Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Developmental Psychology

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

Os Custos e Benefícios da Pedagogia Natural
 
Click here for the English version

Os Custos e Benefícios da Pedagogia Natural

Overview

Fonte: Laboratórios de Nicholaus Noles, Judith Danovitch e Asheley Landrum - Universidade de Louisville

As crianças têm muitas ferramentas que usam ao longo do desenvolvimento para aprender com os adultos. Talvez a ferramenta mais antiga seja a imitação, simplesmente copiando o que eles vêem um adulto fazer ou dizer. No entanto, as crianças realmente aprendem muito mais efetivamente do que se poderia esperar se estivessem apenas imitando. Isso porque, quando se trata de aprender e ensinar, crianças e adultos têm uma relação especial. As crianças tratam os adultos como se fossem professores úteis e experientes, e os adultos ensinam informações às crianças de uma maneira geralmente eficiente e eficaz. Através dessas interações, as crianças podem aprender muito melhor do que se estivessem simplesmente usando o teste e o erro ou copiando adultos exatamente. Essa forma de interagir é referida como pedagogia natural, e é uma das razões pelas quais os jovens humanos são alunos talentosos.

Um dos aspectos mais impressionantes da pedagogia natural é que ninguém ensina os adultos a serem bons professores, e as crianças tratam os adultos como professores sem ter que ser treinados para isso. No entanto, a pedagogia natural também implica custos. As crianças são curiosas e intrinsecamente motivadas a explorar, então as crianças aprendem melhor quando têm oportunidades de aprender e explorar por conta própria. Assim, o resultado da pedagogia natural é que as crianças aprendem informações ensinadas a elas de forma muito eficaz, mas o ensino explícito restringe seus comportamentos curiosos e exploratórios. Há uma troca entre aprendizado eficiente e exploração auto-orientada.

Este vídeo demonstra o método pelo qual Elizabeth Bonawitz, Patrick Shafto e seus colegas1 mostraram os efeitos da pedagogia natural em jovens aprendizes.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Recrute aproximadamente 40 crianças saudáveis de 4 anos sem histórico de distúrbios no desenvolvimento. Para efeitos desta demonstração, apenas duas crianças são testadas (uma em cada condição). Tamanhos amostrais maiores são recomendados ao realizar quaisquer experimentos.

1. Coleta de dados

  1. Reúna os materiais necessários.
    1. Adquira um novo dispositivo com quatro funções diferentes não óbvias. Por exemplo, o dispositivo usado por Bonawitz e colegas1 tinha um botão oculto que fazia uma luz acender, um tubo que guinchou quando puxado, um bloco que tocava música quando pressionado, e um espelho escondido dentro do objeto.
  2. Preâmbulo
    1. Sente-se com a criança em um espaço tranquilo.
    2. Atribua a criança a uma das duas condições.
      1. A condição pedagógica: Nessa condição, traga o dispositivo e diga: "Olha meu brinquedo! Este brinquedo é meu. Vou te mostrar como meu brinquedo funciona. Assista a isso!" Demonstre um dos dinheiros ocultos do dispositivo para a criança fazendo-o guinchar. Então diga: "Uau, vê isso? É assim que meu brinquedo funciona!'' e demonstrar a mesma ação novamente.
      2. A condição da linha de base: Nesta condição, traga o dispositivo e diga: "Uau, vê esse brinquedo? Olhe para isso! Olhe o brinquedo brevemente para explicar a diferença de tempo de interação em relação à condição pedagógica.
  3. Teste
    1. Diga: "Uau, não é legal? Vou deixar você brincar com o brinquedo. Veja se você pode descobrir como esse brinquedo funciona. Deixe-me saber quando você terminar!" e deixar a criança para brincar.
    2. Grave as atividades da criança em vídeo.
    3. Se a criança parar de brincar por 5 s, pergunte: "Você terminou?" Se a criança disser "sim", termine a sessão experimental. Caso contrário, termine a sessão se a criança parar de brincar por um segundo período de 5 s.

2. Análise

  1. Tenha dois codificadores independentes, que são cegos para a condição, codificam o número de funções ocultas descobertas por cada criança. Uma vez que uma função — o squeaker — foi usada como demonstração na condição pedagógica, ela não é considerada oculta com o propósito de pontuar as descobertas das crianças. Assim, cada criança recebe uma pontuação entre 0 (não descobriu funções) e 3 (descobriu todas as funções restantes).
  2. Use um teste t para determinar se há diferenças no número de funções descobertas entre as condições.

As crianças vão além do uso de imitação simples e tentativa e erro durante o curso de aprendizagem para formar uma relação pedagógica especial com os adultos.

Por exemplo, uma criança pode aprender a amarrar seus sapatos usando tentativa e erro, mas é muito mais eficiente para um adulto ensiná-los um método eficaz.

Sem serem treinados para isso, as crianças tratam os adultos como se fossem professores úteis e experientes, e os adultos ensinam informações às crianças de uma maneira geralmente eficiente e eficaz. Essa troca inerente de ensino e aprendizagem é chamada de pedagogia natural.

No entanto, se os contextos pedagógicos englobarem a abordagem dominante para a aprendizagem, isso poderia limitar a curiosidade e a motivação independente de uma criança aprender por conta própria, sem instrução adicional. Ou seja, como o professor não mostrou mais nada no parquinho, a criança pode assumir que não há mais nada a aprender.

Baseado em métodos desenvolvidos por Elizabeth Bonawitz, Patrick Shafto e colegas, este vídeo demonstra uma abordagem simples de como projetar e conduzir um experimento investigando os efeitos da pedagogia natural em crianças pequenas, bem como como analisar e interpretar resultados sobre os benefícios e limites do ensino.

Neste experimento, crianças de 4 anos são colocadas em um dos dois grupos, onde são convidadas a brincar com um brinquedo com quatro funções ocultas diferentes — incluindo um bug que pisca quando é pressionado.

Para a condição de linha de base, cada criança é mostrada o brinquedo sem nenhuma das funções ocultas demonstradas, o que é considerado um teste de exploração autodirecionado.

Em contrapartida, na condição pedagógica, as crianças são mostradas o brinquedo, acompanhado de uma demonstração de como funciona uma de suas funções, como fazê-lo guinchar.

Neste caso, a variável dependente é o número de funções ocultas que são descobertas no brinquedo.

Prevê-se que as crianças em condições pedagógicas descubram menos das funções ocultas no brinquedo do que as crianças em condições básicas, pois provavelmente se envolverão com o dispositivo de forma mais focal e limitada do que as crianças que aprendem sobre o dispositivo por conta própria.

Antes do experimento começar, construa um novo dispositivo com quatro funções diferentes e não óbvias que envolverão a atenção de uma criança, como um botão oculto que faz uma luz acender, um guincho, um inseto que pisca quando pressionado, e uma tartaruga escondida em um cano.

Quando a criança chegar, primeiro sente-as em um espaço tranquilo.

Atribuí-los aleatoriamente a uma das duas condições: na condição de base, mostre o brinquedo para a criança e basta olhar para ele. Na condição pedagógica, demonstre como funciona uma função do brinquedo, como fazê-lo guinchar.

Durante a sessão de testes, use uma câmera de vídeo para gravar as interações da criança. Uma vez que a gravação tenha começado, dê o brinquedo a cada criança e peça para ver se eles podem descobrir como funciona. Deixe-os em paz para jogar, e mande-os indicar quando terminarem.

Quando a criança parar de brincar com o brinquedo por um período de 5 anos, termine o experimento.

Uma vez terminado o estudo, atribua dois codificadores independentes que são cegos às condições de ver todos os vídeos e contar o número de funções ocultas descobertas por cada criança. Para fins de pontuação, o squeaker usado na demonstração não é considerado uma função oculta.

Cada criança pode receber uma pontuação entre 0 — não descobriu funções — e 3 — descobriu todas as funções.

Para analisar os dados, realize um teste t para determinar se existem diferenças no número de funções descobertas entre as condições.

Observe que as crianças em condição pedagógica, que foram ensinadas sobre o dispositivo, focaram principalmente na função mostrada a elas, em comparação com as crianças em condições básicas. Esse achado sugere que ensinar as crianças concentra sua atenção nas informações comunicadas e limita significativamente sua exploração e curiosidade.

Agora que você está familiarizado com a concepção de um experimento de psicologia para observar a pedagogia natural em crianças, vamos considerar como os achados demonstram um delicado equilíbrio entre situações em que os professores devem ensinar ou permitir que as crianças explorem por conta própria.

Ao se envolver em exploração autodirecionada e brincadeiras livres, as crianças são expostas a uma ampla gama de oportunidades educacionais, incluindo como resolver problemas e até mesmo aprender sobre processos científicos — como a metamorfose.

No entanto, no contexto mais amplo da aprendizagem, existem situações em que a exploração é ineficiente ou até mesmo problemática e retarda o aprendizado. Por exemplo, existem apenas algumas maneiras de realizar uma longa divisão, e é muito mais fácil para uma criança aprender um método com um professor do que descobrir um por conta própria.

Você acabou de assistir a introdução do JoVE aos custos e benefícios da pedagogia natural. Agora você deve ter uma boa compreensão de como projetar e conduzir o experimento, e finalmente como analisar e interpretar os resultados.

Obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Crianças em condição pedagógica normalmente descobrem menos das funções ocultas do dispositivo do que crianças em condições básicas(Figura 1). As crianças ensinadas sobre o dispositivo também costumam passar menos tempo brincando com ele, e elas focam seu jogo na função ensinada a eles pelo experimentador, mesmo que descubram outras funções. Juntos, esses achados sugerem que ensinar as crianças concentra sua atenção nas informações comunicadas e limita significativamente sua exploração e curiosidade. Eles se envolvem com o dispositivo de uma forma mais focada e limitada do que as crianças que aprendem sobre o dispositivo por conta própria.

Figure 1
Figura 1. O número médio de funções de brinquedo descobertas por crianças em condições.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Este experimento demonstra que há valor em permitir que as crianças explorem seu mundo por conta própria, e que ensinar explicitamente as crianças pode limitar significativamente sua curiosidade em algumas situações. Em particular, há um conjunto crescente de evidências de que as crianças podem aprender de forma eficaz, se não mais eficaz, através de brincadeiras livres e exploração autodirecional do que através de instruções explícitas. Dito isto, o ensino nem sempre é uma coisa ruim, e esses resultados devem ser considerados no contexto mais amplo da aprendizagem das crianças. Às vezes é útil para uma pessoa explorar e descobrir coisas por conta própria, mas também há muitas situações em que tal exploração é ineficiente ou até mesmo problemática. Por exemplo, há muitas situações em que essa exploração só atrasa o aprendizado, como aprender a amarrar sapatos ou realizar uma longa divisão. Esses achados demonstram que os professores devem considerar cuidadosamente quando ensinar e quando permitir que a curiosidade natural das crianças guie sua aprendizagem.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

References

  1. Bonawitz, E., Shafto, P., Gweon, H., Goodman, N.D., Spelke, E., & Schulz, L. The double-edged sword of pedagogy: Instruction limits spontaneous exploration and discovery. Cognition. 120, 322-330 (2011).

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter