Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Behavioral Science

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

 
Click here for the English version

Estudos de Reforço Positivo

Overview

Os pesquisadores estudam o aprendizado de um comportamento através do uso de condicionamento operístico. Esse tipo de aprendizado envolve associar o comportamento a uma consequência, que é uma recompensa ou punição. Se a consequência é uma recompensa, leva ao reforço do comportamento desejado. Um tipo de abordagem de reforço é o reforço positivo, onde o comportamento é recompensado com um reforço artificial, natural ou social. Estudos usando reforço positivo como ferramenta podem ajudar a provocar detalhes importantes sobre o funcionamento neurológico associados a diferentes comportamentos.

Este vídeo revisa os conceitos por trás de estudos de reforço usando um exemplo de um homem treinando um cão para se sentar. Na sequência, analisamos um procedimento generalizado de reforço positivo comumente utilizado por pesquisadores comportamentais. Isso envolve treinar roedores para realizar um comportamento (alavanca de pressão) para obter uma recompensa (comida). Por fim, aplicações específicas demonstram como os cientistas usam reforço positivo para entender o comportamento.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

O reforço positivo é um fator importante que influencia o comportamento humano e animal. Os cientistas estudam esse fenômeno usando um tipo de aprendizado chamado "condicionamento operístico". Simplificando, o condicionamento operante molda um comportamento associando-o a uma consequência específica. Para reforço positivo, a consequência é uma recompensa quando um comportamento é realizado. Isso aumenta a probabilidade de que o comportamento ocorra novamente no futuro.

Este vídeo abrange princípios de reforço positivo, um experimento generalizado e algumas das aplicações relacionadas.

Vamos começar discutindo como funciona o reforço positivo. Faremos isso usando o exemplo de um homem tentando treinar um cachorro para se sentar. Inicialmente, quando o homem instrui o cão a se sentar, o cão leva muito tempo, mas quando ele se senta, o homem lhe oferece um osso. Aqui, sentar é o comportamento incentivado pela recompensa, que é o reforço positivo. Agora o cão aprende a associar o reforço positivo com o comando, e aprende o comportamento. Da próxima vez que o homem disser "sente-se", o cão leva menos tempo para fazê-lo, pois ele sabe que a recompensa é um osso. Isso é diferente do reforço negativo, onde um comportamento é reforçado pela remoção de um estímulo negativo, como a pressão de uma coleira, que atua como um reforço negativo. Neste caso, o cão aprende a associar o reforço negativo com o comando, e aprende o comportamento. Agora o cão saberá sentar-se rapidamente para evitar a pressão da coleira.

O reforço não se restringe apenas aos animais; para nós, existem muitos tipos de reforços positivos que influenciam nosso comportamento. Alguns dos reforços mais tangíveis são comida, dinheiro e drogas ou álcool. Há também reforços naturais, como obter uma boa nota em um teste. Além disso, há reforços sociais, exemplificados por um professor dizendo a um aluno "Bom Trabalho" na frente de uma aula.

A neurofisiologia por trás do reforço positivo é baseada nos centros de dopamina do cérebro. A dopamina é um neurotransmissor associado a comportamentos de busca de recompensa. Quando a recompensa é maior do que o esperado, o disparo de neurônios de dopamina aumenta, o que consequentemente aumenta o desejo pela recompensa.

Agora que você tem uma ideia dos princípios por trás do reforço positivo, vamos dar uma olhada em como realizar um experimento estudando esse fenômeno.

O objetivo desses tipos de experimentos é treinar um animal para associar um comportamento voluntário a uma consequência, como associar uma prensa de alavanca com uma recompensa. Muitos animais diferentes, como ratos, ratos ou mesmo pombos, podem ser usados para estudar esse fenômeno.

Este experimento faz uso de uma câmara operante, que é uma caixa à prova de som com ventiladores ventilatantes. Aqui, a câmara é equipada com duas alavancas ativas e uma inativa posicionada em ambos os lados de um distribuidor de alimentos central. Uma luz de estímulo está localizada acima de cada alavanca, e um distribuidor de pelotas de alimentos é posicionado fora da câmara.

O animal deve executar uma resposta comportamental na câmara para receber uma recompensa. Primeiro, o animal é colocado na câmara para se acostumar com o novo ambiente. Para reforçar o comportamento de pressão da alavanca, é importante ter uma alavanca ativa que entregará uma recompensa uma vez pressionada, e uma alavanca inativa que não entregará qualquer recompensa quando pressionada. O animal aprenderá a bater na alavanca ativa com mais frequência, a fim de obter mais recompensas. O número de prensas de alavanca por recompensa também pode ser ajustado.

Agora que você sabe como realizar um experimento de reforço positivo, vamos olhar para algumas aplicações onde os cientistas estão usando esse paradigma para aprender informações valiosas sobre funções neurológicas.

Os pesquisadores podem testar diferentes concentrações de um reforço para determinar a relação entre concentração e força de reforço comportamental. Neste experimento, os cientistas permitem que os ratos se acostumem a uma câmara operante, onde os animais aprendem a pressionar uma alavanca para obter uma dose de solução de açúcar. Diferentes concentrações de açúcar são utilizadas, e para cada um, o número de prensas de alavanca é registrado, a fim de determinar o efeito da concentração no reforço. Isso mostra que concentrações mais altas de açúcar têm maior capacidade de reforçar o comportamento de pressão da alavanca.

Outra aplicação para reforço positivo envolve testar a atenção. Aqui, colocando um rato em uma câmara com cinco aberturas, pesquisadores comportamentais estudam atenção e controle de impulso usando reforço positivo. O experimento é projetado para que, quando a luz é iluminada, o rato deve enfiar seu nariz na abertura, a fim de obter a pelota de alimentos localizada no lado oposto da câmara. Quanto mais atenção o rato prestar à abertura iluminada, mais pelotas de comida ele receberá.

Finalmente, experimentos positivos de reforço são usados para determinar a atividade neural durante o aprendizado. Neste estudo, os pombos são primeiro treinados para discriminar corretamente entre dois estímulos, e aprender qual tela tocar para receber uma recompensa alimentar reforçada. Em seguida, a fim de medir a atividade neural, eletrodos são ligados à cabeça de um pombo, e uma tarefa comportamental é realizada. O reforço positivo ajuda a provocar o comportamento necessário, permitindo que os cientistas estudem disparos neuronais durante a resposta aprendida.

Você acabou de assistir a introdução do JoVE ao reforço positivo. Este vídeo abordou os princípios do reforço positivo, explicou um experimento generalizado e revisou algumas aplicações atuais. Entender a psicologia e a neurociência por trás do reforço positivo pode ajudar os cientistas a descobrir os fatores que afetam a tomada de decisões humanas. Como sempre, obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Nenhum conflito de interesses declarado.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter