Waiting
Login processing...

Trial ends in Request Full Access Tell Your Colleague About Jove
JoVE Science Education
Social Psychology

A subscription to JoVE is required to view this content.
You will only be able to see the first 20 seconds.

Analisando situações em ajudando o comportamento
 
Click here for the English version

Analisando situações em ajudando o comportamento

Overview

Fonte: Julian Wills & Jay Van Bavel — Universidade de Nova York

Psicólogos sociais e psicólogos de personalidade tentam prever o comportamento humano, mas se concentram em fatores muito diferentes. Enquanto os psicólogos de personalidade se concentram em como traços de personalidade, caráter e diferenças individuais afetam o comportamento, os psicólogos sociais focam principalmente no poder das situações sociais na formação do comportamento.

Muitas vezes subestimamos o papel que as situações sociais podem desempenhar na determinação do comportamento. Muitas vezes acreditamos que as pessoas que sorriem são agradáveis e felizes, as pessoas que agem rudemente são más, e as pessoas que tropeçam na rua são desajeitadas. Psicólogos sociais têm demonstrado repetidamente que essas crenças podem ser infundadas e, em vez disso, enfatizam a importância do contexto social em que o comportamento ocorre.

Por que algumas pessoas são mais aptas a ajudar pessoas necessitadas do que outras? A maioria de nós suporia que é uma função de suas personalidades — algumas pessoas estão mais inclinadas a ajudar do que outras. No entanto, pesquisas psicológicas mostram que a situação social é muitas vezes mais propensa a influenciar a inclinação de uma pessoa para ser útil do que sua personalidade (o que inclui religiosidade e ética).

A experiência clássica de Darley e Batson testou a parábola bíblica do Bom Samaritano em que um padre e um levita - dois cidadãos piedosos e honrados - passaram por um homem ferido em necessidade, enquanto um samaritano não religioso parou para ajudar. 1  

Este vídeo destaca algumas das técnicas experimentais usadas por Darley e Batson na difícil tarefa de separar personalidade e fatores situacionais ao analisar o comportamento humano.

Principles

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

A Associação Americana de Psicologia define a personalidade como as diferenças individuais nos padrões característicos de pensar, sentir e se comportar. O estudo da personalidade se concentra em duas grandes áreas: Uma delas é a compreensão das diferenças individuais em características particulares da personalidade, como sociabilidade ou irritabilidade. A outra é entender como as várias partes de uma pessoa se unem como um todo.

Fatores situacionais, também conhecidos como fatores externos, não ocorrem de dentro de uma pessoa como com personalidade, mas incluem as muitas facetas do ambiente externo de uma pessoa.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Procedure

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

1. Recrutamento de Participantes

  1. Realize uma análise de poder e recrute um número suficiente de participantes de um grupo de estudantes de seminários entre 18 e 50 anos.
  2. Atribua aleatoriamente os participantes a uma das seis condições experimentais detalhadas abaixo.

2. Coleta de Dados

  1. Uma vez que grande parte do experimento ocorre fora, garantir condições consistentes de luz do dia e do clima durante a realização do procedimento com cada participante.
  2. Peça-lhes para preencher uma série de questionários que medem diferenças individuais na religiosidade (seis no total).
  3. Manipule duas variáveis independentes: Tipo de fala que os participantes são informados que terão que fazer (tipo de fala) e se os participantes estão sendo apressados para fazer o discurso (pressa).
    1. Variável 1: Tipo de fala
      1. Diga a metade dos participantes que eles farão um discurso sobre suas aspirações de carreira e que eles são livres para estruturar o breve discurso de 3 a 5 minutos como quiserem.
        1. Forneça ao participante 3 minutos para considerar o que dizer.
      2. Diga à outra metade dos participantes que farão um discurso sobre a parábola do Bom Samaritano.
        1. Dê ao último grupo uma cópia da passagem do Bom Samaritano.
        2. Diga ao participante que eles são livres para estruturar o discurso de 3 a 5 minutos como quiserem.
        3. Dê-lhes 3 minutos para considerar o que dizer.
    2. Variável 2: Pressa.  Os participantes são informados de que o discurso deve ser proferido em todo o campus.
      1. Baixa pressa: Diga a um terço dos participantes que uma vez que eles chegam para fazer o discurso, eles provavelmente terão que esperar um pouco.
      2. Meia-pressa: Diga a um terço dos participantes que assim que chegarem, farão o discurso imediatamente.
      3. Alta pressa: Diga a um terço dos participantes que eles já estão atrasados para o discurso e que eles devem se apressar.
  4. Medida dependente: No caminho para o segundo local, os participantes se deparam com um indivíduo que está deitado em um beco com dor aparente e necessidade de ajuda.
    1. Essa pessoa está em aliança com os experimentadores (um "confederado"), está fingindo dor, e é treinada para observar e registrar sistematicamente o comportamento do participante, quantificando o grau em que o participante ajudou.
    2. Especificamente, tenha a taxa confederada de cada participante em uma escala de comportamento de ajuda (variável dependente primária) da seguinte forma:
      1= O participante não percebe.
      2= Notou o participante, mas não oferece ajuda
      3= Não parou, mas ajudou indiretamente, por exemplo, disse a outra pessoa que um indivíduo estava precisando de ajuda
      4= Parou e perguntou se eles precisavam de ajuda
      5= Parou e insistiu em levar o indivíduo para dentro de um local seguro e depois saiu
      6= Parou e se recusou a sair do lado do indivíduo até que a ajuda fosse obtida
  5. Debriefing: Após chegar ao local da fala, informe o participante sobre a natureza exata do estudo, incluindo a fraude envolvida, e as razões do engano.

3. Análise de dados

  1. Compare o grau de ajuda em função do tipo de fala e a quantidade de pressa em que o participante estava.

Prever o comportamento humano é difícil. Pesquisadores interessados em personalidade muitas vezes se concentram em como certos traços e diferenças de caráter afetam a maneira como os indivíduos se comportam, enquanto aqueles no campo social se aprimem sobre o papel dos fatores situacionais — com base no ambiente.

Ambas as perspectivas fazem sentido: digamos que um motorista seja cortado da estrada por outra pessoa. Ela pode pensar que outra pessoa foi rude e chamá-lo de nomes inapropriados - atacando sua personalidade.

Mais tarde naquele dia, a mulher recebe um pneu furado. Esperando que alguém eventualmente ajude, ela percebe que o mesmo cara mal comportado passa e rapidamente julga que ele definitivamente não vai parar. Surpreendentemente, o cavalheiro faz!

Como se vê, ele estava apenas atrasado de antemão e correndo para pegar seu amado gato na creche. Este exemplo ilustra o poder que fatores situacionais têm sobre avaliações de personalidade.

Usando as técnicas experimentais seminal de Darley e Batson, este vídeo demonstra o impacto de fatores situacionais quando os indivíduos são colocados em um ambiente onde outra pessoa precisa de ajuda.

Neste estudo, os participantes são recrutados a partir de uma profissão onde a empatia é esperada, como o seminário, e solicitados a fazer um discurso em todo o campus. Tanto o tipo de fala quanto a quantidade de tempo em que eles têm que chegar são variados.

Na primeira manipulação, tipo de fala, metade dos participantes é instruída a dar palestras sobre suas aspirações de carreira, enquanto os outros recebem uma cópia da passagem do Bom Samaritano e são convidados a falar sobre essa parábola.

Para a segunda manipulação, quantidade de pressa, os participantes são designados para uma das três condições — baixa, média e alta pressa — e recebem instruções diferentes.

O terceiro do grupo de baixa pressa é informado de que eles provavelmente terão que esperar para fazer seu discurso assim que chegarem. Aqueles com pressa média são informados que na chegada, eles estarão falando imediatamente. O último terço — com alta pressa — é informado de que eles já estão atrasados e devem se apressar imediatamente.

Enquanto os participantes estão a caminho do segundo local, um confederado — fingindo dor e precisando de ajuda — é treinado para observar e registrar o comportamento de cada participante à medida que passa.

Aqui, a variável dependente é o grau em que os participantes ajudam em uma escala de 1 (não percebeu o indivíduo) a 6 (parou e se recusou a sair até a chegada da ajuda).

Se a situação afeta o comportamento, espera-se que aqueles com mais tempo em suas mãos — no grupo de baixa pressa — sejam mais úteis do que os participantes em uma corrida real, demonstrando que fatores situacionais têm um impacto na ajuda ao comportamento.

Antes do experimento, realize uma análise de poder para recrutar um número suficiente de estudantes adultos do seminário. Além disso, verifique o tempo para garantir que haverá condições consistentes ao ar livre durante os testes.

Após a chegada do participante, escolte-os até uma sala de testes. Peça a cada um que complete seis questionários para controlar as diferenças individuais na religiosidade.

Em seguida, informe o participante que fará um breve discurso de 3 a 5 minutos. Dependendo da condição atribuída, varie o tipo de discurso que devem dar: seja nas aspirações de carreira ou na parábola do Bom Samaritano.

Para a segunda manipulação, diga aos participantes que eles devem viajar através do campus para fazer o discurso, e variam os tempos de chegada em uma das três quantidades. "Você já está atrasado para o discurso e deve se apressar."

Quando o participante encontra o confederado fingindo estar com dor, note que o ator deve observar secretamente a qualidade de sua interação. Uma vez que o participante esteja fora de vista, que regisse uma pontuação entre 1 e 6.

Continue agindo com dor até que todos os participantes passem. Certifique-se de gravar a última pontuação antes de sair.

Para concluir o experimento, conheça os participantes onde supostamente estavam fazendo seu discurso e debriefá-los totalmente, descrevendo a natureza do estudo, incluindo o engano envolvido e as razões por trás disso.

Para visualizar os dados, crie um gráfico das pontuações médias quantificadas de comportamento de ajuda. Em seguida, plote os valores em função da quantidade de pressa em que o participante estava e do tipo de fala.

Observe que à medida que a quantidade de pressa aumentava, os participantes se tornaram menos úteis para a pessoa necessitada. Além disso, a situação era um preditor mais forte do que o tipo de fala. Também não houve diferenças na religiosidade determinadas pelo questionário pré-experimental.

Assim, apesar da crença comum de que as diferenças individuais e a personalidade comportamento de forte impacto, esses achados mostram que fatores situacionais podem ser muito mais influentes.

Agora que você está familiarizado com um design clássico para examinar o poder de fatores situacionais — como o ambiente social — ao analisar o comportamento humano, vamos olhar para outras circunstâncias complexas onde nossas interpretações nem sempre são precisas.

Com base na teoria da atribuição, as pessoas têm uma tendência a associar ações negativas realizadas por outros, como o encerramento de uma hipoteca residencial, à sua personalidade — inferindo que são ignorantes e preguiçosos — minando assim fatores situacionais que mais provavelmente explicam sua condição. Este é um exemplo de cometer um erro de atribuição fundamental.

Curiosamente, se o mesmo evento negativo ocorreu a si mesmo, a pessoa é rápida em culpar a situação atual e não seu caráter. Em parte, essa reversão se deve a um viés inerente à autoestima, que favorece o eu de forma positiva para evitar explicações que possam ameaçar sua própria disposição.

Além disso, imagine várias pessoas em uma loja lotada, onde um indivíduo observa um idoso roubando um item. Essa pessoa é rápida em julgar os outros por não ajudarem quando eles mesmos não fizeram nada. Neste caso, eles assumiram que outra pessoa gerenciaria o incidente — um exemplo do efeito espectador.

Além disso, algumas sociedades chegaram ao ponto de promulgar leis que exigem o dever de resgatar. Por exemplo, se em outro corredor uma pessoa estava lutando para respirar e precisava de assistência física, os transeuntes poderiam ser considerados culpados de um crime federal, já que não havia perigo aparente para eles fornecerem ajuda.

Você acabou de assistir ao vídeo do JoVE sobre o impacto de fatores situacionais na ajuda ao comportamento. Agora você deve ter uma boa compreensão de como projetar, conduzir e analisar um experimento para estudar como as configurações sociais podem influenciar o comportamento de um indivíduo, independentemente da personalidade.

Obrigado por assistir!

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Results

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Uma análise da variância revelou um efeito principal da pressa situacional, que como a pressa aumentou, os participantes foram menos úteis para a pessoa no beco (Figura 1). Ou seja, os participantes que não estavam com pressa ajudaram mais, aqueles que estavam com um pouco de pressa ajudaram menos, e aqueles que estavam com muita pressa ajudaram menos. O tipo de discurso que os participantes deveriam dar não influenciou significativamente a ajuda. Além disso, não houve interação significativa observada entre o tipo de fala e a quantidade de pressa. Finalmente, o grau de ajuda não foi significativamente previsto por nenhuma das medidas individuais de diferença da religiosidade.

Figure 1
Figura 1: Quantidade média de ajuda com base no conteúdo da fala e quantidade de pressa.
A quantidade de comportamento de ajuda (eixo y) é traçada para os participantes atribuídos a cada uma das três condições de "pressa" situacionais (eixo x). As barras vermelhas indicam os participantes designados para fazer o discurso de ajuda relevante (ou seja, O Bom Samaritano) enquanto as barras azuis representam assuntos que dão o discurso relevante da tarefa (ou seja, aspiração de carreira). O principal efeito da manipulação da pressa foi significativo no nível alfa convencional = 0,05. Nem o principal efeito do tipo de fala nem a interação entre o tipo de fala e a quantidade de pressa alcançaram significância convencional. Os valores plotados foram reproduzidos da Tabela 1 no artigo original de Darley e Batson. 1

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

Applications and Summary

or Start trial to access full content. Learn more about your institution’s access to JoVE content here

Os alunos do seminário estão treinando para uma profissão onde a ajuda e a empatia são normalmente esperadas. Quando solicitado a fazer um discurso relacionado a ajudar ou sua carreira, o tipo de discurso não previu seu comportamento de ajuda. Em vez disso, quanto mais os alunos eram convidados a se apressar, menos prestavam. Além disso, as diferenças individuais na religiosidade não previram o comportamento de ajuda. As pessoas tendem a acreditar que as diferenças individuais e a personalidade impactam fortemente o comportamento, mas este estudo mostrou que fatores situacionais podem ser muito mais influentes.

Nossa interpretação da personalidade versus fatores situacionais influencia nossas ações e julgamentos diariamente. Um princípio da psicologia social é o erro de atribuição fundamental,2 que descreve a tendência de atribuir ações negativas realizadas por outras pessoas à sua personalidade, mas ações negativas realizadas por si mesmas às circunstâncias atuais. Um exemplo diário disso seria quando alguém atribui ser cortado na estrada para alguém ser um mau motorista. Enquanto a pessoa pode ser um mau motorista, ele ou ela também pode estar apenas com pressa; fatores situacionais podem explicar por que a pessoa está cortando as pessoas na estrada.

Um exemplo muito mais marcante da falha de um indivíduo em ver a importância das situações na formação de comportamentos veio em 2011. Wang Yue, uma menina de dois anos, foi atropelada por um carro na rua e dezenas de pessoas que passavam e passavam não ajudar. Todo o evento foi capturado por uma câmera de vídeo local e Wang Yue acabou morrendo de seus ferimentos. Imediatamente pensamos que as pessoas que não conseguiram ajudar são insensivelmente insensivelmente, e de fato a mídia chinesa especulou que durante a corrida para industrializar a China moderna, as pessoas tinham se tornado mais insensivelmente. Mas imagens de vídeo posteriores do mercado em que Wang Yue foi atropelado revela que o mercado estava repleto de ruídos, luzes, e estava geralmente ocupado. Pode ter sido fácil não notar a garotinha. Além disso, é muito provável que as pessoas acreditando que alguém já havia pedido ajuda.

Essas situações podem ter implicações políticas sociais. Algumas sociedades chegaram ao ponto de promulgar leis que requerem o dever de resgatar. Por exemplo, no Canadá, se você não ajudar alguém que precisa de assistência física imediata, por exemplo,uma vítima de afogamento, onde não há perigo para si mesmo ou uma terceira pessoa, você pode ser considerado culpado de um crime federal.

Subscription Required. Please recommend JoVE to your librarian.

References

  1. Darley, J. M., &  Batson, C.D. (1973). From Jerusalem to Jericho: A study of situational and dispositional variables in helping behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 27, 100-108.
  2. Ross, L. (1977). The intuitive psychologist and his shortcomings: Distortions in the attribution process. Advances in experimental social psychology, 10, 173-220.

Transcript

Please note that all translations are automatically generated.

Click here for the English version.

Get cutting-edge science videos from JoVE sent straight to your inbox every month.

Waiting X
Simple Hit Counter