a introdução de JoVE a Mus musculus. Neste vídeo, discutimos características gerais dos camundongos, por que eles são tão populares no laboratório, descobertas marcantes feitas neste modelo, bem como algumas das maneiras pelas quais os ratos são usados em pesquisas hoje em dia. Como sempre, obrigado por assistir JoVE Science Education!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Nenhum conflito de interesses declarado.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter