Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

Behavior

As Aventuras da Intervenção Fundi Baseada no Processamento Cognitivo e Emocional em Pacientes com Transtorno Hiperativo do Déficit de Atenção

doi: 10.3791/60187 Published: June 12, 2020
* These authors contributed equally

Summary

Este protocolo ilustra uma terapia corretiva baseada na aprendizagem indutiva e na comunicação indireta (hipnose metafórica ericksoniana) que pode ser aplicada a crianças com Transtorno Hiperativo do Déficit de Atenção (TDAH). Particularmente, este protocolo destina-se a testar a eficácia de uma tarefa de decisão go/no-go. A lógica neurocientífica é apresentada ao longo do texto.

Abstract

Muitas crianças com transtorno hiperativo de déficit de atenção (TDAH) são conhecidas por terem disfunção executiva, o que enfraquece suas habilidades de aprender e se comportar na vida diária. Este protocolo descreve a metodologia necessária para a intervenção (psicoterapia) baseada no planejamento, atenção, processamento cognitivo sucessivo e simultâneo (teoria PASS) e medo do processamento emocional. Fornece princípios orientadores e recomendações práticas. Um nível desproporcionalmente alto de medo (desregulação) aumenta a vulnerabilidade de disfunção na aprendizagem e no comportamento. Explicamos a interação entre emoção e cognição no nível neurológico.

Uma tarefa de go/no go (As Aventuras de Fundi), que envolve a tomada de decisões, é administrada em modo PC para uma amostra de 66 sujeitos de TDAH. As Aventuras de Fundi, um programa de computador, foi construído para induzir processamento sucessivo ou simultâneo ao envolver o treinamento de planejamento e atenção seletiva. Tem como objetivo melhorar a função executiva com planejamento e atenção seletiva. Se a função executiva melhorar, o aprendizado melhora e o comportamento ameniza. Após intervenção ao longo de 6 meses, a remissão foi alcançada em 70% dos sujeitos.

O instrutor incentiva o uso de estratégias adequadas e aponta as formas pelas quais as estratégias podem ser úteis para encontrar a solução para o problema (go/no go). A ênfase não é em ensaiar e a sequência verbal instruída por adultos. A verbalização pode revelar a estratégia verbalizada consciente para resolver uma tarefa que não é realmente a estratégia que está sendo usada inconscientemente nesse caso. Um relatório auto-verbal não é confiável. Trata-se de uma aprendizagem indutiva em vez de abordagem dedutiva de aprendizagem de regras central para o treinamento cognitivo do PASS. Este treinamento indutivo provou produzir não só transferência próxima, mas também transferência distante.

Fatores não cognitivos (fatores emocionais) devem ser considerados para maximizar o benefício do treinamento cognitivo. A comunicação indireta e metafórica considera o fator emocional.

Introduction

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

A tomada de decisão está ligada ao comportamento e a maioria dos comportamentos implica na tomada de decisões. A tomada de decisão e, também, o aprendizado, envolve o processamento cognitivo e emocional. O processamento cognitivo pode ser conceitualizado e avaliado de acordo com o planejamento, atenção, teoria sucessiva e simultânea (PASS) de inteligência1,2,3,,4,,5,,6,,7,,8,9. De acordo com o PASS, qualquer comportamento é a saída do processamento de informações centraisneurológicas 10. Portanto, deve-se considerar um comportamento independente do processamento central das informações1,2,3,7,8,,9,,10,,11,,12. Pode-se não prestar atenção (comportamento observável), mas o processamento central da atenção pode estar trabalhando em algo diferente. Por outro lado, o processamento emocional inclui o processamento do medo responsável pela autoconfiança (autoestima) ou falta de confiança13,,14,,15. O processamento do medo é a base fisiológica autônoma indiferenciada de todas as emoções. Como a maioria das emoções (ou "afeta" ou "humores"), o medo começa na amígdala, uma estrutura em forma de amêndoa responsável por detectar ameaças ao nosso bem-estar.

Tanto o processamento cognitivo quanto o emocional podem acontecer consciente ou mais frequentemente inconscientemente, o que é um ponto crucial para comprovar o diagnóstico e a intervenção do comportamento do TDAH ou qualquer outro comportamento. Evidências neurocientíficas crescentes e convergentes indicam que não apenas o processamento inconsciente-involuntário16,17,18,19,20,21, mas também processamento inconsciente antecipatório22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35 são verdadeiros na tomada de decisão. Particularmente, um novo estudo sobre a neurociência da comunicação subliminar inconsciente interpessoal (implícita) é evidência deste36.

A tomada de decisão baseia-se no sentimento autoconfiante associado ao que é processado cognitivamente, implicitamente mais frequentemente do que explicitamente37,,38,,39,,40,,41. A autoconfiança está associada ao autoconceito (crenças da base de conhecimento), mas afirmamos que a tomada de decisão é baseada no que se sente consciente e inconscientemente, mas não no cálculo racional deliberado das consequências38. De fato, os argumentos racionais que as pessoas expressam (relatório verbal) para explicar o comportamento e a tomada de decisão são um fenômeno posteriori e um viés cognitivo42,43 desencadeado pelo processamento do medo. Primeiro, a reação ao sentimento ocorre, e então uma explicação é inconscientemente implementada como um fenômeno posteriori. Um relatório auto-verbal é questionável. A pesquisa de cognição/emoção é atormentada por problemas nos quais não está claro qual é a resposta à emoção. Este é o caminho para entender a resposta emocional ao medo. Portanto, a tomada de decisões, a autoconfiança e o comportamento estão intimamente ligados.

Do ponto de vista da intervenção terapêutica, como exatamente a intervenção deve ser realizada? Quais devem ser as propriedades comuns e essenciais do procedimento de intervenção, mediação ou ensino? Considerando os procedimentos previamente expressos, recomenda-se o aprendizado indutivo2 e as comunicações indiretas (metáfora e hipnose ericksoniana)14,44. Evidências crescentes e convergentes de investigações neurocientíficas45,,46,,47,48,49,50,,51,52,53 mostram alguns mecanismos neurológicos da comunicação indireta.

No que diz respeito à aprendizagem indutiva, a ênfase está na solução da criança para a tarefa, não em ensaiar um procedimento verbal instruído por adulto. Tem como objetivo aprimorar as estratégias de processamento que fundamentam a tarefa, evitando o ensino direto de habilidades. O aprendizado indutivo bem-sucedido é uma experiência que proporciona um crescimento do autoconceito das habilidades pessoais, e assim um crescimento da autoconfiança. Em contrapartida, o ensino direto envolvendo mais do mesmo tipo de trabalho desliga o interesse e a motivação. A característica diferenciada aqui é a aquisição tácita e o uso de estratégias de processamento adequadas em contraste com a aprendizagem de instruções; esta é a abordagem indutiva e não dedutiva de aprendizagem de regras. A criança deve ver a insuficiência na velha abordagem ou estratégia e a necessidade de desenvolver uma nova estratégia.

Aqui, mostramos a base (lógica) da técnica Fundi's Adventures como uma ferramenta de terapia corretiva para aplicá-la no cenário clínico. Não há estudos anteriores publicados com este programa Fundi's Adventure. A principal vantagem desse procedimento é que ele não se baseia no relatório auto verbal. Em contrapartida, inúmeras técnicas alternativas baseiam-se na aprendizagem dedutora, comunicação direta e interpretação literal do relatório auto verbal.

No exemplo apresentado neste manuscrito, a intervenção de Aventura da Fundi foi realizada em pacientes com Transtorno Hiperativo do Déficit de Atenção (TDAH). O TDAH é uma disfunção comportamental em termos de comportamento desatento, hiperativo e impulsivo, que envolve uma tomada de decisão disfuncional12. Qualquer comportamento implica tomada de decisão. O TDAH é provavelmente causado por uma combinação de genética e experiência anterior. O objetivo geral deste protocolo é testar a hipótese sobre a eficácia de uma tarefa de decisão go/no-go (Fundi's Adventures) baseada tanto na aprendizagem indutiva quanto na comunicação indireta em uma amostra de crianças com TDAH. Foi relatado que as construções neuropsicológicas básicas da tarefa go/no-go estão preservadas na investigação emocional54.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Protocol

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

O protocolo segue as diretrizes do Comitê de Ética em Pesquisa Humana da Fundació Carme Vidal. O consentimento foi obtido.

1. Recrutamento dos sujeitos

NOTA: O recrutamento foi realizado de acordo com a literatura publicada anteriormente12.

  1. Recrute crianças com TDAH sem comorbidade. No presente estudo, foram recrutadas 66 crianças, com idade entre 13 e 15 anos, média de 13,89 anos com SD ± 0,8, 47 homens e 19 mulheres. Ter psicoterapeutas treinados (qualificados em psicologia) ou psiquiatras realizam o procedimento de recrutamento.
  2. Obter consentimento informado do paciente ou dos cuidadores.
  3. Pratique um histórico clínico criterioso. Conforme necessário, realize os seguintes estudos: exame cardiológico, potencial auditivo e visual relacionado a eventos, estudo da tireoide, sonografia, video-EEG, exploração otorrinolaringologia, exploração oftalmológica, descartar tanto medicação e comorbidade anteriores, bem como, quaisquer transtornos psiquiátricos infantis ou qualquer outra terapia em andamento. Use qualquer histórico médico pessoal registrado disponível.
  4. Peça a um neurologista pediátrico para confirmar o diagnóstico usando DSM-IV55 ou DSM-V56. Peça a um psiquiatra para descartar comorbidade.
  5. Complemente o diagnóstico usando outro critério útil como pai e professor classificados swanson, Nolan, e Pelham escala 18 (SNAP-IV-18) para sintomas de TDAH (Swanson, 1995)57 como usado neste protocolo.
    1. Use a escala comportamental de banda estreita, como snap-IV, que é mais específica para o diagnóstico de TDAH e muitas vezes se correlaciona com a definição em DSM-V. Neste estudo, todas as crianças atenderam aos critérios para tDAH combinado tipo na linha de base. Todas as 66 crianças obtiveram ≥ 2,5/1,8 (professor/pais) em SNAP-IV.
      NOTA: O SNAP-IV é composto por 18 itens e pode ser preenchido por pais e professores. Os itens são dúvidas sobre a frequência de ocorrência de uma série de características comportamentais. As respostas variam de zero (não ou nada), 1 (sim, um pouco), 2 (sim, bastante) a 3 (sim, muito). Uma pontuação total pode ser obtida adicionando os valores de todos os itens e dividindo por 18. O ponto de corte é diferente de acordo com a resposta dos pais (1,78) ou do professor (2,56).
  6. Realizar uma entrevista não estruturada de pais e professores focados em coletar (confirmação) dados sobre o comportamento mencionado no SNAP-IV para ter informações suficientes para fazer o diagnóstico.
    1. Use a entrevista não estruturada que é mais informal e aberta. Há uma grande probabilidade de que eles darão respostas 100% verdadeiras. No presente estudo, cada caso foi avaliado por dois pesquisadores cegos e foi necessário acordo inter-observador de 80%. A entrevista de diagnóstico do TDAH foi concluída presencialmente com o cuidador principal da criança por entrevistadores de pesquisa treinados.
  7. Use critérios de inclusão: TDAH combinado de acordo com DSM-IV55ou DSM-V56 e SNAP-IV-18 ou similar. Além disso, use os seguintes critérios de exclusão: quaisquer transtornos psiquiátricos infantis ou qualquer medicação prévia ou qualquer outra terapia.

2. Procedimento

  1. Avaliação cognitiva
    NOTA: Isso foi feito por meio da administração do teste CAS4, realizado conforme a literatura publicada anteriormente12.
    1. Meça a função cognitiva dos participantes aplicando o Sistema de Avaliação Cognitiva (CAS).
    2. Use uma bateria como o CAS que avalia o processamento de informações do PASS: planejamento, atenção, sucessivas e simultâneas.
    3. Registo a pontuação bruta para cada teste a ser transformado em uma pontuação padrão de acordo com as instruções manuais.
      NOTA: Para o processamento de quatro PASS, utilizou-se uma pontuação padrão com média normativa de 100 com um desvio padrão (SD) de 15. Para três subtestes em cada uma das quatro escalas, a média é de 10 e a SD é 3.
    4. Repita esta avaliação usando novamente a bateria CAS no mês 6 após a aplicação do programa "As Aventuras de Fundi".
    5. Compare os resultados entre a pontuação de cada processo cognitivo na linha de base e os escores de acompanhamento de 6 meses.
      NOTA: O acompanhamento de 6 meses, sem intervenção farmacológica, permite descartar o potencial "efeito prática" de dois testes psicológicos intimamente espaçados.
  2. Avaliação comportamental
    NOTA: Isso foi realizado administrando o SNAP-IV-18
    1. Administre o questionário SNAP-IV (Swanson, 1995)57 na linha de base, ou seja, valores contra os quais todas as performances serão comparadas. Depois da intervenção. Regisso recorde a remissão versus a resposta em cada caso. Calcule os percentuais de remissões e respostas em toda a amostra.
      NOTA: A remissão é definida como uma pontuação total média de 1 na maioria dos questionários padronizados. Pelo contrário, a resposta tem sido geralmente definida como amelioração em sintomas de pelo menos 25% com desaparecimento dos critérios de DSM-V defeituosos. Portanto, a remissão está associada à perda do estado diagnóstico e ao funcionamento ideal. A remissão é ótima, mas a resposta não tanto.
    2. Coloque em prática uma comunicação regular de acompanhamento com o cuidador da criança (pais e professores) para rever as preocupações do cuidador, avaliar o progresso e fornecer conselhos e apoio (por exemplo, chamadas telefônicas mensais).
  3. As Aventuras de Fundi - Go/No go task
    1. Mostre ao participante cinco vídeos curtos sobre como o cérebro aprende antes de começar o jogo de "As Aventuras de Fundi". Esses vídeos são chamados de "Fundi and the Brain". Nesses vídeos complementares, os quatro processos cognitivos descritos pela teoria DO PASS (planejamento, atenção, simultânea e sucessivas) são explicados por meio de uma metáfora.
      NOTA: Lembre-se, a comunicação metafórica indireta implica aprendizado indutivo e comunicação indireta que torna a remediação menos dolorosa ou mais agradável. Um conhecimento está sendo comunicado considerando o impacto emocional.
    2. Explique o objetivo do jogo de intervenção cognitiva "As Aventuras de Fundi" para o participante: "Busca treinar o cérebro para facilitar a aprendizagem acadêmica. Acima de tudo, busca a autorregulação do aluno apoiada pelo processo cognitivo de planejamento do PASS."
    3. Que o participante entre na página: http://www.fcarmevidal.com/aventures/ e clique no idioma para trabalhar.
    4. Forneça-lhes um nome de usuário e uma senha para que o participante possa iniciar a sessão (por exemplo, login: jove / senha: jove).
    5. Clique no primeiro país (1-Paris).
    6. Leia a tela e clique no botão Continuar. Execute esta etapa da mesma forma para cada uma das nove telas.
    7. Peça à criança para resolver a tarefa proposta. A primeira tarefa envolve clicar no rosto do garoto toda vez que ele aparece na tela.
    8. Leia os resultados da tela e clique em Continuar.
    9. Certifique-se de que o jogo fornece um código que a criança deve lembrar para inserir na próxima tela. Comece o jogo novamente desde o início se não se lembrar do código.
    10. Repita o passo 2.3.4, mas com o próximo país.
    11. Termine a sessão depois de cerca de 40 min.
    12. Informe a criança que ele terá que descobrir uma maneira de lembrar o código e o país em que a sessão terminou para continuar no dia seguinte.
    13. Faça uma sessão toda semana durante seis meses.
    14. Intervir fazendo uso da comunicação indireta. Se durante a sessão, o participante cometer um erro, o jogo em si indicará que deve repetir a tarefa. O mais importante é que na segunda tentativa, o participante resolva a tarefa corretamente. Um exemplo é apresentado abaixo.
      1. Se a criança comete um erro, e ele não resolve uma tarefa, diga: "Oh! O que aconteceu? Você sabe? Deixe a criança responder se ele responder.
      2. Então continue: "Acho que fomos enganados. Isso acontece. Talvez nossa mão tenha sido mais rápida que nosso cérebro." Observe a linguagem corporal da criança.
      3. Se a criança acenar, sugiro que tentem novamente, mas usando um sinal de pare. Este sinal pode ser apresentado visualmente ou pode ser apresentado como uma pista (por exemplo, levantando a palma da mão).
        NOTA: As técnicas utilizadas na comunicação indireta incluem metáforas, frases introdutórias, saturação de canais de informação, perguntas indiretas, frases hipotéticas, termos ambíguos, silêncio, dissociação, paradoxo, falsas opções alternativas, expressão melodramática ou confusão, prescrição do sintoma e amnésia pós-transe.
    15. Se o terapeuta observar que a criança repete o erro e está bloqueada, use alguma metáfora (hipnose ericksoniana) para mudar a crença que está bloqueando o participante. Um exemplo é apresentado abaixo.
      1. Se a crença de bloqueio é "Eu não sou capaz de fazer essa tarefa", use uma receita de ritmo como: "Talvez, neste momento, nos sentimos mal porque sabemos que falhamos, mas olha, eu vou explicar para você uma história muito interessante, você concorda?"
      2. Se a criança acena, narrar uma história para motivá-las. Agora, peça para repetirem a tarefa.
    16. Intervir através da comunicação indireta se a criança resolver a tarefa usando uma estratégia inadequada e que não a modifica sem ajuda. Se a metáfora pode permitir que o participante veja outras alternativas ou outras estratégias, permita-lhes resolver a tarefa com sucesso.
    17. Use aprendizado indutivo e comunicação indireta durante todo o procedimento. O efeito do procedimento reside na comunicação do conhecimento (mensagens) sem transmitir dor ou desconforto, consciente ou inconscientemente. Isso requer a interpretação da linguagem corporal e da linguagem verbal como um transmissor do sentimento. O relatório auto-verbal não é confiável. Essa experiência aumenta a autoconfiança.
      NOTA: Tanto a comunicação indireta (o que é) quanto sua lógica são explicadas na seção de discussão.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Representative Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Foi desenhado um estudo random, prospectivo, longitudinal, descontrolado e analítico (antes – depois). Recrutamos 66 crianças com TDAH combinados farmacologicamente não tratadas de acordo com os critérios do DSM-V, com idade entre 13 e 15 anos, com média de 13,89 anos com DP ± 0,8 (47 homens e 19 mulheres). Eles também atenderam aos critérios de TDAH de acordo com snap-iv-18. A análise estatística foi realizada utilizando-se um teste t-test e estatísticas de tamanho de efeito (δ de Cohen) foram aplicadas.

Todas as 66 crianças do estudo obtiveram pontuação total ≥ 1,8/2,6 (pais/professores) em SNAP-IV. Para obter a pontuação de desatenção, as pontuações das nove primeiras perguntas foram somadas e divididas por 9. O ponto de corte da escala de desatenção dos pais foi de 1,44 e o ponto de corte da escala do professor foi de 1,78. Todas as 66 crianças deste estudo obtiveram ≥ 1,6/2,0 (pais/professores) no escore de desatenção. Para obter o escore de hiperatividade/impulsividade, os escores das últimas nove questões foram somados e divididos por 9. O ponto de corte da escala de hiperatividade/impulsividade dos pais foi de 1,67 e o ponto de corte da escala de hiperatividade/impulsividade do professor foi de 2,0. Todas as 66 crianças do estudo obtiveram ≥ 1,8/2,6 (pais/professores) no escore de hiperatividade/impulsividade .

No que se refere à avaliação do CAS, foram realizados testes simultâneos por meio da apresentação de matrizes não verbais, relações verbal-espaciais e memória de figuras. Os sucessivos testes foram realizados por meio da apresentação de séries de palavras, repetição de sentenças, questão de sentença (de 8 a 17 anos) e taxa de fala sucessiva (de 5 a 7 anos). Os testes de planejamento foram realizados por números correspondentes, códigos planejados e conexões planejadas. Os testes de atenção foram realizados verificando atenção expressiva, detecção de números e atenção receptiva. Estes quatro testes foram realizados em ordem aleatória para todos os participantes.

Informações de confiabilidade e validade extensas podem ser acessadas através de manual interpretativo. A confiabilidade da Escala Completa é de 0,96 com as capacidades de escala PASS variando de 0,83 a 0,93. Foram realizados estudos internos de consistência e reteste de confiabilidade. Os folhetos são destinados a respostas de papel e lápis.

A Tabela 1 mostra que nos processos DO PASS, tanto o planejamento (p= 0,000, δ = 2,32) de Cohen quanto a atenção (p = 0,000, δ = 1,64) de Cohen foram amenizados em um nível estatisticamente significativo após intervenção ao longo de 6 meses com um grande efeito de diferença com planejamento e não atenção. Por outro lado, após intervenção ao longo de 6 meses, a remissão foi alcançada em 70% dos sujeitos (por exemplo, 70% dos sujeitos obtiveram perda de critérios de TDAH diagnóstico). Os outros 30% dos sujeitos obtiveram um critério de resposta, uma redução das manifestações de mau funcionamento de pelo menos 25%.

Processamento Média Sd t* P Cohen é d**
Planejamento antes da remediação 77.76 6.06 -18.89 0.000
Planejamento após remediação 80.3 7.43 2.32
Simultâneo antes da remediação 101.48 7.77 -1.89 0.064
Simultâneo após a remediação 102.39 7.9 0.23
Atenção antes da remediação 80.26 6.04 -13.31 0.000
Atenção após a remediação 91.14 7.01 1.64
Sucessivos antes da remediação 86.21 13.22 -0.475 0.636
Sucessiva após a remediação 86.35 12.78 0.06
*Teste T de amostras emparelhadas
O tamanho do efeito de Cohen. trivial ( < 0.1), pequeno (0.1– 0.3), moderado (0.3 – 0.5), efeito de grande diferença (> 0,5)

Tabela 1: Comparação do processamento do PASS antes e depois da remediação. (A) foram aplicadas amostras emparelhadas com t-Student para comprovar significância (p < 0,05). Os processos de planejamento e atenção amenizam significativamente. (B) O Efeito tamanho de Cohen confirma um grande efeito de diferença tanto no planejamento quanto nos processos de atenção.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Discussion

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Como esperado, o treinamento, Adventures of Fundi, foi útil para intervir na disfunção comportamental do TDAH com base tanto no processamento cognitivo do PASS quanto no processamento emocional de autoconfiança. O sucesso é em termos de melhor processamento cognitivo e melhor comportamento. O melhor processamento cognitivo está principalmente no planejamento e não tanto na atenção (Tabela 1). O planejamento do PASS e a atenção seletiva se juntam à função executiva. É sabido que uma melhor função executiva está associada a um melhor comportamento, portanto, podemos esperar um melhor comportamento em uma amostra de TDAH. O procedimento corretivo envolve aprendizagem indutiva e uma técnica de comunicação emocional que promove a autoconfiança que pode, pelo menos em parte, explicar os resultados. A eficácia da aprendizagem indutiva tem sido previamente e suficientemente demonstrada2,,6,8.

Por outro lado, os humores, mesmo os positivos, interferem nas tarefas cognitivas centrais (memorizar materiais complexos, detectar contradições em textos, etc.). Os argumentos devem ser focados em descobrir como a melhoria da autoconfiança acontece. A autoconfiança é o resultado de subtrair experiências seguras de experiências inseguras e não confiantes ao longo da vida. As experiências seguras ao longo da vida determinam a confiança. A melhoria da função executiva e da aprendizagem indutiva proporcionam uma experiência segura e confiante, mas o ponto mais inovador é que a metáfora de comunicação indireta ericksoniana é uma ferramenta poderosa para gerar autoconfiança, comunicando o bem-estar inconscientemente16,17,,18,,19,,20,21 em vez de conscientemente. Grande parte do comportamento consiste precisamente no funcionamento automático. A autoconfiança é o ponto chave para melhorar a cognição (e o aprendizado) e a emoção e, consequentemente, o comportamento. Portanto, podemos esperar um melhor comportamento de TDAH.

Estamos desenvolvendo uma lógica para apoiar a eficácia dessa técnica como procedimento de promoção da autoconfiança. Evidências de apoio estão sendo relatadas para medir a emoção (bem-estar e desconforto) objetivamente, em termos de mudanças comportamentais e fisiológicas. Não só a resposta emocional pode ser objetivamente estudada, como linguagem corporal, expressões faciais, tom de voz, etc., mas também respostas psicofisiológicas também podem ser estudadas como, condutância cutânea, frequência cardíaca, e assim por diante58. O papel da linguagem corporal na expressão do processamento inconsciente e da decisão implícita (inconsciente) bem descrita nas literaturas publicadas anteriormente7,44.

Muitas expressões corporais nos dizem sobre cognição e emoção. Por exemplo, olhos para baixo e para a esquerda ou para a direita mostram sensações corporais; nível dos olhos e para a esquerda ou para a direita mostram processamento sucessivo; olhos para cima e para a esquerda ou para a direita mostram processamento simultâneo, etc. Outros exemplos de expressões corporais informativas são os seguintes: ombros relaxados e caídos e respirando profundamente na área abdominal (como na respiração do diafragma) retrata tranquilidade e relaxamento. Em contraste, testa enrugada e/ou mandíbula e/ou ombros jogados para trás e/ou respiração rasa no peito e/ou um sorriso fixo mostram tensão e concentração entre outras expressões: postura incomum, corpo rígido, balançando para frente e para trás ou de um lado para o outro, inclinando-se para um lado, viradas de cabeça, expressão facial (boca e sobrancelhas), olhar assustado, grande sorriso no rosto, contato visual, bocejo, movimentos específicos das mãos, palavras ou frases específicas, qualidade da voz e tom, tempo (rítmico, agitado), volume, tom, inflexão, velocidade, e assim por diante.

Essa técnica baseia-se no processamento cognitivo e emocional inconsciente para diagnóstico e tratamento. Em contraste, quase toda psicologia cognitiva e remediação baseia-se no auto-relato do que eles percebem, pensam, lembram e sentem. Ou seja, eles parecem confiar em auto-relatos do que os sujeitos relatam. Dessa forma, a emoção é vista como um produto da construção cognitiva de tal forma que os fatores que diferenciam as emoções são as atribuições cognitivas que as pessoas fazem sobre suas emoções.

Na última década, estudos de neurociência reafirmaram a mente inconsciente. Esta técnica é baseada na mente inconsciente para diagnóstico e tratamento cognitivo e emocional. Por exemplo, as pessoas podem reconhecer uma imagem que já viram antes mesmo quando não sabiam tê-la visto21. Cerca de 40 ms é o tempo que leva para formar uma opinião de um estranho, que é um tempo menor do que um piscar de olhos. No entanto, é tempo suficiente para observar o que a linguagem facial e corporal do sujeito está fazendo de tal forma que o cérebro-mente possa interpretá-lo inconscientemente se suas características faciais e linguagem corporal inspirar confiança ou perigo36.

Um passo adiante é focar em usos cognitivamente insalubres do raciocínio. Baseamos decisões sobre a disponibilidade de razões justificativas42,43. O raciocínio consciente é aplicado para racionalizar mais do que qualquer outra coisa59. Esse processo é apoiado por estudos de neuroimagem. Um delesde 23 anos conclui que o cérebro pode trapacear ao aprender ou se comportar, construindo respostas memorizadas para responder a perguntas semelhantes. Pensamentos e impulsos simplesmente surgem na consciência sem vontade ou intenção. Ou seja, não somos, em nenhum sentido relevante, os autores conscientes de nossas vidas mentais, nem as ações que fluem deles. Portanto, o relatório auto-verbal é questionável. Outro exemplo, a estratégia verbalmente relatada para realizar uma tarefa pode não ser a que a criança usou, de acordo com os movimentos oculares observáveis da criança1,,6,,7,,8,,14,,15. Da mesma forma, um auto-relato verbal de visão positiva (excesso de confiança) de si mesmo não é necessariamente um indicador confiável de autoconfiança; pelo contrário, poderia ser o oposto7,14,15. Os seres humanos razãom um pouco mal, como relatado por Mercier e Sperber (2011)43, vieses irracionais na tomada de decisões37,39,40. Trata-se de inferência intuitiva-inconsciente42,43. Isso contrasta com a visão clássica de que o raciocínio pró e contra é a maneira mais confiável de chegar às decisões sólidas17,18,19,40,58,,59.

Seguindo Kahneman37,39,40,60,61, temos um sistema de duplo processo de tomada de decisão: automático ligado à emoção (reação intestinal) e deliberativo ligado ao cálculo racional. No entanto, após Greene62,63, "a resposta à passarela tem uma carga emocional que está faltando na resposta supostamente mais racional para a troca". Estudos de imagem cerebral ligam o córtex pré-frontal emocional ventromedial com a decisão de "passarela", enquanto a resposta "tipo de interruptor" está ligada ao córtex pré-frontal dorsolateral cognitivo-racional. Por outro lado, estudos de lesão do córtex pré-frontal ventromedial mostram que essa lesão predispõe a aprovação de empurrar o gordo para fora da ponte. Os estudos de LeDoux13 mostraram que a amígdala temporal responde ao perigo antes do córtex (cérebro pensante). Mais importante, a resposta do córtex não modificou a resposta anterior da amígdala. Este fato é totalmente consistente com o córtex pensante, colocando em ação pensamentos que justificam a resposta ao perigo (viés cognitivo).

Para ir um passo adiante, devemos elaborar sobre o processamento inconsciente antecipatório. Esse processamento (inconsciente antes do processamento consciente da decisão) tem sido estudado, não apenas, no campo da neurociência22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35. Estudos cerebrais sobre o período pré-decisão22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35 encontraram atividade neural representando a próxima escolha. Assim que noticiou (2013)31, uma decisão pode ser codificada na atividade cerebral do córtex pré-frontal e parietal até 10 s antes de entrar em conscientização.

Como relatado anteriormente para aplicações práticas7, técnicas que são utilizadas nesse tipo de comunicação incluem o uso de metáforas, perguntas indiretas, frases hipotéticas, frases introdutórias, termos ambíguos, saturação de canais de informação, expressão melodramática ou confusão, amnésia pós-transe, silêncio, dissociação, paradoxo, falsas opções alternativas e prescrição do sintoma. Essas técnicas comunicativas envolvem uma focalização de extrema atenção (estado de transe) sobre o que está sendo dito e feito pelo terapeuta. A atenção não pode ser focada em outros pensamentos associados ao mau sentimento devido ao conhecido período de atenção limitada. Tudo isso acontece inconscientemente.

Em particular64, a metáfora é um método indireto de comunicação verbal e não verbal e é a base da hipnose ericksoniana44,65. Este método de comunicação é um procedimento comprovado educacional e psicoterapêutico45,46,47,48,49,50,51,52,53. A metáfora envolve um efeito cognitivo ao transmitir uma ideia - pensamento (mensagem), mas também, e mais importante, produz um efeito analgésico-reconfortante por causa de um trabalho de distração ligado à atenção focada, levando em conta que o período de atenção é limitado. Em outras palavras, uma atenção altamente focada em obter o significado da metáfora em ação (efeito hipnose ericksoniana) restringe outros processamentos cognitivos (pensamentos) e o sentimento doloroso memorizado associado (desconforto). Causa um efeito analgésico. Este efeito analgésico é a chave para evitar resistência à comunicação. Se assim for, a comunicação interpessoal requer que esse princípio seja mais eficaz. Por outro lado, há evidências de que a metáfora usa uma comunicação baseada mais em conhecimento tangível-concreto do que conhecimento abstrato, o que torna a mensagem (conhecimento) mais facilmente processada e muito transferida.

Em contraste, a maioria dos procedimentos para intervir baseia-se no ganho consciente do controle do pensamento e da ação, mas devemos assumir que as emoções implícitas estão menos sujeitas à auto-regulação consciente. O objetivo é ajudar as pessoas a aprender a lidar com situações emocionais ameaçadoras e debilitantes, assumindo que se pode fortalecer a força de vontade com a prática. Isso não só parece muito simplista, como se afasta do problema central do autocontrole: o que está controlando o quê? A consequência disso é dar à psicologia cognitiva uma compreensão mais completa e rica de como a mente opera. Isso inevitavelmente terá algumas implicações para o trabalho clínico sobre a aprendizagem e distúrbios comportamentais e TDAH em particular. A única maneira de fazer isso é fazer com que os médicos colaborem com psicólogos experimentais para produzir estudos clínicos metodologicamente adequados.

Em conclusão, as Aventuras de Fundi foram capazes de melhorar o planejamento e a atenção do processamento cognitivo do PASS e também alcançaram a remissão66 em manifestações de TDAH. Esse resultado deve ser atribuído à administração de todo o procedimento. Ocorreu usando aprendizado indutivo e comunicação indireta (hipnose ericksoniana metafórica). Tendo em conta que o principal efeito da comunicação indireta é uma comunicação emocional eficaz empática (efeito sensível sobre a autoconfiança), devemos deduzir que outros fatores, não cognitivos, devem ser levados em conta para maximizar o benefício da remediação cognitiva e comportamental. Da mesma forma, devemos resumir que o passo crítico dentro do protocolo é a comunicação indireta, a técnica não tem limitações significativas e suas aplicações futuras são qualquer disfunção ligada à disfunção executiva.

Algumas limitações merecem ser destacadas. Mais pesquisas são necessárias — em níveis comportamentais, cognitivos e fisiológicos — para delinear os componentes do comportamento direcionado ao objetivo. A presença do efeito nem sempre dá suporte para o modelo. Ainda é necessário verificar se os resultados individuais se sustentam. O ponto empírico está agora bem estabelecido. Alertamos que as evidências para esta proposição são consistentes e, de alguma forma, convincentes, mas talvez inadequadamente apoiadas pela pesquisa até agora.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Os autores não têm nada a revelar.

Acknowledgments

Estamos em dívida com todo o pessoal do Fundació Carme Vidal NeuroPsicopedagogia, das crianças e de seus pais por sua inestimável colaboração na pesquisa aqui apresentada. Além disso, para todos os profissionais que contribuíram para este estudo de alguma forma, como análise estatística, assistência computacional, sugestões, comentários e incentivo, em geral para Joan Timoneda. Um agradecimento especial vai para nossos companheiros de equipe, Jordi Baus, Jordi Hernández, Oscar Mateu, Anna Orri e Martí Ribas.

Materials

Name Company Catalog Number Comments
The Adventures of Fundi Fundació Carme Vidal Xifre de Neuropsicopedagogia --- The "Adventures of Fundi" has been designed with the objective of helping to improve the concentration, attention and control of impulsivity for Secondary Education students and it is also possible to apply it to Students in the last cycle of Primary Education. To execute the "Adventures of Fundi" a browser with internet conection is required.
Computer with internet connection and browser --- --- Mozilla, Firefox, Chrome or Safari

DOWNLOAD MATERIALS LIST

References

  1. Das, J. P., Naglieri, J. A., Kirby, J. R. Assessment of cognitive processes. The PASS theory of intelligence. Allyn & Bacon Inc. MA. (1994).
  2. Das, J. P. Neurocognitive approach to remediation: The PREP model. Canadian Journal of School Psychology. 9, (2), 157-173 (1994).
  3. Das, J. P., Kar, R., Parrila, R. K. Cognitive planning. The psychological basis of intelligent behavior. Sage Publications Ltd. London. (1996).
  4. Naglieri, J. A., Das, J. P. Cognitive Assessment System. Riverside Publishing. Illinois. (1997).
  5. Perez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C., Baus, J. Topiramate and childhood epilepsy in the light of both Das-Naglieri Cognitive Assessment System and behavioral tests. Epilepsia. 43, Sup. 8 187 (2006).
  6. Mayoral-Rodriguez, S., Timoneda-Gallart, C., Perez-Alvarez, F., Das, J. P. Improving cognitive processes in preschool children: the COGEST program. European Early Childhood Education Research Journal. 23, (2), 150-163 (2015).
  7. Perez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C. Intelligent behavior and neuroscience: What we know-and don't know-about how we think. Cognition, Intelligence, and Achievement: A Tribute to J. P. Das. Papadopoulos, T. C., Parrila, R. K., Kirby, J. R. Elsevier Inc. NY. 419-442 (2015).
  8. Mayoral-Rodríguez, S., Timoneda-Gallart, C., Pérez-Álvarez, F. Effectiveness of experiential learning in improving cognitive Planning and its impact on problem solving and mathematics performance / Eficacia del aprendizaje experiencial para mejorar la Planificación cognitiva y su repercusión en la resolución de problemas y el rendimiento matemático. Cultura y Educación. 30, (8), 308-337 (2018).
  9. Perez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C., Mayoral-Rodríguez, S. Performance of 2146 Children Ages 5 to 15 with Learning and Behavioral Dysfunction on the Das Naglieri Cognitive Assessment System. Neuroquantology. 17, (01), 59-71 (2019).
  10. Perez-Alvarez, F., Fàbregas, M., Timoneda, C. Procesamiento cognitivo, fonémico o temporal. Neurología. 24, (1), 40-44 (2009).
  11. Pérez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C. La disfunción cognitiva PASS en el defecto de atención. Revista de Neurología. 32, 30-37 (2001).
  12. Perez-Alvarez, F., Serra-Amaya, C., Timoneda-Gallart, C. Cognitive versus behavioral ADHD phenotype: what is it all about. Neuropediatrics. 40, (1), 32-38 (2009).
  13. LeDoux, J. E. Emotional brain. Simon Schuster. New York. (1996).
  14. Pérez-Álvarez, F., Timoneda, C. A Better Look at Intelligent Behavior. Nova Science Publishers Inc. Hauppauge, NY. (2007).
  15. Perez-Alvarez, F., Perez-Serra, A., Timoneda-Gallart, C. A better look at learning: how does the brain express the mind. Psychology. 4, (10), 760-770 (2013).
  16. Dijksterhuis, A. Think different: The merits of unconscious thought in preference development and decision making. Journal of Personality and Social Psychology. 87, (5), 586-598 (2004).
  17. Dijksterhuis, A., Bos, M. W., Nordgren, L. F., van Baaren, R. B. Complex choices better made unconsciously. Science. 313, 760-761 (2006).
  18. Dijksterhuis, A., Bos, M. W., Nordgren, L. F., van Baaren, R. B. On making the right choice: The deliberation-without-attention effect. Science. 311, 1005-1007 (2006).
  19. Dijksterhuis, A., van Olden, Z. On the benefits of thinking unconsciously: Unconscious thought can increase post-choice satisfaction. Journal of Experimental Social Psychology. 42, (5), 627-631 (2006).
  20. Dijksterhuis, A., Bos, M. W., vander Leij, A., van Baaren, R. B. Predicting soccer matches after unconscious and conscious thought as a function of expertise. Psychological Science. 20, (11), 1381-1387 (2009).
  21. Voss, J. L., Paller, K. A. An electrophysiological signature of unconscious recognition memory. Nature Neuroscience. 12, (3), 349-355 (2009).
  22. Libet, B. Unconscious cerebral initiative and the role of conscious will in voluntary action. Behavioral Brain Science. 8, 529-539 (1985).
  23. Dobbins, I. G., Schnyer, D. M., Verfaellie, M., Schacter, D. L. Cortical activity reductions during repetition priming can result from rapid response learning. Nature. 428, 316-319 (2004).
  24. Guyton, A. C., Hall, J. E. Textbook of Medical Physiology. Cerebral Cortex. Intellectual Functions of the Brain, Learning and Memory. 11th ed. Elsevier Inc. Philadelphia. 704-706 (2006).
  25. Gazzaniga, M. My Brain Made Me Do It. Defining Right and Wrong, in Brain Science. Glannon, W. Dana Press. New York, Washington, D.C. (2007).
  26. Gelbard-Sagiv, H., Mukamel, R., Harel, M., Malach, R., Fried, I. Internally generated reactivation of single neurons in human hippocampus during free recall. Science. 322, (5898), 96-101 (2008).
  27. Soon, C. S., Brass, M., Heinze, H. J., Haynes, J. D. Unconscious determinants of free decisions in the human brain. Nature Neuroscience. 11, 543-545 (2008).
  28. Fried, I., Mukamel, R., Kreiman, G. Internally generated preactivation of single neurons in human medial frontal cortex predicts volition. Neuron. 69, (3), 548-562 (2011).
  29. Bode, S., et al. Tracking the unconscious generation of free decisions using ultra-high field fMRI. PLoS One. 6, 21612 (2011).
  30. Leotti, L. A., Delgado, M. R. The inherent reward of choice. Psychological Science. 22, 1310-1318 (2011).
  31. Soon, C. S., He, A. H., Bode, S., Haynes, J. D. Predicting free choices for abstract intentions. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 110, 6217-6222 (2013).
  32. Dikker, S., Silbert, L. J., Hasson, U., Zevin, J. D. On the same wavelength: predictable language enhances speaker-listener brain-to-brain synchrony in posterior superior temporal gyrus. Journal of Neuroscience. 34, (18), 6267-6272 (2014).
  33. Burke, J. F., et al. Theta and high-frequency activity mark spontaneous recall of episodic memories. Journal of Neuroscience. 34, (34), 11355-11365 (2014).
  34. Rens, N., Bode, S., Burianová, H., Cunnington, R. Proactive Recruitment of Frontoparietal and Salience Networks for Voluntary Decisions. Frontiers in Human Neuroscience. 11, 610 (2017).
  35. Voigt, K., Murawski, C., Speer, S., Bode, S. Hard decisions shape the neural coding of preferences. Journal of Neuroscience. 39, (4), 718-726 (2019).
  36. Olivola, C. Y., Funk, F., Todorov, A. Social attributions from faces bias human choices. Trends in Cognitive Science. 18, (11), 566-570 (2014).
  37. Kahneman, D., Slovic, P., Tversky, A. Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Cambridge University Press. Cambridge. (1982).
  38. Bechara, A., Tranel, D., Damasio, H. Characterization of the decision-making effect of patients with ventromedial prefrontal cortex lesions. Brain. 123, 2189-2202 (2000).
  39. Kahneman, D., Frederick, S. Representativeness revisited: Attribute substitution in intuitive judgement. Heuristics and biases: The psychology of intuitive judgment. Gilovich, T., Griffin, D., Kahneman, D. Cambridge University Press. Cambridge. 49-81 (2002).
  40. Kahneman, D. A perspective on judgment and choice: Mapping bounded rationality. American Psychologist. 58, (9), 697-720 (2003).
  41. Perez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C. Mecanismos cerebrales implicados en la toma de decisiones: De qué estamos hablando. Revista de Neurologia. 44, (5), 320 (2007).
  42. Mercier, H., Sperber, D. Intuitive and reflective inferences. In two minds: Dual processes and beyond. Evans, J. S. B. T., Frankish, K. Oxford University Press. Oxford. 149-170 (2009).
  43. Mercier, H., Sperber, D. Why do humans reason? Arguments for an argumentative theory. Behavioral and Brain Sciences. 34, 57-111 (2011).
  44. Erickson, M. H., Rossi, E. Experiencing hypnosis: Therapeutic approaches to altered states. Irvington. New York. (1981).
  45. Bantick, S. J., et al. Imaging how attention modulates pain in humans using functional MRI. Brain. 125, 310-319 (2002).
  46. Just, M. A., Keller, T. A., Cynkar, J. A decrease in brain activation associated with driving when listening to someone speak. Brain Research. 1205, 70-80 (2008).
  47. McGeowna, W. J., Mazzonia, G., Venneri, A., Kirscha, I. Hypnotic induction decreases anterior default mode activity. Consciousness and Cognition. 18, 848-855 (2009).
  48. Vanhaudenhuyse, A., et al. Pain and nonpain processing during hypnosis: a thulium-YAG event-related fMRI study. Neuroimage. 47, (3), 1047-1054 (2009).
  49. Tanga, Y. -Y., et al. Short-term meditation induces white matter changes in the anterior cingulate. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 107, (35), 15649-15652 (2010).
  50. Lazarus, J. E., Klein, S. K. Nonpharmacological treatment of tics in Tourette syndrome adding videotape training to self-hypnosis. Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics. 31, (6), 498-504 (2010).
  51. Hölzelab, B. K., et al. Mindfulness practice leads to increases in regional brain gray matter density. Psychiatry Research. 191, (1), 36-43 (2011).
  52. Sprenger, C., et al. Attention modulates spinal cord responses to pain. Current Biology. 22, (11), 1019-1022 (2012).
  53. Lacey, S., Stilla, R., Sathian, K. Metaphorically feelings: comprehending textural metaphors activates somatosensory cortex. Brain and Language. 120, (3), 416-421 (2012).
  54. Schulz, K. P., et al. Does the emotional go/no-go task really measure behavioral inhibition? Convergence with measures on a non-emotional analog. Archives of Clinical Neuropsychology. 22, (2), 151-160 (2007).
  55. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders, 4th edition, text revision (DSM-IV-TR). American Psychiatric Association. Washintong, DC. (2000).
  56. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders, 5th edition (DSM-V). American Psychiatric Association. Washintong, DC. (2013).
  57. Swanson, J. The SNAP-IV Rating Scale. Child Development Center. UC Irvine URL: http://www.adhd.net (1995).
  58. Serra-Sala, M., Timoneda-Gallart, C., Pérez-Álvarez, F. Clinical usefulness of hemoencephalography beyond the neurofeedback. Neuropsychiatric Disease and Treatment. 12, 1173-1180 (2016).
  59. Evans, J. S. B. T., Wason, P. C. Rationalisation in a reasoning task. British Journal of Psychology. 63, 205-212 (1976).
  60. Gladwell, M. Blink: The power of thinking without thinking. Little, Brown. Boston, Massachusetts. (2005).
  61. Stanovich, K. E. Rationality and the reflective mind. Oxford University Press. Oxford. (2010).
  62. Greene, J. D., Sommerville, R. B., Nystrom, L. E., Darley, J. M., Cohen, J. D. An fMRI investigation of emotional engagement in moral judgment. Science. 293, 2105-2108 (2001).
  63. Greene, J. D., Nystrom, L. E., Engell, A. D., Darley, J. M., Cohen, J. D. The neural bases of cognitive conflict and control in moral judgement. Neuron. 44, 389400 (2004).
  64. Perez-Alvarez, F., Timoneda-Gallart, C. El poder de la metáfora en la comunicación humana: ¿qué hay de cierto? La metáfora en la teoría y la práctica. Perspectiva en neurociencia. International Journal of Developmental and Educational Psychology INFAD Revista de Psicología. 6, (1), 493-500 (2014).
  65. Grinder, J., DeLozier, J., Bandler, R. Patterns of the hypnotic techniques of Milton H. Erickson. 2, Meta Publications. Cupertino, CA. (1978).
  66. Steele, M., Jensen, P. S., Quinn, D. M. P. Remission versus response as the goal of therapy in ADHD: A new standard for the field. Clinical Therapeutics. 28, 1892-1908 (2006).
As Aventuras da Intervenção Fundi Baseada no Processamento Cognitivo e Emocional em Pacientes com Transtorno Hiperativo do Déficit de Atenção
Play Video
PDF DOI DOWNLOAD MATERIALS LIST

Cite this Article

Mayoral-Rodríguez, S., Pérez-Álvarez, F., Timoneda-Gallart, C., Muñoz-Cuatrecasas, A. The Adventures of Fundi Intervention Based on the Cognitive and Emotional Processing in Attention Deficit Hyperactive Disorder Patients. J. Vis. Exp. (160), e60187, doi:10.3791/60187 (2020).More

Mayoral-Rodríguez, S., Pérez-Álvarez, F., Timoneda-Gallart, C., Muñoz-Cuatrecasas, A. The Adventures of Fundi Intervention Based on the Cognitive and Emotional Processing in Attention Deficit Hyperactive Disorder Patients. J. Vis. Exp. (160), e60187, doi:10.3791/60187 (2020).

Less
Copy Citation Download Citation Reprints and Permissions
View Video

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter