Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

 
Click here for the English version

Efeito fotoelétrico

Overview

Fonte: Yong P. Chen, PhD, Departamento de Física && Astronomia, Faculdade de Ciências, Universidade purdue, West Lafayette, IN

O efeito fotoelétrico refere-se à emissão de elétrons de um metal quando a luz está brilhando sobre ele. Para que os elétrons sejam libertados do metal, a frequência da luz precisa ser suficientemente alta para que os fótons na luz tenham energia suficiente. Essa energia é proporcional à frequência de luz. O efeito fotoelétrico forneceu a evidência experimental para o quântico de luz que é conhecido como fóton.

Este experimento demonstrará o efeito fotoelétrico usando um metal de zinco carregado sujeito a uma luz de lâmpada regular, ou luz ultravioleta (UV) com maior frequência e energia de fótons. A placa de zinco será conectada a um eletroscópio, um instrumento que pode ler a presença e a quantidade relativa de cargas. O experimento demonstrará que a luz UV, mas não a lâmpada regular, pode descarregar o zinco carregado negativamente ejetando seus elétrons em excesso. Nenhuma fonte de luz, no entanto, pode descarregar zinco carregado positivamente, consistente com o fato de que elétrons que são emitidos em efeito fotoelétrico.

Principles

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Um metal contém muitos elétrons móveis. É relativamente fácil excitar esses elétrons, e se eles estão animados com energia suficiente, eles podem deixar o metal. Quando tal excitação é feita com luz, os elétrons ejetados são conhecidos como fotoelétrons e esse efeito é conhecido como efeito fotoelétrico. Observou-se que, para que isso aconteça, a frequência (f) da luz deve exceder algum limiar mínimo (f0), ou equivalentemente, o comprimento de onda de luz (λ), que está relacionado com a frequência f por:

Equation 1

(com c ≈ 3x108 m/s sendo a velocidade da luz) precisa estar abaixo de algum limiar (λ0), ou seja, f > f0 (λ < λλ 0). Caso contrário, se f < f0 (λ > λλ 0), nenhum fotoeletrão emitido mesmo com intensa iluminação de luz.

Albert Einstein foi capaz de explicar essas observações usando o conceito de fótons, a quanta da luz. A luz consiste em muitos desses fótons semelhantes a partículas, e cada fóton tem energia:

Equation 2

com h ≈ 6.63x10-34 Js, chamado de constante de Planck, que relaciona a frequência de luz à energia de fótons.

O processo microscópico do efeito fotoelétrico é que um fóton individual é absorvido pelo metal e sua energia é usada para excitar um elétron. O elétron será emitido do metal se a energia do fóton,

Equation 3

onde W é conhecido como a "função de trabalho" e representa a energia mínima necessária para libertar o elétron do metal. Se

Equation 4

mesmo que a luz seja intensa (o que significa que contém um grande número de fótons) e mesmo que a luz esteja acesa por muito tempo, nenhum fotoeletrônio será produzido, uma vez que os fótons individuais não têm energia suficiente para liberar elétrons.

A explicação de Einstein sobre o efeito fotoelétrico foi historicamente significativa, pois forneceu suporte fundamental para a teoria dos fótons (quanta de luz), que mostra que a luz pode se comportar como partículas, além de ondas eletromagnéticas, e possuir a natureza dupla de ondas de partículas.

Por exemplo, o metal de zinco (Zn) a ser usado neste experimento tem uma função de trabalho de W ≈ 4.3 eV (com 1 eV ≈ 1.6x10-19 J). Isso significa que a frequência limiar para o efeito fotoelétrico para Zn será:

Equation 5

correspondente a um comprimento de onda limiar,

Equation 6

Para produzir fotoeletrons a partir de Zn, a luz deve ter uma frequência superior a f0 ≈ 1015 Hz, ou um comprimento de onda abaixo de λ0 ≈ 300 nm. Tal comprimento de onda curto corresponde ao UV (já que a luz visível tem um comprimento de onda superior a ~ 400 nm, que corresponde à cor violeta).

Uma vez que um elétron carrega uma carga negativa, o efeito fotoelétrico removerá cargas negativas de um metal (efetivamente adicionando cargas positivas a ele). Se o metal estiver originalmente carregado negativamente, isso o tornará menos carregado. Se o metal estiver originalmente carregado positivamente, isso o tornará mais carregado. Tais efeitos serão estudados neste experimento.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

1. Obtenha os componentes necessários para este experimento

  1. Obtenha um eletroscópio(Figura 1),que é um dispositivo que monitora a carga na placa metálica conectada ao eletroscópio. Devido à força de repulsão de coulomb entre as cargas, a agulha dentro do eletroscópio desviará mais (ou menos) se houver mais (ou menos) cargas na placa, e não se moverá se não houver cargas.
  2. Obtenha uma placa de metal de zinco. Use lixa para polir sua superfície (isso remove o óxido de zinco na superfície metálica e torna mais fácil perder elétrons através do efeito fotoelétrico).
  3. Coloque a placa de zinco sobre e em contato direto com a parte superior do eletroscópio(Figura 1).
  4. Obtenha uma fonte de luz UV, que tem um componente de comprimento de onda abaixo de 300nm e uma lâmpada regular fornecendo luz visível. Obtenha um óculos de sol com proteção UV.
  5. Obtenha uma haste de acrílico e um pedaço de pele comumente usado para produzir cargas. Esfregar a haste com a pele adicionará elétrons à haste, tornando a haste carregada negativamente.

Figure 1

Figura 1: Diagrama mostrando um eletroscópio não carregado (a) e um carregado(b) (indicado pela deflexão da agulha), com uma placa metálica de zinco colocada e conectada à sua placa superior. (A situação cobrada para b é desenhada para cobranças positivas como exemplo. Uma observação semelhante vale para eletroscópio com carga negativa.

2. Efeitos fotoelétricos no zinco carregado negativamente

  1. Esfregue a vara com as moscas-de-pele vezes. Isso fará com que a haste seja carregada negativamente.
  2. Aproxime a haste da placa de zinco, sem tocá-la. Use outra mão para tocar brevemente a placa de zinco. Isso carregará a placa de zinco para ser carregada positivamente através da indução (a haste carregada negativamente atrai algumas cargas positivas da mão para o metal de zinco, e as cargas positivas permanecem no metal de zinco após seu contato com a mão ser removido). A agulha do eletroscópio deve desviar para indicar que a placa metálica, juntamente com todas as partes do eletroscópio ligadas a ela, está carregada(Figura 2a). Se necessário, repita os passos2.1 e 2.2 para adicionar mais cargas à placa.
  3. Ligue a lâmpada visível e aproxime-a do eletroscópio para iluminar a placa de zinco(Figura 2b). Observe a resposta do eletroscópio.
  4. Desligue a lâmpada normal e agora coloque o UV protegendo o óculos de sol. Ligue a luz UV e aproxime-a do eletroscópio. Brilhe a luz UV sobre o metal de zinco(Figura 2c). ATENÇÃO: Aponte a luz UV para longe dos olhos e evite olhar diretamente para a luz UV para proteger os olhos do UV. Observe a resposta do eletroscópio. Em seguida, desligue a luz UV.

Figure 2

Figura 2: Diagrama mostrando(a)carregar positivamente o metal de zinco pela haste carregada negativamente através da indução; e trazendo (b)luz regular da lâmpada e(c)luz UV para observar seus efeitos sobre o estado de carga do zinco, como monitorado pelo eletroscópio conectado a ele.

3. Efeitos fotoelétricos no zinco carregado positivamente

  1. Esfregue a vara com a pele cinco vezes novamente. Isso fará com que a haste seja carregada negativamente.
  2. Coloque a haste em contato direto com a placa de zinco e esfregue a haste na placa cinco vezes. Isso irá transferir algumas cargas negativas para o zinco, indicada pela deflexão da agulha do eletroscópio(Figura 3a).
  3. Guarde a haste e não use a mão ou quaisquer outros objetos para tocar o metal de zinco.
  4. Ligue a lâmpada regular (visível) e aproxime-a do eletroscópio para iluminar a placa de zinco(Figura 3b). Observe a resposta do eletroscópio.
  5. Desligue a lâmpada regular e agora ligue a luz UV e aproxime-a do eletroscópio para iluminar a luz UV no metal de zinco(Figura 3c). ATENÇÃO:Aponte a luz UV para longe dos olhos e evite olhar diretamente para a luz UV para proteger os olhos do UV. Observe a resposta do eletroscópio. Em seguida, desligue a luz UV.

Figure 3

Figura 3: Diagrama mostrando(a)carregar negativamente o metal de zinco pela haste carregada negativamente através do contato direto; e trazendo (b)luz regular da lâmpada e(c)luz UV para observar seus efeitos sobre o estado de carga do zinco, como monitorado pelo eletroscópio conectado a ele.

O efeito fotoelétrico é um fenômeno físico básico que não só tem uma variedade de aplicações práticas atuais, mas também inspirou um novo campo da ciência.

Um metal contém muitos elétrons móveis. Esses elétrons podem ser animados quando fornecidos com energia. E, se a energia for alta o suficiente, os elétrons podem ser animados para fora do metal.

Quando tal excitação é feita com luz, os elétrons ejetados são conhecidos como fotoelécros, dando a este efeito seu nome - o efeito fotoelétrico.

Aqui, vamos demonstrar o efeito fotoelétrico usando uma placa de metal de zinco carregada que é submetida a luz de lâmpada regular e luz ultravioleta.

Antes de aprendermos como realizar o experimento e coletar dados, vamos discutir os parâmetros e princípios que regem esse efeito. Observou-se que, para que o efeito fotoelétrico aconteça, a frequência 'f' da luz tem que exceder algum limiar mínimo 'f0' (leia-f-zero).

Para entender por que isso é importante, vamos ampliar e dar uma olhada nesse processo no nível microscópico. Quando a luz brilha sobre um metal, fótons de luz individuais são absorvidos pelos elétrons do metal. Agora, para que esses elétrons sejam liberados do metal, eles têm que realizar algum trabalho.

Assim, a energia do fóton absorvido E deve ser maior do que essa "função de trabalho" W do metal, onde a função de trabalho representa a energia mínima, ou energia limiar, necessária para liberar um elétron de um metal específico.

Agora, como a energia do fóton é diretamente proporcional à frequência da luz, a energia limiar corresponde à frequência limiar f0.

A relação entre energia e frequência é dada por esta equação, onde 'h' é a constante da Prancha. A mesma equação também pode ser usada para calcular a frequência de limiar.

Por exemplo, a função de trabalho do zinco é de 4,3 elétrons-volts. Isso significa que a frequência limiar para que o efeito fotoelétrico ocorra no zinco será de 10^15 Hertz, correspondendo a um comprimento de onda limiar Λ0 de 300 nanômetros. Um comprimento de onda tão curto corresponde à luz UV

Tendo revisto os princípios por trás do efeito fotoelétrico, vamos agora passar pelo protocolo passo a passo para demonstrar esse efeito através de um simples experimento.

Obtenha todos os instrumentos e materiais necessários para o experimento, ou seja, um eletroscópio, uma placa de metal de zinco, um pedaço de lixa, uma fonte UV que tem um componente de comprimento de onda abaixo de 300nm, uma lâmpada regular fornecendo luz visível, uma haste de acrílico, um pedaço de pele, e um par de óculos de proteção UV.

Primeiro, usando a lixa, polir a superfície da placa de zinco. Isso remove o óxido de zinco na superfície metálica e facilita a transferência de elétrons. Coloque a placa de zinco na placa metálica do eletroscópio. Certifique-se de que a placa de zinco está em contato direto com o eletroscópio.

Em seguida, esfregue a haste com o pedaço de pele cinco a seis vezes, para fazer a haste carregada negativamente. Leve a haste para perto da placa de zinco certificando-se de não trazê-los em contato uns com os outros.

Por outro lado, toque brevemente na placa de zinco, para carregar positivamente a placa de zinco através da indução. A agulha do eletroscópio deve desviar para indicar que a placa de metal e todas as partes do eletroscópio ligadas a ele, estão carregadas.

Em seguida, ligue a lâmpada visível e aproxime-a do eletroscópio e brilhe sua luz sobre a placa de zinco. Observe a resposta do eletroscópio.

Agora, desligue a lâmpada normal e coloque os óculos de proteção UV. Remova a placa de vidro e ligue a lâmpada para obter uma fonte de luz UV e aproxime-a do eletroscópio. Brilhe a luz UV no metal de zinco. Observe a resposta do eletroscópio. Em seguida, desligue a luz UV.

Agora, esfregue a vara novamente com a pele cinco a seis vezes, para fazer a haste carregada negativamente. Coloque a haste em contato direto com a placa de zinco.

Isso resultará em uma deflexão da agulha do eletroscópio devido à transferência de algumas cargas negativas para a placa de zinco. Guarde a haste e certifique-se de não tocar na placa de zinco com a mão ou qualquer outro objeto.

Em seguida, ligue a lâmpada visível e aproxime-a do eletroscópio e brilhe sua luz sobre a placa de zinco. Observe a resposta do eletroscópio.

Coloque os óculos de proteção UV. Retire a placa de vidro e ligue a luz UV e aproxime-a do eletroscópio. Brilhe a luz UV no metal de zinco. Observe a resposta do eletroscópio. Em seguida, desligue a luz UV.

Vamos agora revisar e interpretar os resultados desses experimentos.

Na primeira metade do experimento onde a haste carregada e a placa de zinco não estão em contato direto entre si, a agulha permanece desviada tanto para a lâmpada regular quanto para a iluminação da luz UV, indicando que a placa de zinco permanece carregada.

Isso ocorre porque a placa de zinco, que já perdeu alguns elétrons para ficar positivamente carregada, perde ainda mais alguns fotoeletrões quando a luz UV é acesa sobre ela. Isso só torna a placa de zinco um pouco mais carregada positivamente, desviando um pouco mais a agulha do eletroscópio.

Por outro lado, quando a haste carregada e a placa de zinco são feitas para entrar em contato entre si, observamos que o uso da luz da lâmpada regular não tem efeito sobre o eletroscópio. No entanto, o uso da lâmpada UV resulta na agulha do eletroscópio para entrar em colapso e retornar à posição não carregada sem deflexão

Isso ocorre porque apenas fótons de luz UV têm energia suficiente que está acima da função de trabalho do zinco, para ejetar fotoeletrons. Isso descarrega a placa de zinco que foi anteriormente carregada negativamente.

Como no caso anterior, a luz visível não tem energia suficiente para excitar os fotoeletrínos, devido ao qual a placa de zinco não descarrega.

A fotoeletrônica tem sido estudada há muitas décadas e levou ao desenvolvimento de novos campos de estudo e múltiplas aplicações.

O efeito fotoelétrico tem sido usado para fazer vários dispositivos optoelétricos que têm aplicações práticas variadas. Um exemplo de dispositivo optoeletrônico é o interruptor elétrico fotosensitivo.

Aqui, o bloqueio ou desbloqueio de um feixe de luz brilhando em um metal desliga ou ON uma corrente elétrica devido à ausência ou presença de fotoeletrões.

Dispositivos de visão noturna ou NVDs também usam os princípios do efeito fotoelétrico para permitir que imagens sejam produzidas em níveis de luz que se aproximam da escuridão total. Resumidamente, fótons atingindo uma película fina de metal alcalino ou material semicondutor dentro do dispositivo causam a ejeção de fotoelétricos devido ao efeito fotoelétrico.

Esses elétrons são acelerados por um campo eletrostático e multiplicados através de emissões secundárias para intensificar o sinal original. Os elétrons multiplicados são então feitos para atacar uma tela revestida de fósforo, convertendo os elétrons de volta em fótons, formando assim uma imagem.

Você acabou de assistir a introdução de JoVE ao efeito fotoelétrico. Agora você deve entender os conceitos básicos do efeito fotoelétrico e também entender por que metais carregados podem ser descarregados apenas usando luz de uma frequência específica. Além disso, este vídeo demonstrou um simples experimento para visualizar o efeito fotoelétrico usando uma placa metálica de zinco carregada exposta à luz visível e luz UV. Obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Para as etapas 2.1-2.4, o eletroscópio permanece carregado (a agulha permanece desviada) tanto para a lâmpada regular quanto para a iluminação da luz UV(Figura 2b e 2c),indicando que a placa de zinco permanece positivamente carregada. Isso porque a placa de zinco carregada (que já perdeu alguns elétrons em primeiro lugar para se tornar positivamente carregada) perde ainda mais alguns fotoeletrões pela luz UV para torná-la ainda mais carregada positivamente. Neste caso, pode ser perceptível que a agulha do eletroscópio desvia um pouco mais na Figura 2c. A luz visível regular não altera as cargas positivas na placa de zinco e o eletroscópio permanece carregado também(Figura 2b).

Para as etapas 3.1-3.5, quando a placa de zinco é carregada negativamente, pode-se observar que a luz da lâmpada regular novamente não tem efeito sobre o eletroscópio (Figura 3b), enquanto a luz UV faz com que a agulha do eletroscópio desaba e retorne à posição não carregada sem deflexão, Figura 3c. Isso porque apenas os fótons de luz UV têm energia suficiente (acima da função de trabalho do zinco) para ejetar fotoeletrons, assim para descarregar o zinco que foi previamente carregado para ser negativo (com excesso de elétrons).

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Neste experimento, usamos um eletroscópio para mostrar que a luz UV pode descarregar um metal de zinco carregado negativamente através do efeito fotoelétrico. Em contraste, uma amostra de zinco carregada positivamente (que já perdeu alguns elétrons) não será descarregada, nem uma luz visível (que não pode causar o efeito fotoelétrico) descarregará zinco negativo ou positivamente carregado.

O efeito fotoelétrico desempenhou papéis importantes no desenvolvimento da física quântica noséculo XX, pois forneceu evidências experimentais de que a luz é feita de partículas que chamamos de fótons e quantary da energia leve proporcional à frequência da luz.

Na prática, o efeito fotoelétrico também tem sido usado para fazer vários dispositivos optoelétricos, como interruptores elétricos fotosensíveis - onde o bloqueio ou desbloqueio de um feixe de luz brilhando em um metal se desliga ou em uma corrente elétrica devido à ausência ou presença de fotoeletros. Isso é comumente usado em muitos sensores de posição mecânica (por exemplo, abrindo ou fechando uma porta que desbloqueia ou bloqueia um feixe de luz).

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter