Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
Click here for the English version

Medicine

Integrando ferramentas de realidade aumentada no prognóstico e diagnóstico de linfofedema relacionadaao câncer de mama

doi: 10.3791/60093 Published: February 6, 2020

Summary

A linfedema relacionada ao câncer de mama é frequente em sobreviventes de câncer de mama, mas não há diretrizes amplamente empregadas para seu diagnóstico e quantificação. Aqui, introduzimos um protocolo confiável e econômico para definir, quantificar e comparar o volume de membros superiores em pacientes com câncer de mama.

Abstract

A linfedema relacionada ao câncer de mama (BCRL) é uma condição prejudicial caracterizada pelo acúmulo de líquido no membro superior em pacientes com câncer de mama submetidos a cirurgia axilar e/ou radiações. Sua etiologia é multifatorial e inclui também características patológicas específicas do tumor, como invasão linfovascular (LVI) e extensão extranodal (ENE). Até o momento, não há diretrizes amplamente empregadas para o diagnóstico precoce do BCRL. Aqui, ilustramos um protocolo para uma avaliação BCRL assistida digitalmente usando um scanner laser 3D (3DLS) e um computador tablet. Foi especificamente otimizado em uma coorte de descobertas de pacientes com câncer de mama de alto risco. Este estudo fornece uma prova de princípio de que ferramentas de realidade aumentada, como o 3DLS, podem ser incorporadas ao trabalho clínico da BCRL para permitir um diagnóstico preciso, reprodutível, confiável e barato.

Introduction

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Linfona (Linfona) relacionada ao câncer de mama (BCRL) é retenção de líquidos na extremidade superior ocorrida após cirurgia axilar e/ou radioterapia em aproximadamente 20-80% das pacientes com câncer de mama com metástases de linfonodos (N>1)1,2,3. Essa condição resulta em inchaço do membro com funcionalidade reduzida subsequente, aumento do risco de comorbidades, frustração, ansiedade e depressão4,5. A BCRL é atualmente considerada uma ameaça de longa data para sobreviventes de câncer de mama, dado que pode surgir até 9 anos após a cirurgia6.

A patógense BCRL é tema de debate animado entre especialistas em câncer de mama. Assim, vários estudos têm demonstrado que poderia estar relacionado não apenas a intervenções axilaras, mas também a tratamentos sistêmicos, como quimioterapia baseada em taxas e terapia anti-HER27,8. Além disso, existem linhas recentes de evidências que sugerem que características patológicas específicas do tumor estão envolvidas em sua patogênese1,6,7. Por essa razão, a invasão de espaços linfovasculares na periferia do tumor por células neoplásticas (invasão linfovascular, LVI) e a extensão da metástase além da cápsula do linfonodo (extensão extranodal, ENE) têm sido propostas como uma análise complementar para a estratificação de risco BCRL6,7.

Apesar dos novos insights da biologia bcrl, a medição do volume do braço continua sendo uma fase fundamental no diagnóstico e acompanhamento desses pacientes9. Para esta tarefa, no entanto, não há diretrizes amplamente adotadas. A medição de múltiplas circunferências em todo o braço tem sido tradicionalmente usada para estimar seu volume total usando a fórmula de cone truncada10. Apesar de sua confiabilidade, no entanto, este método circunferential (CM) carece de sensibilidade e reprodutibilidade, particularmente no caso de irregularidades na forma do braço11. Ultimamente, métodos de realidade aumentada, como o scanner laser tridimensional (3DLS), surgiram como ferramentas promissoras para a medição do volume de membros superiores12. Esta tecnologia é barata, fácil de usar, reprodutível e extremamente precisa também na presença de tagarela e inchaço12,13.

O objetivo deste estudo foi avaliar a confiabilidade do 3DLS em comparação com o método circunferencial para diagnóstico e quantificação do BCRL. Aqui, um protocolo é detalhado para medições em tempo real do volume do membro superior por meio de 3DLS em pacientes com câncer de mama com risco aumentado para BCRL.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Protocol

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Este estudo foi aprovado pelos Conselhos de Revisão Institucional das Instituições de Autores. Este protocolo se aplica ao node-positivo (ou seja, N>1 de acordo com o sistema de estágio TNM)14 cânceres de mama que mostram LVI e/ou ENE.

1. Medições de braço em tempo real

  1. Instale o aplicativo para download gratuito (por exemplo, Captevia) em um computador tablet.
  2. Tome um marcador da cor de maior contraste em comparação com a pele do paciente (por exemplo, branco, preto).
    1. Marque a pele do membro superior a ser analisada usando pontos-marcos a 5 cm a partir do pulso ao cotovelo, e do cotovelo à porção proximal do braço. Desenhe as circunferências na pele do membro superior para serem analisadas ao nível de cada marco.
  3. Posicione o paciente em uma posição vertical em uma sala com espaço suficiente para se mover ao seu redor. Levante o membro superior do paciente anteriormente em 90°. Peça ao paciente para permanecer nesta posição por toda a duração do exame.
    NOTA: Em caso de dificuldade do paciente para manter essa posição, pode-se utilizar um suporte no nível da mão (por exemplo, uma vara).
  4. Engane e conecte o dispositivo 3DLS ao tablet.
  5. Abra o aplicativo do tablet e insira as credenciais do sujeito a ser examinada no banco de dados do paciente.
    1. Clique em Conexão e, em seguida, + para entrar em um novo paciente. Digite o Nome e Sobrenome do paciente junto com outras variáveis anamnesticas pré-definidas (como data de nascimento, altura, peso, etc.) e outras conforme desejado no espaço dedicado.
  6. Clique no ícone 3D. Selecione a área a ser examinada modulando a distância e o tamanho do cubo que aparece na tela usando 2 dedos na tela sensível ao toque
  7. Clique em Escanear e inicie a varredura tridimensional enquadrando o membro superior do paciente em todos os planos do espaço. Gire ao redor do membro de todas as visualizações muitas vezes, a fim de otimizar a qualidade da imagem adquirida.
    NOTA: Uma boa aquisição leva em média o tempo de 30 segundos. Não desvie mais de um metro do membro para ser examinado. Não mova o tablet muito rápido.
  8. Uma vez concluída a aquisição, pressione Feito. Se necessário, revise o formulário para avaliar quaisquer defeitos de aquisição ou parte faltante.
  9. Selecione a aquisição e pressione o ícone no canto inferior direito da tela para enviar o arquivo. Digite um e-mail para enviar o arquivo e clique em Enviar.
  10. Inicie o PC e baixe o arquivo de dados enviado por e-mail. Em seguida, insira a chave USB com a licença de software, clique duas vezes no ícone do software, confirme o tipo de licença selecionada e abra o arquivo de dados.
  11. Veja a varredura e pressione Criar novo paciente. Nomeie o arquivo do paciente, selecione o destino para salvar o arquivo e pressione Salvar.
  12. Selecione Arquivo no canto superior esquerdo. Selecione o arquivo do paciente previamente nomeado.
  13. Selecione a varredura e pressione Extrato para extrair a varredura. Selecione a varredura extraída e pressione a Limpeza.
  14. Selecione a imagem. Limpe a forma orientando-a no espaço (eixo x, y e z). Corte todos os segmentos incluídos na varredura nos vários eixos (x, y e z). Também será possível ver quaisquer marcas de pele incluídas no exame para cortar com mais precisão a varredura. Validar a figura de corte.
  15. Nomeie a forma obtida a partir do exame. Pressione Criar uma nova forma.
  16. Oriente o eixo de forma nos 3 planos do espaço e pressione End.
  17. Selecione o formulário processado e pressione Aberto: o software fornecerá o volume total do formulário processado.
  18. Calcule o volume de diferentes seções, pressione o Volume. Mova-se e selecione a margem superior e inferior da seção a partir da qual extrair o volume.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Representative Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Este foi um estudo piloto único cego e randomizado controlado envolvendo indivíduos adultos. Os critérios de inclusão foram os seguintes: 1) adultos jovens com idade >18 e <45 anos; 2) peso normal (índice de massa corporal, IMC, >18 e <25 kg/m2); 3) ausência de qualquer tipo de lesão cutânea no nível superior do membro; 4) ausência de trauma e/ou qualquer tipo de condição capaz de modificar estrutura e volume do braço. Os critérios de exclusão: 1) comorbidades cardiovasculares; 2) doenças vasculares envolvendo o membro superior; 3) condições patológicas em nível de tireoide e renal; 4) presença de linfedema; 5) condições oncológicas anteriores ou ativas. Além disso, um grupo adicional de mulheres afetadas pelo BCRL (etapa II-III) encaminhado à unidade de Reabilitação Oncológica do Departamento de Medicina Física e Reabilitatória do Hospital Universitário de Novara foi inscrito para uma análise preliminar. Os participantes foram devidamente informados sobre os objetivos da pesquisa, procedimentos de teste, tratamento de dados pessoais e a possibilidade de retirada a qualquer momento. O consentimento informado por escrito foi obtido de cada assunto antes de participar do experimento e todos os procedimentos foram conduzidos de acordo com os princípios da Declaração de Helsinque. O fluxograma do estudo está representado na Figura 1.

Trinta adultos saudáveis (14 homens e 16 do sexo feminino, média de idade 27,6 ± 9,8 anos), com índice médio de massa corporal (IMC) de 22,7 ± 2,9 kg/m2 (Grupo A) e 30 pacientes do sexo feminino com câncer de mama (média de idade 57,9 ± 13,8 anos), com IMC médio de 26,6 ± 4,6 kg/m2, que mais tarde desenvolveu BCRL (Grupo B) foram inscritos de junho de 2017 a janeiro de 2018. As características demográficas da população estudada são exibidas na Tabela 1. Após a matrícula, todos os pacientes foram avaliados aleatoriamente por um dos dois lynphotherapists com mais de 20 anos de experiência em tratamentos de transtorno de linfedema que realizaram todos os experimentos. As medidas de volume do braço foram realizadas utilizando os métodos CM e LS3D(Figura 2). Cada examinador realizou a medição do membro superior CM e LS3D duas vezes para um total de quatro medidas para cada sujeito (foi utilizado o valor médio das duas avaliações CM e LS3D).

Nos Grupos A e B, tanto cm quanto 3DLS apresentaram altos níveis de reprodutibilidade inter e intra-operadora, com média de R2 de 0,99 para ambas as técnicas (Tabela 2, Tabela 3). Assim, o valor médio dos cálculos de volume 3DLS mostrou forte correlação com os do CM no Grupo A (r2 = 0,99; p < 0,0001), como mostra a Figura 3a, confirmada pela trama de Bland-Altman mostrando o alto nível de concordância e a consistência das duas medidas diferentes (Figura 3b). No Grupo B, o método apresentou forte correlação entre e intraoperador com CM (r2 = 0,99; p < 0,0001). Além disso, embora tenha sido observada uma correlação significativa (p < 0,001) entre a avaliação interoperadora das diferenças totais de volumes de membros antes e depois de um tratamento descongestionante complexo para ambas as técnicas em mulheres BCRL, é interessante informar que a correlação 3DLS foi superior ao CM (r2 = 0,85 vs r2 = 0,62) (ver Figura 3c para mais detalhes). Por fim, o 3DLS foi significativamente mais rápido que o CM, com um tempo total de 202 ± 27 s (incluindo aquisição e processamento digital) contra 293 ± 17 s (p < 0,0001). Durante todo o período de estudo, não foram registradas técnicas de CM ou 3DLS em ambos os grupos e no efeito percebido global (GPE)15 da técnica 3DLS avaliada em uma escala ordinal de 4 pontos Semelhante saqueada mostrou resultados muito bons: 4,5 para os operadores e 4,6 para os pacientes.

Adultos saudáveis (n=30) Mulheres BCRL (n=30)
Idade (anos) 27,6 ± 9,8 57,9 ± 13,8
IMC (kg/m2) 22,7 ± 2,9 26,6 ± 4,6
Sexo (feminino/masculino) 16/14 30/0
Nível de atividade física (n, %)*
Nenhum 6 (20.0) 7 (23.3)
baixoum 10 (3.3) 16 (53.3)
médiob 9 (30.0) 5 (16.7)
altoc 5 (16.7) 2 (6.7)
Cirurgia (quadrantectomia/mastectomia) 0/0 17/13
As variáveis contínuas são expressas como meios ± desvios padrão, variáveis categóricas como contagem (percentuais) e proporções como x/y. Abreviaturas: BCRL: linfedema relacionada ao câncer de mama; IMC = Índice de Massa Corporal.
*: De acordo com a Organização Mundial da Saúde. Recomendações globais sobre atividade física para a saúde. Genebra, Organização Mundial da Saúde, 2010; a: <150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada (ou <75 minutos de intensidade vigorosa) durante toda a semana ou uma combinação equivalente de atividade moderada e vigorosa de intensidade; b: 150 - 300 minutos de intensidade moderada (ou 75-150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade vigorosa) ao longo da semana ou uma combinação equivalente de atividade moderada e vigorosa de intensidade; c: >300 minutos de intensidade moderada (ou >150 minutos de intensidade vigorosa) atividade física aeróbica ao longo da semana ou uma combinação equivalente de atividade moderada e vigorosa de intensidade.

Tabela 1: Características anamnestésicas e demográficas da população estudada.

Adultos saudáveis (n=30)
Análise intraoperadora Análise interoperadora
Operador A Operador B Operador A Operador B
medida medida r2 medida medida r2 Média Média r2
V1 (dm3) 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.99 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.99 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.99
V2 (dm3) 0,15 ± 0,04 0,14 ± 0,04 0.98 0,15 ± 0,04 0,15 ± 0,04 0.99 0,15 ± 0,04 0,15 ± 0,04 0.99
V3 (dm3) 0,21 ± 0,05 0,21 ± 0,05 0.99 0,21 ± 0,05 0,21 ± 0,05 0.99 0,21 ± 0,05 0,21 ± 0,05 0.99
V4 (dm3) 0,26 ± 0,06 0,26 ± 0,06 0.99 0,26 ± 0,06 0,26 ± 0,06 0.99 0,26 ± 0,06 0,26 ± 0,06 0.99
V5 (dm3) 0,27 ± 0,06 0,27 ± 0,06 0.99 0,27 ± 0,05 0,27 ± 0,05 0.99 0,27 ± 0,06 0,27 ± 0,05 0.99
V6 (dm3) 0,27 ± 0,06 0,27 ± 0,06 0.99 0,27 ± 0,06 0,27 ± 0,06 0.99 0,27 ± 0,06 0,27 ± 0,06 0.99
V7 (dm3) 0,30 ± 0,09 0,30 ± 0,09 0.99 0,30 ± 0,09 0,30 ± 0,09 0.99 0,30 ± 0,09 0,30 ± 0,09 0.99
V8 (dm3) 0,35 ± 0,11 0,35 ± 0,11 0.99 0,35 ± 0,11 0,35 ± 0,11 0.99 0,35 ± 0,11 0,35 ± 0,11 0.99
V antebraço (dm3) 1,04 ± 0,24 1,04 ± 0,24 0.99 1,04 ± 0,24 1,04 ± 0,24 0.99 1,04 ± 0,24 1,04 ± 0,24 0.99
Braço V (dm3) 0,92 ± 0,26 0,92 ± 0,26 0.99 0,92 ± 0,26 0,92 ± 0,26 0.99 0,92 ± 0,26 0,92 ± 0,26 0.99
V tot (dm3) 1,96 ± 0,47 1,96 ± 0,47 0.99 1,96 ± 0,47 1,96 ± 0,47 0.99 1,96 ± 0,47 1,96 ± 0,47 0.99
Mulheres BCRL (n=30)
Análise intraoperadora Análise interoperadora
Operador A Operador B Operador A Operador B
medida medida r2 medida medida r2 Média Média r2
V1 (dm3) 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.99 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.99 0,14 ± 0,05 0,14 ± 0,05 0.98
V2 (dm3) 0,20 ± 0,08 0,20 ± 0,08 0.99 0,20 ± 0,08 0,20 ± 0,08 0.99 0,20 ± 0,08 0,20 ± 0,08 0.99
V3 (dm3) 0,27 ± 0,10 0,27 ± 0,10 0.99 0,27 ± 0,10 0,27 ± 0,10 0.99 0,27 ± 0,10 0,27 ± 0,10 0.99
V4 (dm3) 0,34 ± 0,10 0,34 ± 0,10 0.99 0,34 ± 0,10 0,34 ± 0,10 0.99 0,34 ± 0,10 0,34 ± 0,10 0.99
V5 (dm3) 0,36 ± 0,10 0,36 ± 0,10 0.99 0,36 ± 0,10 0,36 ± 0,10 0.99 0,36 ± 0,10 0,36 ± 0,10 0.99
V6 (dm3) 0,38 ± 0,11 0,38 ± 0,11 0.99 0,38 ± 0,11 0,38 ± 0,11 0.99 0,38 ± 0,11 0,38 ± 0,11 0.98
V7 (dm3) 0,44 ± 0,12 0,44 ± 0,12 0.99 0,44 ± 0,12 0,44 ± 0,12 0.99 0,44 ± 0,12 0,44 ± 0,12 0.99
V8 (dm3) 0,48 ± 0,15 0,48 ± 0,15 0.99 0,48 ± 0,16 0,48 ± 0,16 0.99 0,48 ± 0,16 0,48 ± 0,16 0.99
V antebraço (dm3) 1,30 ± 0,41 1,30 ± 0,41 0.99 1,31 ± 0,41 1,31 ± 0,41 0.99 1,31 ± 0,41 1,31 ± 0,41 0.99
Braço V (dm3) 1,29 ± 0,38 1,29 ± 0,38 0.99 1,30 ± 0,38 1,30 ± 0,38 0.99 1,30 ± 0,38 1,30 ± 0,38 0.99
V tot (dm3) 2,60 ± 0,77 2,60 ± 0,77 0.99 2,61 ± 0,76 2,61 ± 0,76 0.99 2,61 ± 0,76 2,61 ± 0,76 0.99
Os dados são expressos como meios ± desvios padrão. Abreviaturas: CM: método circunferencial; BCRL: linfedema relacionado ao câncer de mama; r2: Pearson's r2; V: volume.

Tabela 2: Análise intra e interoperadora do método circunferencial em adultos saudáveis e mulheres bcrl.

Adultos saudáveis (n=30)
Análise intraoperadora Análise interoperadora
Operador A Operador B Operador A Operador B
medida medida r2 medida medida r2 Média Média r2
V1 (dm3) 0,13 ± 0,05 0,13 ± 0,05 0.99 0,14 ± 0,06 0,14 ± 0,06 0.99 0,13 ± 0,05 0,14 ± 0,06 0.99
V2 (dm3) 0,16 ± 0,04 0,16 ± 0,04 0.99 0,16 ± 0,04 0,16 ± 0,05 0.99 0,16 ± 0,04 0,16 ± 0,04 0.99
V3 (dm3) 0,21 ± 0,05 0,20 ± 0,05 0.99 0,21 ± 0,06 0,22 ± 0,06 0.99 0,21 ± 0,05 0,21 ± 0,06 0.99
V4 (dm3) 0,25 ± 0,06 0,25 ± 0,06 0.99 0,25 ± 0,06 0,25 ± 0,06 0.99 0,25 ± 0,06 0,25 ± 0,06 0.99
V5 (dm3) 0,26 ± 0,05 0,26 ± 0,05 0.99 0,26 ± 0,06 0,26 ± 0,06 0.99 0,26 ± 0,05 0,26 ± 0,06 0.99
V6 (dm3) 0,27 ± 0,07 0,27 ± 0,07 0.99 0,27 ± 0,07 0,27 ± 0,07 0.99 0,27 ± 0,07 0,27 ± 0,07 0.99
V7 (dm3) 0,30 ± 0,09 0,30 ± 0,09 0.99 0,30 ± 0,09 0,31 ± 0,09 0.99 0,30 ± 0,09 0,30 ± 0,09 0.99
V8 (dm3) 0,33 ± 0,10 0,32 ± 0,10 0.99 0,33 ± 0,10 0,33 ± 0,10 0.99 0,33 ± 0,10 0,33 ± 0,10 0.99
V antebraço (dm3) 1,02 ± 0,25 1,02 ± 0,25 0.99 1,02 ± 0,25 1,02 ± 0,25 0.99 1,02 ± 0,25 1,02 ± 0,25 0.99
Braço V (dm3) 0,89 ± 0,26 0,89 ± 0,26 0.99 0,90 ± 0,26 0,90 ± 0,26 0.99 0,89 ± 0,26 0,90 ± 0,26 0.99
V tot (dm3) 1,91 ± 0,48 1,91 ± 0,48 0.99 1,91 ± 0,49 1,91 ± 0,49 0.99 1,91 ± 0,48 1,91 ± 0,49 0.99
Mulheres BCRL (n=30)
Análise intraoperadora Análise interoperadora
Operador A Operador B Operador A Operador B
medida medida r2 medida medida r2 Média Média r2
V1 (dm3) 0,08 ± 0,06 0,08 ± 0,06 0.99 0,08 ± 0,06 0,08 ± 0,06 0.99 0,08 ± 0,06 0,08 ± 0,06 0.99
V2 (dm3) 0,20 ± 0,09 0,20 ± 0,09 0.99 0,20 ± 0,09 0,20 ± 0,09 0.99 0,20 ± 0,09 0,20 ± 0,09 0.99
V3 (dm3) 0,28 ± 0,10 0,28 ± 0,10 0.99 0,28 ± 0,10 0,28 ± 0,10 0.99 0,28 ± 0,10 0,28 ± 0,10 0.99
V4 (dm3) 0,34 ± 0,11 0,34 ± 0,11 0.99 0,34 ± 0,11 0,34 ± 0,11 0.99 0,34 ± 0,11 0,34 ± 0,11 0.99
V5 (dm3) 0,35 ± 0,10 0,35 ± 0,10 0.99 0,35 ± 0,10 0,35 ± 0,10 0.99 0,35 ± 0,10 0,35 ± 0,10 0.99
V6 (dm3) 0,37 ± 0,11 0,37 ± 0,11 0.99 0,37 ± 0,11 0,37 ± 0,11 0.99 0,37 ± 0,11 0,37 ± 0,11 0.98
V7 (dm3) 0,43 ± 0,12 0,43 ± 0,12 0.99 0,43 ± 0,12 0,43 ± 0,12 0.99 0,43 ± 0,12 0,43 ± 0,12 0.99
V8 (dm3) 0,46 ± 0,15 0,46 ± 0,15 0.99 0,46 ± 0,15 0,46 ± 0,15 0.99 0,46 ± 0,15 0,46 ± 0,15 0.99
V antebraço (dm3) 1,31 ± 0,45 1,31 ± 0,45 0.99 1,32 ± 0,45 1,32 ± 0,45 0.99 1,32 ± 0,45 1,32 ± 0,45 0.99
Braço V (dm3) 1,26 ± 0,37 1,26 ± 0,37 0.99 1,27 ± 0,37 1,27 ± 0,37 0.99 1,27 ± 0,37 1,27 ± 0,37 0.99
V tot (dm3) 2,58 ± 0,79 2,58 ± 0,79 0.99 2,59 ± 0,79 2,59 ± 0,79 0.99 2,59 ± 0,79 2,59 ± 0,79 0.99
Os dados são expressos como meios ± desvios padrão. Abreviaturas: varredura a laser tridimensional LS3D; BCRL: linfedema relacionado ao câncer de mama; r2: Pearson's r2; V: volume.

Tabela 3: Análise intra e interoperadora de varredura a laser 3D em adultos saudáveis e mulheres BCRL.

Figure 1
Figura 1: Gráfico de fluxo de estudo. Clique aqui para ver uma versão maior deste valor.

Figure 2
Figura 2: Varredura a laser tridimensional do membro superior no BCRL. Clique aqui para ver uma versão maior deste valor.

Figure 3
Figura 3: Análises comparativas entre o método 3D de varredura a laser e circunferencial. aCorrelação entre a digitalização a laser 3D e o método circunferencial; bA trama de Bland-Altman mostrando o nível de concordância e a consistência da medida diferente; cA correlação entre a análise do operador interrater em termos de diferenças totais de volume de membros antes e depois do tratamento reabilitatório do método circunferencial e da varredura a laser 3D em pacientes com linfonoa relacionada ao câncer de mama. Clique aqui para ver uma versão maior deste valor.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Discussion

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

O uso de uma ferramenta precisa e confiável para medição do volume de membros é obrigatório em sobreviventes do câncer de mama, uma vez que um diagnóstico precoce de BCRL está relacionado a melhores resultados. Além disso, a identificação de indivíduos de alto risco deve considerar não apenas dados clínicos e cirúrgicos, mas também características patológicas específicas do tumor. Este estudo demonstra a reprodutibilidade e confiabilidade de um novo dispositivo 3DLS portátil na medição do volume de membros superiores, tanto em indivíduos saudáveis quanto em mulheres bcrl com características de alto risco. Este método é seguro, indolor, econômico e pode ser realizado na maioria das instituições em grandes coortes de pacientes.

O objetivo de um scanner 3D é criar uma nuvem de ponto de formas geométricas na superfície do sujeito, que representam o modelo 3D. Em particular, a tecnologia 3DLS emprega um mecanismo de triangulação projetando um ponto laser em um objeto (neste caso, o membro superior), então o sensor mede a distância até a superfície do objeto. Este novo protocolo padronizado baseado em realidade aumentada mostra que o 3DLS é uma técnica promissora para medição rápida de volume, não apenas em ambientes sanitários. Os resultados obtidos em indivíduos saudáveis e pacientes com BCRL são intrigantes considerando a relativa rapidez, precisão e reprodutibilidade deste dispositivo. Um dos principais pontos críticos deste protocolo está relacionado ao procedimento de aquisição 3DLS que pode levar a imagens ou erros incompletos/incorretos na quantificação dos volumes superiores dos membros. Para superar esse inconveniente, recomenda-se a aquisição em uma sala com amplos espaços livres, bem como pedir ao paciente que permaneça parado com o membro superior anteriormente levantado em 90° para toda a duração do exame para evitar imprecisões na detecção volumétrica. Além disso, para obter melhores aquisições de volume e otimizar a qualidade da imagem adquirida é recomendável girar o 3DLS ao redor do membro de todas as visualizações muitas vezes. A aquisição só deve terminar quando toda a imagem volumétrica do membro superior for adquirida e o tempo médio de aquisição for de cerca de 30 s. No entanto, apesar dessas possíveis desvantagens relacionadas ao procedimento de aquisição, esses dados sobre tentativas de medição de volume fracassadasugerem uma curva de aprendizagem relativamente rápida do sensor de estrutura 3DLS, pelo menos comparável ao CM. Tomadas em conjunto todos esses pontos sugerem implicações importantes para a implementação de técnicas portáteis 3DLS em diferentes ambientes clínicos da vida real (ou seja, ambulatorial ou cuidados domiciliares) e para a potencial redução dos custos sanitários de saúde em termos de custos pessoais e procedimentos. Portanto, a implementação de sensores estruturais tanto no diagnóstico quanto na configuração terapêutica pode ter implicações clínicas significativas para o manejo e reabilitação de linfedema confirmando o papel capital das tecnologias de realidade aumentada no trabalho clínico bcrl, onde ferramentas confiáveis de triagem, diagnóstico e acompanhamento são necessárias para alcançar o objetivo da medicina de precisão. É importante notar, no entanto, que este protocolo proporciona melhorias substanciais no trabalho do BCRL apenas para grupos selecionados de pacientes com BCRL, particularmente na configuração de uma avaliação inicial. Assim, muitos pacientes com linfedema infelizmente chegam a um centro de tratamento com níveis significativos de inchaço e muitas vezes com condições comorbidas, como a obesidade. Além disso, deve-se notar também que a digitalização 3D sempre foi realizada após o CM. A diferença no tempo de aquisição pode refletir uma curva de aprendizado. Outra limitação deste estudo é representada pela randomização do grupo controle, onde não foi feita nenhuma correspondência para a idade dos pacientes. Por outro lado, este estudo piloto deve ser considerado uma prova de princípio.

Em conclusão, a mudança de paradigma do uso de ferramentas de realidade aumentada em pacientes com câncer de mama N>1, juntamente com uma estratificação de risco baseada em tumores representaria um passo para a medicina de precisão no manejo clínico bcrl.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Disclosures

Nenhum.

Acknowledgments

Nenhum.

Materials

Name Company Catalog Number Comments
Structure sensor + Captevia V3.1 Rodin4D, Rodin SAS Three dimensional laser scanner

DOWNLOAD MATERIALS LIST

References

  1. Michelotti, A., et al. Tackling the diversity of breast cancer related lymphedema: Perspectives on diagnosis, risk assessment, and clinical management. Breast. 44, 15-23 (2018).
  2. Noguchi, M., Yokoi, M., Nakano, Y., Ohno, Y., Kosaka, T. Axillary reverse mapping in breast cancer. Radioisotopes - Applications in Bio-Medical Science. Singh, N. InTech Publisher. Rijeka, Croatia. (2011).
  3. Wilke, L. G., et al. Surgical complications associated with sentinel lymph node biopsy: results from a prospective international cooperative group trial. Annals of Surgical Oncology. 13, (4), 491-500 (2006).
  4. Taghian, N. R., Miller, C. L., Jammallo, L. S., O'Toole, J., Skolny, M. N. Lymphedema following breast cancer treatment and impact on quality of life: a review. Critical Reviews in Oncology/Hematology. 92, (3), 227-234 (2014).
  5. Dean, L. T., et al. 34;It still affects our economic situation": long-term economic burden of breast cancer and lymphedema. Supportive Care in Cancer. (2018).
  6. Invernizzi, M., et al. Lymphovascular invasion and extranodal tumour extension are risk indicators of breast cancer related lymphoedema: an observational retrospective study with long-term follow-up. BMC Cancer. 18, (1), 935 (2018).
  7. Invernizzi, M., et al. Breast Cancer Systemic Treatments and Upper Limb Lymphedema: A Risk-Assessment Platform Encompassing Tumor-Specific Pathological Features Reveals the Potential Role of Trastuzumab. Journal of Clinical Medicine. 8, (2), (2019).
  8. Kilbreath, S. L., et al. Risk factors for lymphoedema in women with breast cancer: A large prospective cohort. Breast. 28, 29-36 (2016).
  9. Sun, F., et al. The need for preoperative baseline arm measurement to accurately quantify breast cancer-related lymphedema. Breast Cancer Research and Treatment. 157, (2), 229-240 (2016).
  10. Deltombe, T., et al. Reliability and limits of agreement of circumferential, water displacement, and optoelectronic volumetry in the measurement of upper limb lymphedema. Lymphology. 40, (1), 26-34 (2007).
  11. Tewari, N., Gill, P. G., Bochner, M. A., Kollias, J. Comparison of volume displacement versus circumferential arm measurements for lymphoedema: implications for the SNAC trial. ANZ Journal of Surgery. 78, (10), 889-893 (2008).
  12. Cau, N., et al. Comparative study between circumferential method and laser scanner 3D method for the evaluation of arm volume in healthy subjects. Journal of Vascular Surgery: Venous and Lymphatic Disorders. 4, (1), 64-72 (2016).
  13. Hameeteman, M., Verhulst, A. C., Vreeken, R. D., Maal, T. J., Ulrich, D. J. 3D stereophotogrammetry in upper-extremity lymphedema: An accurate diagnostic method. Journal of Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery. 69, (2), 241-247 (2016).
  14. Amin, M. B., et al. AJCC Cancer Staging Manual. Eighth Edition , Springer International Publishing. (2017).
  15. Kamper, S. J., et al. Global Perceived Effect scales provided reliable assessments of health transition in people with musculoskeletal disorders, but ratings are strongly influenced by current status. Journal of Clinical Epidemiology. 63, (7), 760-766 (2010).
Integrando ferramentas de realidade aumentada no prognóstico e diagnóstico de linfofedema relacionadaao câncer de mama
Play Video
PDF DOI DOWNLOAD MATERIALS LIST

Cite this Article

Invernizzi, M., Runza, L., De Sire, A., Lippi, L., Blundo, C., Gambini, D., Boldorini, R., Ferrero, S., Fusco, N. Integrating Augmented Reality Tools in Breast Cancer Related Lymphedema Prognostication and Diagnosis. J. Vis. Exp. (156), e60093, doi:10.3791/60093 (2020).More

Invernizzi, M., Runza, L., De Sire, A., Lippi, L., Blundo, C., Gambini, D., Boldorini, R., Ferrero, S., Fusco, N. Integrating Augmented Reality Tools in Breast Cancer Related Lymphedema Prognostication and Diagnosis. J. Vis. Exp. (156), e60093, doi:10.3791/60093 (2020).

Less
Copy Citation Download Citation Reprints and Permissions
View Video

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
simple hit counter