Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Social Psychology

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

 
Click here for the English version

Desonestidade Marginal: A Tarefa de Adicionar-10

Overview

Fonte: Julian Wills & Jay Van Bavel — Universidade de Nova York

A teoria econômica clássica afirma que as pessoas são racionais e auto-interessadas. Além de buscar riqueza e status, as pessoas são motivadas por outros objetivos. Como resultado, motivos financeiros às vezes podem ser ofuscados por outras necessidades internas, como manter um autoconceito positivo ou se filiar a outros membros do grupo.

Dilemas éticos, como a tentação de trapacear impostos, podem resultar quando esses motivos estão em conflito. Por um lado, as pessoas podem ser tentadas a economizar dinheiro subnotificando seus rendimentos tributáveis. Por outro lado, ninguém quer se perceber como um desonesto, livre cavaleiro. Como resultado, as pessoas estão relutantes em explorar plenamente oportunidades antiéticas porque isso pode prejudicar severamente sua autoimagem como indivíduos moralmente íntegros. Em vez disso, as pessoas trapaceiam em um grau muito menor do que são capazes: apenas o suficiente para obter recursos adicionais, mas não tanto para comprometer sua autoimagem.

Essa tendência à desonestidade marginal, ou o "fator fudge", é um princípio importante na psicologia social e pode ser testada através de uma variedade de técnicas. Mazar, Amir e Ariely descreveram originalmente seis experimentos separados envolvendo (des)honestidade e uma teoria de manutenção do autoconceito. 1 A "Tarefa de Adição a 10" é uma das técnicas experimentais discutidas e predominante em pesquisas que envolvem testar a honestidade. Este vídeo demonstra como produzir e interpretar a Tarefa de Adicionar a 10.

Principles

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Princípios da honestidade estão enraizados nas filosofias de Thomas Hobbes e Adam Smith. Os modelos econômicos modernos defendem a crença de que as pessoas se comportam de forma desonesta, pesando conscientemente os benefícios versus os custos dos atos desonestos. Esta análise custo-benefício considera possíveis recompensas externas, a probabilidade de ser pego e a magnitude de uma possível punição. Os psicólogos se baseiam no modelo econômico, introduzindo o efeito das recompensas internas. Quando as pessoas cumprem seus sistemas de valores internos, derivados das normas da sociedade, recebem recompensas positivas, enquanto o descumprimento resulta em recompensas negativas, ou seja,punição. Esse sistema de recompensa interna afeta o autoconceito das pessoas, sua autopercepção que é muito influenciada por noções de moralidade.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

1. Recrutamento de Participantes

  1. Realize uma análise de poder e recrute um número suficiente de participantes.
  2. Atribua aleatoriamente metade dos participantes à condição experimental e a outra metade à condição de controle.

2. Coleta de Dados

  1. Dê aos participantes um livreto de teste com vinte matrizes da Tarefa De Adicionar a 10.
    1. Cada matriz é baseada em um conjunto de doze números de três dígitos, dois dos quais somam exatamente 10 (ver Figura 1, por exemplo).
    2. Essa tarefa é benéfica porque as respostas são inequívocas.

Figure 1
Figura 1: Um dos estímulos de teste mais comuns usados para provocar o fator fudge é a Tarefa de Adicionar-A-10. Os participantes são instruídos a encontrar dois números que somam dez em cada matriz (por exemplo,, 4,31 e 5,69 no exemplo acima).

  1. Informe os participantes que, ao final da sessão, dois participantes selecionados aleatoriamente receberão um pagamento bônus de US$ 10 por cada matriz corretamente resolvida.
  2. Explique aos participantes que seu objetivo é circular os dois números em cada matriz que somar a 10 e completar o máximo possível dentro de 4 minutos.
    1. É imprescindível que a prova seja bastante desafiadora para que a maioria dos participantes não consiga responder corretamente a todas as perguntas no tempo estipulado.
  3. Ligue para o tempo após 4 minutos e instrua os participantes a parar de escrever.
  4. Para a condição de controle: Coletar cartilhas de teste diretamente dos participantes. Verifique e registe o número de perguntas respondidas corretamente.
    1. Isso garantirá que os participantes da condição de controle não tenham oportunidade de trapacear.
  5. Na condição experimental: Leia as respostas corretas aos participantes e permita que eles "a grade" de seu próprio desempenho.
    1. Instrua-os a rasgar a página em branco do livreto e escrever seu nome e número de respostas corretas totais.
    2. Instrua-os ainda a deixar sua página de resposta na recepção e, em seguida, descartar, ou levar com eles, o livreto.
      1. Isso dá ao grupo experimental a oportunidade de trapacear, uma vez que as respostas que eles realmente gravaram nos folhetos não podem ser verificadas.
  6. Participantes totalmente debrief.

3. Análise de dados

  1. Para a medida dependente, calcule o desempenho de ambas as condições contando o número de perguntas respondidas corretamente (condição de controle) versus o número de perguntas respondidas corretamenterelatadas (condição experimental).
    1. A condição de controle fornece uma estimativa de linha de base, já que não há oportunidade de trapacear. Se as pessoas aproveitarem a oportunidade para trapacear, então o número de respostas corretas relatadas na condição experimental será maior em comparação.

As pessoas inerentemente querem colher os benefícios da trapaça, mesmo que se vejam como honestas.

Por exemplo, um vendedor fazendo uma comissão sobre cada carro que vende pode ser tentado a trapacear, relatando que eles venderam mais veículos do que realmente venderam. Por um lado, eles considerarão os custos desta ação: se serão pegos e punidos por um empregador.

No entanto, recompensas externas — como quanto dinheiro extra poderia ser feito — e recompensas internas — se ainda podem se ver como uma pessoa honesta — também influenciam essa decisão.

Como resultado dessa interação entre custos e recompensas, muitos indivíduos podem optar por ser marginalmente desonestos — observando que eles venderam apenas mais alguns veículos, em vez de todo o lote. Dessa forma, eles ainda têm o benefício de ter algum dinheiro extra, mas sua autoimagem moral não é muito afetada.

Este vídeo explora a relação de quanto as pessoas trapaceiam quando um prêmio em dinheiro é recompensado como demonstrado pela tarefa De adicionar a 10, na qual dois números que somam a 10 são identificados a partir de um determinado conjunto.

Neste experimento que investiga a honestidade, os participantes são solicitados a completar problemas matemáticos — a tarefa de Adicionar a 10 — e, dependendo de sua atribuição em grupo, suas respostas são classificadas pelo pesquisador, no caso dos controles, ou por si mesmos — a condição experimental.

Os quebra-cabeças matemáticos consistem em matrizes 3 x 4 contendo números abaixo de 10. O truque é que apenas dois dos valores em uma grade adicionam 10 e — para responder ao problema — cada componente desse par de adicionais a 10 deve ser circulado.

Os participantes recebem um livreto de 50 matrizes para resolver o máximo que puderem dentro de 4 minutos, e disseram que os vencedores aleatórios receberão US$ 10 por cada resposta correta. É importante ressaltar que esse potencial prêmio em dinheiro é uma recompensa externa, que incentiva a desonestidade em um estágio posterior.

Para o grupo controle, as pastas de trabalho são coletadas e classificadas pelo pesquisador imediatamente após o aumento do tempo; não há oportunidade de inflar os resultados. Em contrapartida, os participantes da condição experimental corrijam seu próprio trabalho ouvindo respostas que o pesquisador lê em voz alta.

Depois, eles são orientados a escrever quantas matrizes eles resolveram em um único pedaço de papel. É enfatizado que somente esta folha será recolhida; o resto da pasta de trabalho pode ser jogado fora.

A ideia é que, uma vez que a precisão das notas autorrenotadas não será verificada, não há custo para trapacear. Assim, os participantes serão tentados a mentir e alegar que resolveram mais matrizes do que realmente fizeram, tudo na esperança de que eles ganhem um prêmio maior em dinheiro.

Aqui, a variável dependente para o grupo experimental é o número de participantes de matrizes que eles responderam corretamente. Isso pode ser comparado com o número de matrizes que foram realmente resolvidas pelos participantes do controle, o que serve como um valor básico.

Com base em pesquisas anteriores, espera-se que a maioria dos participantes experimentais infle seus resultados ligeiramente, indicando que responderam a várias matrizes mais do que os indivíduos de controle.

Tal desonestidade marginal sugere que a recompensa interna de ainda ser capaz de se ver como uma pessoa moral impede que a maioria das pessoas desmente excessivamente, e alegando que eles resolveram todos os problemas.

Primeiro, para calcular quantos participantes são necessários, realize uma análise de poder. Para começar, cumprimente cada um quando chegarem. Em seguida, forneça-lhes um livreto de matrizes, e explique a tarefa.

Enfatize que para responder corretamente a uma matriz, os dois valores nela que se somam a 10 devem ser identificados e claramente circulados. Também frise que um prêmio em dinheiro — US$ 10 por cada resposta correta — será concedido a dois ganhadores aleatórios assim que todos os dados forem coletados.

Certifique-se de que o participante entenda a tarefa e, em seguida, permita que eles resolvam o máximo de problemas matemáticos possível em 4 minutos.

Quando o tempo acabar, que o participante abaixe a caneta. Para aqueles do grupo controle, recolhe imediatamente sua pasta de trabalho. Verifique cada uma das matrizes e observe quantas foram respondidas corretamente.

Para os membros do grupo experimental, explique que eles estarão corrigindo seu próprio trabalho à medida que as respostas da matriz são lidas em voz alta. Em seguida, prossiga para recitar as soluções.

Enfatize que o resto da pasta de trabalho não será recolhida, e deve ser jogado fora quando eles saírem. Em seguida, diga ao participante para escrever seu nome e tanto o número de problemas matemáticos que eles responderam corretamente e incorretamente. Depois, que eles entreguem esta folha de resposta sumária.

Uma vez coletados os dados, interrogue cada indivíduo e explique que essa tarefa visa investigar como os custos e benefícios da trapaça influenciam a decisão de uma pessoa de ser desonesto.

Para analisar os dados, calcule o número de respostas corretas e plote como distribuição de frequência mostrando o percentual de participantes por grupo.

Observe que os indivíduos autorizados a auto-relatar seus resultados indicaram que resolveram um número significativamente maior de matrizes em comparação com os controles.

No entanto, com base na sobreposição das distribuições, a maioria dos participantes da condição experimental trapaceou um pouco com a inflação marginal, e apenas uma pequena porcentagem trapaceou muito.

Isso sugere que os participantes pesam duas coisas em sua decisão de serem desonestos: a primeira é a recompensa externa de US$ 10 por matriz correta, o que resulta em sua mentira sobre o número de problemas que resolveram.

A segunda é a recompensa interna de sua autoimagem moral — ainda sendo capaz de se ver como uma pessoa honesta — que efetivamente encerra essa mentira e impede os participantes de alegar que resolveram o número máximo de problemas.

Agora que você aprendeu como a tarefa de Adicionar a 10 pode ser usada para explorar a relação entre a extensão da trapaça e a autoimagem, vamos dar uma olhada em outras maneiras que os pesquisadores estão investigando a desonestidade.

Por um lado, alguns cientistas estão avaliando como a educação moral — lembrando um indivíduo sobre conceitos e ações honestas — influencia sua vontade de trapacear. Os alunos foram convidados a assinar um contrato de código de honra, e depois foram administrados a tarefa de Adicionar a 10.

Verificou-se que não houve diferença significativa entre o número de matrizes que esses participantes do grupo experimental observaram que resolveram e os dados dos indivíduos de controle.

Isso sugere que levar indivíduos com o código de honra de sua instituição os lembra de serem morais, e diminui sua tendência de trapacear.

Além disso, tais lembretes de honestidade estão sendo estendidos em outros ambientes, como um escritório, onde os suprimentos muitas vezes desaparecem. Neste caso, foi mostrado que se um espelho é colocado em uma área onde os indivíduos podem ser tentados a roubar — como no armário de suprimentos — eles são desencorajados a levar para casa todas as canetas.

A ideia é que, observando suas ações, o ladrão em potencial é feito auto-consciente, e eles percebem que tomar todos eles pode significar que eles não são tão honestos como gostariam de acreditar.

Você acabou de assistir ao vídeo do JoVE sobre como a tarefa de Adicionar a 10 pode ser usada para entender melhor a desonestidade. Até agora, você deve saber como projetar o experimento, coletar dados de controle e trapaça, interpretar os resultados e entender como a autoimagem — especialmente lembrando um indivíduo de suas ações — pode ser usada para desencorajar a trapaça em outras aplicações.

Obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Este procedimento normalmente resulta em um número consideravelmente maior de questões corretamente "resolvidas" na condição experimental(Figura 2). Este procedimento também pode dissociar se esse desempenho inflado é resultado de alguns indivíduos trapaceando muito ou a maioria dos indivíduos trapaceando um pouco. Se o primeiro fosse verdade, isso resultaria em uma distribuição majoritariamente sobreposta, exceto por um grande aumento relativo de indivíduos relatando a maior pontuação possível. Em vez disso, resultados típicos revelam que a maioria dos participantes trapaceiam um pouco.

Figure 1
Figura 2: Uma distribuição típica de frequência resultante da tarefa. Neste exemplo, há uma condição experimental e uma condição de controle sem oportunidade de trapacear. Os valores do eixo y refletem a proporção de indivíduos que relataram resolver corretamente um número específico de perguntas de teste. Os valores no eixo x representam caixas de três números centrados na etiqueta exibida (por exemplo,30 = participantes que resolveram 29, 30 ou 31 questões).

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

As pessoas estão inerentemente divididas entre obter ganhos com a trapaça versus manter um auto-conceito positivo de honestidade. Ao usar técnicas como a Tarefa De Adicionar-a-10, pesquisas psicológicas modernas concluem que muitas vezes as pessoas, que pensam muito em si mesmas em termos de honestidade, racionalizarão seu comportamento de tal forma a permitir que elas se envolvam em desonestidade limitada, mantendo visões positivas de si mesmas. Dito de outra forma, há um nível aceitável de desonestidade que é definido por considerações internas de recompensa. Diante desses fatores, a desonestidade pode realmente diminuir à medida que as recompensas externas aumentam, ou seja,a punição interna não entra em vigor até que um certo nível de ganho seja alcançado.

Economistas estimam que comportamentos desonestos (por exemplo,trapaças nas declarações fiscais, devolução de roupas após o uso, roubo de funcionários, etc.)custam às organizações bilhões de dólares a cada ano. Regulamentos legislativos que penalizam a desonestidade podem ser caros e explorados. Em contraste, pesquisas sugerem que intervenções que apelam aos nossos motivos para a manutenção da autoimagem podem ser mais baratas e eficazes. Por exemplo, pesquisas sugerem que sutilmente priming a autoconsciência das pessoas (por exemplo,colocar um espelho atrás de um pote de dinheiro) pode reduzir o roubo. 2

Esses achados também convivem com um dos princípios fundamentais da psicologia social: Quase todos são capazes de se comportar mal dependendo da situação. Os esforços para desencorajar a trapaça podem ser mais eficazes se eles se concentrarem menos no raro criminoso mestre-mente e, em vez disso, abordar a possibilidade de que a maioria das pessoas trapaceiam ligeiramente. Intervenções que chamam a atenção para a autoimagem das pessoas comuns podem ser frutíferas para reduzir essa tentação. Por exemplo, Mazar et al. descobriram que priming participantes com Os Dez Mandamentos reduziu drasticamente a trapaça (mesmo entre ateus).

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

References

  1. Mazar, N., Amir, O., & Ariely, D. (2008). The dishonesty of honest people: A theory of self-concept maintenance. Journal of Marketing Research, 45, 633-644.
  2. Ariely, D. (2012). The (honest) truth about dishonesty: How we lie to everyone-especially ourselves. HarpersCollins. New York.

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter