Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Cell Biology

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

Uma introdução ao metabolismo celular
 
Click here for the English version

Uma introdução ao metabolismo celular

Overview

Nas células, moléculas críticas são construídas unindo unidades individuais como aminoácidos ou nucleotídeos, ou divididas em componentes menores. Respectivamente, as reações responsáveis por isso são referidas como anabólicos e catabólicos. Essas reações requerem ou produzem energia tipicamente na forma de uma molécula de "alta energia" chamada ATP. Juntos, esses processos compõem o "Metabolismo Celular", e são marcas de células saudáveis e vivas.

A introdução do JoVE ao metabolismo celular revisa brevemente a rica história deste campo, desde estudos iniciais sobre fotossíntese até descobertas mais recentes relacionadas à produção de energia em todas as células. Isso é seguido por uma discussão de algumas perguntas-chave feitas por cientistas que estudam o metabolismo, e métodos comuns que eles aplicam para responder a essas perguntas. Finalmente, vamos explorar como os pesquisadores atuais estão estudando alterações no metabolismo que acompanham distúrbios metabólicos, ou que ocorrem após a exposição a estressores ambientais.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

O metabolismo celular refere-se às reações metabólicas vitais que ocorrem dentro de uma célula. Quando a maioria das pessoas pensa em "metabolismo", associam-no à "queima" ou quebra de nutrientes. No entanto, na biologia celular o metabolismo abrange o "catabolismo", que é a quebra de moléculas, e o "anabbolismo", que é a síntese de novos compostos biológicos. Esses processos fornecem energia às células e ajudam a construir seus componentes, respectivamente.

Este vídeo vai mergulhar nas principais descobertas que contribuíram para nossa compreensão do metabolismo celular. Vamos acompanhar isso com um exame de questões-chave no campo, e algumas das técnicas usadas atualmente para estudar vias metabólicas.

Vamos mergulhar na rica história do metabolismo celular.

Entre 1770 e 1805, quatro químicos realizaram experimentos-chave, que ajudaram a explicar como as plantas produzem "massa" para crescer. Seu trabalho levou à reação básica da fotossíntese, que estabeleceu que, à luz solar, as plantas absorvem dióxido de carbono e água, e produzem oxigênio e material orgânico. Mais tarde, na década de 1860, Julius von Sachs determinou que este material orgânico era amido, que é composto pela glicose de açúcar.

Então, as plantas produzem açúcar. Mas nós o consumimos. Então, o que acontece com o açúcar em nossos corpos? Uma resposta em potencial veio na década de 1930, quando Gustav Embden, Otto Meyerhof e Jacob Parnas descreveram a glicólise, o caminho que divide a glicose em piruvato. Sabemos agora que a glicólise também produz adenosina triphosfato ou ATP.

A estrutura da ATP foi determinada em 1935 no laboratório de Meyerhof por Karl Lohmann. Meyerhof e Lohmann propuseram que a ATP pudesse "armazenar" energia, o que foi confirmado por Fritz Lipmann em 1941, que identificou os títulos ricos em energia na ATP e forneceu uma teoria pela qual esses títulos poderiam ser aproveitados durante a biosíntese.

Em paralelo, Hans Krebs descobriu que a oxidação da glicose ou piruvato poderia ser estimulada por uma série de ácidos, todos eles fazem parte de reações cíclicas que formam o ciclo do ácido tricarboxílico, abreviado como o ciclo TCA. Sua maior contribuição foi notar que oxaloacetato e piruvato poderiam ser convertidos em citrato, o que deu a esta série de oxidação sua forma cíclica.

Em 1946, Lipmann e Nathan Kaplan elucidaram ainda mais a reação convertendo piruvato para citratar com sua descoberta da coenzima A. Sabemos agora que o piruvato interage com esta enzima para formar acetil-coenzima A, que lança o ciclo TCA.

Mais tarde, entre as décadas de 1950 e 1970, pesquisadores determinaram que elétrons liberados durante o ciclo TCA poderiam ser "transportados" para complexos proteicos localizados em mitocôndrias em uma via chamada cadeia de transporte de elétrons. É importante ressaltar que, em 1961, Peter Mitchell propôs que a transferência de elétrons entre esses complexos produzsse um próton "gradiente", o que poderia impulsionar a produção da maioria do ATP de uma célula.

Juntas, as descobertas da fotossíntese, da glicólise, do ciclo TCA e da cadeia de transporte de elétrons formaram a base sobre a qual os estudos atuais do metabolismo celular agora repousam.

Embora essas descobertas históricas tenham proporcionado uma imensa visão sobre caminhos metabólicos, elas também estimularam várias questões. Vamos rever alguns dos que permanecem sem resposta.

Hoje, os pesquisadores estão analisando como as vias metabólicas são afetadas por estressores ambientais, como toxinas ou radiação. Em particular, há interesse em como tais fatores resultam na produção anormal de espécies reativas de oxigênio, como radicais livres, que possuem elétrons não pagos em átomos de oxigênio, tornando-os altamente reativos. Essas moléculas podem danificar outros componentes celulares e resultar em estresse oxidativo.

O estresse oxidativo tem sido implicado na senescência celular e morte, e também na iniciação e progressão do câncer. Portanto, os biólogos celulares estão interessados em determinar como essas espécies reativas afetam os processos fisiológicos normais de uma célula, como a divisão celular. Com essas informações, eles podem deduzir ainda mais o papel dessas espécies em eventos patológicos.

Finalmente, vários pesquisadores estão interessados em distúrbios metabólicos — condições em que reações metabólicas específicas são interrompidas. Estes incluem doenças como diabetes, onde o corpo é incapaz de metabolizar o açúcar. Atualmente, os pesquisadores estão tentando identificar fatores, como genes ou sinais ambientais, que contribuem para essas doenças. Isso vai, em última análise, ajudá-los no desenvolvimento de terapias mais eficazes para os pacientes.

Agora que você já ouviu algumas perguntas urgentes no campo do metabolismo celular, vamos rever as técnicas experimentais que os cientistas estão usando para enfrentá-las.

O objetivo final de muitos processos catabólicos em células vivas é gerar ATP, que é a molécula primária de armazenamento de energia usada pelas células. Portanto, técnicas como o ensaio de bioluminescência ATP, que quantifica ATP em uma amostra com a ajuda de uma reação de luminescência, podem fornecer uma visão sobre a atividade metabólica das células.

Outros métodos se concentram em vias metabólicas específicas. Por exemplo, os pesquisadores podem avaliar o metabolismo do glicogênio em sua glicose monômera. Uma maneira de fazer isso é processar a glicose derivada do glicogênio em produtos que reagirão com sondas de detecção e induzirão uma mudança de cor ou fluorescência. Dessa forma, os pesquisadores podem calcular quanto glicogênio estava originalmente presente em suas amostras.

Em contraste, o metabolismo anormal pode ser detectado medindo espécies reativas de oxigênio. Comumente, os pesquisadores usam uma sonda que fluoresce depois de ser "atacada" por um membro dessas espécies. Estes ensaios quantificam diretamente a quantidade de metabólitos de oxigênio reativo e, portanto, ajudam na detecção do estresse oxidativo.

Finalmente, os pesquisadores analisam o metabolismo no nível do organismo por "Perfil Metabólico". Com a ajuda de métodos avançados como cromatografia líquida de alto desempenho ou HPLC, e espectrometria de massa ou MS, os cientistas podem quantificar metabólitos presentes em amostras biológicas, e determinar se certas vias metabólicas estão paradas ou hiperativas.

Com todas essas ferramentas à sua disposição, vamos ver como os cientistas estão colocando-as em uso experimental.

Alguns cientistas estão aplicando esses métodos para desenvolver novas formas de diagnosticar distúrbios metabólicos. Aqui, foi desenvolvido um protocolo para isolar as células mononucleares de sangue periféricos, ou PBMCs, a partir de amostras de sangue do paciente, a fim de avaliar seu conteúdo glicogênio. Usando um ensaio de coloração específico para o metabolismo glicogênio, os pesquisadores obtiveram uma visão da quantidade de glicogênio presente nessas amostras. Em aplicações futuras, essa técnica poderia ajudar a diagnosticar pacientes com doenças metabólicas glicogênio.

Outros pesquisadores estão usando essas ferramentas para estudar o efeito do estresse ambiental no metabolismo. Neste experimento, os cientistas mediram espécies reativas de oxigênio em embriões de zebrafish tratados com um químico chamado rotenona, ou após danos em suas caudas. Isso foi feito com a ajuda de uma sonda que fluoresce vermelho quando alvo de espécies reativas de oxigênio. A avaliação subsequente de embriões inteiros revelou aumento da produção dessas moléculas em resposta a lesões e exposição química, sugerindo um papel protetor desses metabólitos.

Por fim, biólogos celulares também estão estudando as características metabólicas das células cancerosas. Aqui, os pesquisadores coletaram o conteúdo de células cancerígenas de cólon humano, e submeteram este extrato a perfis metabólicos usando HPLC e MS. Isso permitiu que os pesquisadores identificassem metabólitos presentes neste tecido doente.

Você acabou de assistir o vídeo introdutório do JoVE ao metabolismo celular. Muitas vias complexas descrevem a atividade metabólica das células, e agora você sabe como essas vias foram descobertas, e como as pesquisas ainda estão tentando decifrar os componentes desconhecidos. Lembre-se, o metabolismo é bom, mas o excesso de qualquer coisa pode ser prejudicial. Como sempre, obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Nenhum conflito de interesses declarado.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter